Não somos “mórmons”. Por que alguns continuam a usar esse nome?

Em 1831, um ano após a fundação de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, as pessoas adotaram um novo termo para os chamados “proselitistas da Bíblia Dourada”: Mórmons.

O apelido, é claro, se refere ao Livro de Mórmon, que os membros da Igreja consideram como uma escritura, assim como a Bíblia. Durante os primeiros anos, na maioria das vezes o termo mórmon era usado de forma pejorativa.

Embora a Igreja tenha passado por períodos onde adotou o termo “mórmon” (por exemplo, a campanha “Sou mórmon”), em outubro de 2018, Russell M. Nelson, presidente de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, anunciou uma nova ênfase no nome completo da Igreja, incluindo um pedido específico e claro para parar de usar o termo “mórmon” como um identificador da religião de maneira total.

Durante seu pedido, o Presidente Nelson mencionou a escritura que diz:

“Pois assim será a minha igreja chamada nos últimos dias, mesmo A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.” (D&C 115:4.)

Desde o anúncio do Presidente Nelson, a maioria das mudanças envolveu mudanças institucionais, incluindo a eliminação do termo “mórmon” do “Coro do Tabernáculo Mórmon”, a mudança de Mormon.org para VindeACristo.org e o fim da campanha “Sou mórmon”.

E os membros da Igreja começaram a referir a si mesmos como Santos dos Últimos Dias ou membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

A Igreja também publicou um guia de estilo atualizado solicitando que a mídia pare de usar o termo “mórmon” ou “SUD”.

Em março de 2019, o guia de estilo da Associated Press (AP), o padrão para jornalistas de notícias, endossou muitas das mesmas recomendações. Como a imprensa tem seguido o pedido da Igreja e as recomendações da AP?

Juntamente com o Instituto Elizabeth McCune, analisamos a cobertura da Igreja em um período de cinco meses, de 15 de julho de 2019 a 15 de dezembro de 2019, nos vinte maiores sites de notícias dos Estados Unidos.

O que descobrimos foi que os jornalistas que escreveram artigos negativos sobre a Igreja ou seus membros foram mais propensos a usar a palavra “mórmon” do que os termos fornecidos no guia de estilo.

Metodologia e limitações

Limitamos nossa análise aos vinte maiores sites. Os artigos foram analisados ​​para determinar como eles atendiam às recomendações do guia de estilo da Igreja.

Classificamos os artigos com base na inclusão ou não, de conteúdo editorial positivo, negativo ou neutro sobre a Igreja.

Nossa análise baseou-se completamente em conteúdo escrito da web, excluindo outras mídias onde muitas pessoas tem acesso a notícias (televisão, jornais).

Também não analisamos mídias que escrevem notícias sobre a Igreja com mais frequência, como Salt Lake Tribune e Deseret News, ou outros blogs e fóruns

Portanto, o estudo não tem a intensão de avaliar como os leitores percebem o nome da Igreja na web em geral, mas sim como os jornalistas e escritores nacionais dos meios de comunicação mais lidos optam por representar o nome da Igreja.

O uso do nome completo da Igreja

Edifício Mórmon

Entre 15 de julho de 2019 e 14 de dezembro de 2019, os vinte maiores sites de notícias dos Estados Unidos publicaram 421 artigos que faziam referência à Igreja.

Entre os artigos analisados, 275 centralizaram uma atenção significativa na Igreja; 156 incluíram apenas menções incidentais (por exemplo, “Ocorre roubo do outro lado da rua de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”).

No geral, 180 dos 421 artigos (43%) aderiram amplamente às recomendações do guia de estilo da Igreja. Com relação aos artigos que tem a Igreja como enfoque, apenas 94 dos 265 artigos (35%) aderiram às recomendações do guia de estilo.

Entre o conjunto total de artigos, 52 artigos referem-se à Igreja no título do artigo. Destes, 5 (10%) mencionam a Igreja de acordo com qualquer um dos nomes recomendados pelo guia de estilo da Igreja, 4 (8%) fazem uso de “Igreja SUD”, e os 43 restantes (83%) usam o termo “Mórmon”.

Embora alguns jornais e mídias estejam usando corretamente o nome recomendado pela Igreja, muitos ainda usam o termo “mórmon”, principalmente em manchetes. Por que em certos casos o uso padronizado foi adotado, mas não em outros?

Algumas dessas descobertas podem envolver diferentes padrões nas publicações. Também é possível que diferentes escritores variem em sua compreensão do nome da Igreja. Então, exploramos outra possibilidade em nossa análise.

Entre os 180 artigos que seguiram o guia de estilo recomendado pela Igreja, 10 (6%) incluíam conteúdo editorial negativo. Por outro lado, dos 240 artigos que não seguiram o guia de estilo recomendado, 70 (29%) incluíam conteúdo editorial negativo.

Em outras palavras, se você encontrou um artigo na imprensa popular com conteúdo editorial negativo sobre a Igreja entre 15 de julho e 15 de dezembro de 2019, existe uma probabilidade de 86% (69 em 80) de que o artigo em questão inclua a palavra “mórmon”.

Enquanto que, durante o mesmo período, se você leu um artigo que menciona a Igreja sem conteúdo editorial negativo, é porque a palavra “mórmon” foi usada apenas 46% das vezes (157 de 341).

Com base no conjunto de dados de cinco meses que analisamos, descobrimos que há uma forte correlação entre o uso do termo “mórmon” e conteúdo editorial negativo sobre a Igreja.

Análise das opiniões em todo o conjunto de dados

Em nosso estudo, também analisamos artigos neutros ou positivos. É muito mais provável que esses artigos se refiram à Igreja, conforme recomendado pelo recente guia de estilo.

Novamente, em contraste, artigos que sugeriam que a Igreja ou suas ações eram negativas de alguma forma tendiam a usar o termo “mórmon” com mais frequência.

Esta é uma verdade mesmo ao comparar artigos semelhantes da mesma mídia, onde um segue as diretrizes da Igreja e o outro não.

Roland Spongberg

Por exemplo, o LA Times publicou um artigo descrevendo Roland Spongberg, dono de uma franquia de restaurantes de sucesso e membro ativo da Igreja. Junto a seu tom neutro e positivo sobre a Igreja, o artigo usa o nome completo da Igreja próximo ao seu final.

Por outro lado, outro artigo do LA Times sobre o filme Them That Follow da diretora Britt Poulton, analisa como Poulton “realmente teve dificuldades” ao crescer na Igreja.

Junto ao seu diálogo negativo sobre a Igreja, a palavra “mórmon” é usada no início do artigo. Por outro lado, Poulton usa o nome completo da Igreja para descrever sua formação religiosa em outros artigos, como em sua entrevista para “Women and Hollywood”.

A maneira como diferentes publicações abordam a mesma história também pode ser esclarecedora.

Quando Ed Smart, pai de Elizabeth Smart, afirmou ser homossexual, as reportagens sobre a história que incluíam conteúdo negativo em relação à Igreja, como a matéria da NBC News, usaram a palavra “mórmon” com mais frequência, enquanto artigos que se concentraram em outros elementos da história e não incluíram conteúdo negativo, como a matéria do USA Today, usaram o nome completo da Igreja.

O que observamos é apenas uma imagem no tempo e exigirá um estudo mais aprofundado para examinar como os jornalistas e a mídia optam por representar a Igreja nas plataformas de mídia durante um período maior de tempo.

Fonte: Public Square Magazine

Relacionado:

Louvar o nome do Senhor: Dois apóstolos compartilham a importância do nome da Igreja

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *