O FBI documentou 15 crimes especificamente direcionados aos santos dos últimos dias em 2017. São cerca de duas vezes os crimes de ódio “anti-mórmons” registrados em 2016 e 2015.

O FBI começou em 2015 o rastreamento de crimes motivados por preconceitos contra as minorias religiosas, incluindo as Testemunhas de Jeová, Sikhs, Budistas, Hindus e Cristãos Ortodoxos.

Esses crimes de ódio contra os santos dos últimos dias representam apenas uma pequena fração dos crimes.

Em 2017, o grupo religioso mais frequentemente vítima foi os judeus, com 938 incidentes. O segundo grupo mais visado foi os muçulmanos, com 273 incidentes.

“Os crimes de ódio contra as minorias religiosas estão aumentando”, disse Brian Levin, diretor do “Center for the Study of Hate and Extremism” da Universidade Estadual da Califórnia.

Os dados mostram que em 2017 houve mais crimes de ódio motivados por preconceitos religiosos do que em qualquer ano anterior. Mas especialistas como Levin dizem que aumento no número pode ter acontecido devido, em parte, ao aumento das denúncias nos departamentos de polícia, e não simplesmente ao aumento da violência.

De acordo com Sim Gill, promotor de Salt Lake County, a diferença entre um crime de ódio e um crime normal é o impacto em uma comunidade.

“Se uma comunidade ouve que os santos dos últimos dias estão sendo agredidas ou perseguidos por um grupo de pessoas, todos os pais que levam seus filhos à igreja no domingo ou têm um filho servindo uma missão sentirão medo”, disse Gill.

O FBI tem investigado crimes de ódio desde a Primeira Guerra Mundial . Mas somente em 2015 o departamento começou a acompanhar os crimes contra membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, informou o Washington Post .

“A falta de vontade em responsabilizar os criminosos pelo impacto total de suas ações é uma injustiça às comunidades feridas.”

Levin atribui o aumento de crimes de ódio à expansão cultural e diversidade da população nos Estados Unidos.

“As pessoas temem as mudanças culturais e demográficas”, disse ele.

Salt Lake City

Salt Lake City. Imagem via siliconslopes.com

O Islã e A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias são duas religiões que têm crescido nos Estados Unidos, disse Levin.

O número de muçulmanos nos EUA cresceu de 2,35 milhões em 2007 para 3,45 milhões em 2017, principalmente devido à imigração, de acordo com o Pew Research Center .

A Igreja de Jesus Cristo passou de 5,87 milhões de membros nos EUA no final de 2007 para 6,64 milhões de membros hoje, de acordo com as estatísticas da igreja.

Mas os dados do FBI podem ser enganosos, de acordo com Jack Levin, co-diretor do “Brudnick Center on Violence and Conflict” da Universidade Northeastern.

Ele disse que as estatísticas do FBI são os melhores dados que existem, mas eles ainda não refletem inteiramente a realidade. Os dados vêm de relatórios voluntários enviados pelas jurisdições policiais em todo o país. Todos os anos um número diferente de departamentos de polícia decide participar.

Isso significa que é difícil comparar o número de crimes de ano para ano e de um estado para outro, disse Jack Levin. Uma coisa é certa, o número real de crimes de ódio é maior do que o relatado.

Fonte: DeseretNews

Relacionado:

Presidente Trump fala sobre o legado dos pioneiros mórmons