“Ela está usando os garments?” Por que usar nossos padrões como régua é perigoso

Julgar

“Ela está usando os garments nessa foto com vestido de casamento aqui?”

Em 2017, a resposta do ex-bispo de uma ala de adultos solteiros, Bispo Richard Ostler, a esta pergunta tornou-se viral. Mas há mais nessa pergunta do que uma discussão sobre os padrões de recato dos outros?

Ostler compartilha como perguntas como essas — perguntas que polarizam e ostracizam membros da igreja — são prejudiciais de maneiras que talvez nem saibamos.

No caso de questionar se uma noiva está ou não usando garments sob o vestido de noiva, podemos não saber toda a história. Talvez a noiva é um membro novo ou talvez o vestido pertencia à mãe da noiva. Há tantos fatores desconhecidos em situações em que estamos observando de fora. Mas uma coisa é clara: nossos convênios nunca devem ser usados como “régua para julgar os outros”, diz Ostler.

Ele acrescenta: “Ao dizer isso, não estou dando permissão para que os membros não usem os garments ou tenham uma abordagem mais casual”. Em vez disso, Ostler diz que ele usa a pergunta “Ela está vestindo os garments na foto com vestido de casamento?” como exemplo de como podemos parar de julgar e envergonhar os outros, mesmo quando eles parecem estar vivendo ao contrário de nossos padrões.

“Eu me encontro com muitos membros da Igreja à margem”, diz Ostler. “E muitas vezes é a cultura, não a doutrina ou os mandamentos, que fazem com que eles se retirem. Eles se sentem julgados. Então, em vez de vir à Igreja e senti-la como o bálsamo de Gileade, onde se sentem amados e aceitos, que as pessoas estão ao seu lado à medida que eles tentam avançar na vida, em vez disso, eles sentem olhos neles, julgando-os.”

Para ajudar todos os membros a se sentirem bem-vindos na Igreja, Ostler sugere ver os outros como iguais — independentemente de sua orientação sexual, sexo, ocupação, aparência e tantas outras coisas que podem nos levar a julgar rapidamente.

Em vez disso, manter a mentalidade do que temos em comum, nossa herança divina como irmãos espirituais e irmãs, pode ajudar-nos a ser mais unidos como Igreja.

Citando o bispo presidente Gérald Caussé, Ostler diz:

“Nesta Igreja, não há estrangeiros nem excluídos. Há somente irmãos e irmãs. (…) Nesta Igreja, nossas alas e nossos quóruns não nos pertencem. Pertencem a Jesus Cristo. Todos os que entram em nossas capelas devem se sentir em casa. (…) A união não é alcançada ao ignorar e isolar membros que pareçam diferentes ou mais fracos e nos associando somente a pessoas que se assemelham a nós. (Bispo Gérald Caussé, “Já Não Sois Estrangeiros” (conferência geral de outubro de 2013).

Fonte: LDS Living

Relacionado:

Precisamos parar de julgar as pessoas por não serem “santos o suficiente”

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *