Experiências que testemunham a vida após a morte

Um dos fenômenos mais fascinantes do nosso tempo são as experiências de quase morte.

Essas experiências já confundiram a ciência, em geral, porque não pode ser verificada em um laboratório, mas tem sido uma provação complementar para pessoas de fé que apreciam o apoio adicional às suas crenças.

Devido ao grande número de pessoas que relataram ter uma experiência de quase morte, a comunidade científica não vê mais sua pesquisa sobre elas como uma “ciência marginal”.

Você também pode gostar: “Um testemunho poderoso sobre a realidade do mundo espiritual”

Um grande número de estudos nas últimas décadas realizados por psicólogos, neurologistas e teólogos, indica que cerca de 5% dos americanos (um em cada 20) passam por uma experiências de quase morte, números semelhantes que também são encontrados em outros países. O que são 774 experiências de quase morte por dia.

Muitos têm experiências extra-sensoriais em que podem descrever tudo o que está em uma sala de emergência ou na cena de um acidente na estrada até os procedimentos realizados, roupas usadas e conversas expressas.

Outros descrevem uma lista de elementos comuns que são quase indistinguíveis de uma cultura para outra, exceto em como cada pessoa interpreta sua experiência. Alguns desses elementos incluem:

Viajar através de um túnel indo em direção a uma luz.

Emergir do túnel para um mundo de cores vivas e brilhantes.

Ver e ser recebido por seus entes queridos.

Ter um encontro com um guia ou membro da Trindade.

Observar pessoas que são instruídas em uma sala de aula.

Recordar de experiências de vida.

Experimentar uma comunicação telepática e viagens instantâneas.

Sentir total alegria e relutância em voltar à vida.

Pesquisas mostram que as experiências de quase morte ocorrem em pessoas de diferentes índoles, incluindo crianças muito jovens, pessoas com cegueira congênita e até ateus.

Cada pessoa frequentemente descreve uma lista de itens comuns que combinam perfeitamente com as crenças Santos dos Últimos Dias, tais como:

As duas grandes divisões no mundo espiritual.

O evangelho ensinado aos espíritos que estão em uma dessas divisões.

Anjos da guarda.

Famílias eternas.

Crianças falecidas vistas como adultos.

Ausência de deficiências físicas.

 

As experiências de quase morte não são apenas alucinações

Como justificamos essas experiências? A comunidade de medicina geralmente explica isso como meras fabricações causadas pelo cérebro (alucinações) quando o corpo começa a morrer.

E isso é exatamente o que o excelente neurocirurgião Dr. Eben Alexander III sempre defendeu firmemente, até que ele teve uma experiência de quase morte em 2008.

Em seu livro, “Prova dos céus”, ele descreve que ficou em coma por sete dias devido a meningite bacteriana espontânea, uma condição considerada uma raridade de 1 em um milhão com uma probabilidade igualmente rara de sobrevivência.

Todo o neocórtex de Alexander, a superfície externa do cérebro, a parte que nos torna humanos, estava completamente desligado e inoperante, tornando-o um canal tecnicamente quase acessível para uma experiência de quase morte.

Ele detalha seu encontro com um guia angelical que o acompanhou às partes mais profundas do mundo espiritual onde falou com o que ele chamou de “a fonte divina do próprio universo”.

Sua narrativa fascinante e determinação obstinada em contar a verdade sobre sua experiência, apesar de comprometer sua própria carreira, fez com que a comunidade médica, no mínimo, começasse a considerar as explicações que vão além do fisiológico.

Além de relatos pessoais fascinantes como este, existem numerosos estudos científicos que desacreditam firmemente a teoria do cérebro agonizante e apoiam as experiências de quase morte como uma possível evidência da vida após a morte.

Um desses estudos foi realizado na Holanda em 1988, onde 344 sobreviventes de parada cardíaca foram estudados em hospitais holandeses. Dos resultados sabe-se que 62 pacientes (18%) tiveram diferentes tipos de experiências de quase morte, deixando 282 pacientes (82%) sem nenhuma lembrança do que sofreram.

De imediato, os pesquisadores observaram que, uma vez que os pacientes que sofrem de ataques cardíacos não têm atividade cerebral durante uma parada devido à circulação e respiração terem cessado, não há chances de que esses pacientes possam ter tido alucinações.

A teoria do cérebro agonizante também não conseguiu explicar por que apenas alguns dos pacientes tiveram experiências de quase morte quando todos essencialmente passaram pelas mesmas condições.

De acordo com o Dr. Pim Van Lommel, o principal artífice do estudo:

“Nossa descoberta mais surpreendente foi que as experiências de quase morte não têm origem física ou médica.

100% dos pacientes sofreram falta de oxigênio, 100% receberam medicamentos semelhantes à morfina, 100% dos sobreviventes foram vítimas de estresse severo, então estas não são as razões pelas quais 18% tiveram experiências de quase morte e 82% não.

Se as experiências tivessem sido provocadas por qualquer uma dessas coisas, todos [os sobreviventes] teriam tido experiências de quase morte”.

Experiências de quase morte que nos fazem refletir

Exemplo 1:

Um caso interessante foi relatado em 1995 pelo médico K. M. Dale O relato é sobre uma criança de 9 anos, cuja febre durou quase 36 horas antes de começar a baixar no hospital.

Assim que ele abriu os olhos, às 3 da manhã, o menino rapidamente disse a seus pais que ele estava no céu e viu seu avô e seus tios falecidos.

Por mais surpreendente que fosse, o menino continuou dizendo que também viu sua irmã de 19 anos, que estudava na faculdade na época, que lhe disse que ele tinha que voltar.

Por causa da história do menino, seus pais ligaram para a faculdade em que a irmã estudava e disseram que sua filha havia falecido em um acidente de carro logo após a meia noite.

As autoridades da Universidade tentaram sem sucesso se comunicar com a família em sua casa para informá-los da trágica notícia.

Exemplo 2:

Em outro caso, Vicky Umipeg, uma mulher de 45 anos, com cegueira de nascimento, descreveu que flutuou sobre seu corpo na sala de emergência depois de sofrer um acidente de carro. Ele disse que viu como o médico e a enfermeira fizeram o seu melhor para reparar os danos em seu corpo e explicou em detalhes o que viu.

Ela descreveu que foi levada para uma espécie de túnel, em direção à luz, culminando em um mundo onde ela “viu” árvores, pássaros e flores, e encontrou amigos e parentes que haviam falecido e que eram “feitos de luz”.

Ela disse: “Esta foi a única vez que consegui entender o que é ver e o que é a luz, porque eu tinha experimentado”.

Exemplo 3:

Em um caso incomum, o proeminente pesquisador Santo dos Últimos Dias, Arvin Gibson, documentou o testemunho de um grupo inteiro de bombeiros de elite membros da Igreja de Jesus Cristo chamados “Hotshots”, que em 1989 sucumbiram às chamas apenas para voltar à vida com uma experiências de quase morte compartilhada.

Todos se viram fora de seus corpos aparentemente sem vida depois que o incêndio florestal que eles estavam tentando mitigar os envolveu. Cada um deles recebeu a promessa de um ser que eles interpretaram como Deus, de que ao voltar à vida, seus corpos não seriam queimados.

Quando todos acordaram, surpreendentemente, nenhum recebeu queimaduras, mesmo quando o lado da montanha onde estavam trabalhando ficou completamente destruído.

Experiências de quase morte nas escrituras e hoje

As referências às experiências de quase morte também são mencionadas na Bíblia e no Livro de Mórmon, como a experiência de quase morte de Alma, o filho, onde ele estava “quase até a morte” por três dias depois que um anjo o repreendeu (Mosias 27: 10-32).

O relato de Alma tem muitas semelhanças com os elementos comuns encontrados em outras experiências de quase morte registradas. Outras experiências nas Escrituras incluem:

A parábola de Jesus sobre um mendigo chamado Lázaro, que ao morrer foi levado por anjos ao paraíso (Lucas 16:22).

A história de Estêvão, que foi apedrejado até a morte e viu Jesus de pé à direita de Deus (Atos 7:55-56).

A história de Paulo quando ele visitou o terceiro céu (2 Coríntios 12:1-5).

A experiência do Rei Lamôni, quando ele ficou inconsciente por três dias até que se levantou e profetizou muitas coisas com base em sua experiência (Alma 18:42-43; 19).

A experiência da esposa do Rei Lamôni, que teve uma experiência de quase morte semelhante (Alma 19:13-34).

Por J. Kirk Richards

O interesse moderno em experiências de quase morte começou notoriamente com o professor de Medicina Raymond Moody, que escreveu seu primeiro livro sobre o assunto, “Vida após a vida”, em 1975.

Depois de passar 40 anos de sua vida pesquisando e escrevendo sobre esse fenômeno intrigante, suas conclusões sobre a vida após a morte têm um peso enorme. Ele reconheceu:

“Não me importo de dizer que depois de falar com mais de mil pessoas que tiveram essas experiências, e ter experimentado muitas vezes algumas das características realmente desconcertantes e incomuns dessas experiências, com grande certeza descobri que há uma vida após a morte.

Na verdade, devo confessar com toda a sinceridade, com o apoio do que meus pacientes me disseram, que não tenho dúvidas de que eles vislumbraram o além”.

Fonte: Third Hour

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *