Apocalipse do Apóstolo João deixa os leitores modernos meio zonzos por causa da quantidade de animais, personagens, reinos e símbolos que podem ser difíceis de decifrar. Felizmente, o Livro de Mórmon pode nos guiar por meio das verdades do evangelho encontradas nesta importante revelação do Novo Testamento. Em certo sentido, a visão de Leí e Néfi da árvore da vida serve como uma introdução ao Livro de Apocalipse. As visões da árvore da vida e do Livro do Apóstolo João são ambos apocalípticos, eles constroem uns sobre os outros retoricamente, e eles compartilham temas simbólicos importantes.

As visões apocalípticas de Leí e Néfi

Apocalipse é um tipo de literatura altamente simbólica e que fala sobre o fim dos tempos, como revelado por um anjo ou guia. A visão de Leí e Néfi da árvore da vida também pode ser considerada apocalíptica.

As visões foram recebidas por revelação (Apocalipse 1:1; 1 Néfi 8:2; 1 Néfi 11-14), possuem envolvimento de um anjo ou ser divino (Apocalipse 1:1; 1 Néfi 8:2; 1 Néfi 11:11, 14), são de natureza simbólica, profetizam sobre eventos futuros na história, e possuem uma aplicação pessoal de como retornar à presença de Deus. Uma vez que as visões de Leí e Néfi da árvore da vida compartilham o mesmo gênero que o Livro de Apocalipse, pode ser interessante comparar seus símbolos, padrões e temas.

As visões são construídas linha sob linha

A visão de Leí introduz vários símbolos, como a árvore da vida, barra de ferro, névoa de escuridão, e o grande e espaçoso edifício. Por sua vez, a visão de Néfi expõe esses conceitos e explica seu simbolismo. Aprendemos com a visão de Néfi de que a árvore da vida representa o amor de Deus (1 Néfi 11:22), a barra de ferro é a palavra de Deus (1 Néfi 11:25), a névoa de escuridão são as tentações do diabo (1 Néfi 12:17), e o grande e espaçoso edifício é o orgulho do mundo (1 Néfi 11:36).

Néfi ainda conecta estes símbolos a outros aspectos de sua visão, incluindo as guerras e destruição entre seu povo, a vinda de Jesus Cristo, e o triunfo do Cordeiro sobre a Igreja do diabo. Enquanto a visão de Leí da árvore da vida ajuda a guiar indivíduos e famílias em sua jornada em direção à vida eterna, a visão de Néfi da árvore da vida iniciou uma visão panorâmica sobre o futuro de seu povo, a coligação da Israel dispersa, e os sinais da Segunda Vinda de Jesus Cristo.

No entanto, como Néfi explicou em 1 Néfi 14:20-25, ele foi instruído por um anjo para não escrever a conclusão de sua visão. Isto porque um dos “apóstolos do Cordeiro” testemunharia a mesma parte da visão de Néfi e a registraria para as gerações futuras. Isto sugere que, linha sob linha, os escritos de Leí e Néfi ajudam a preparar os leitores para entender os eventos registrados no Livro do Apocalipse.

A visão de Néfi foi tão impactante e fundamental que ele a usou como uma estrutura para o resto de seus escritos. Por exemplo, os principais temas da visão de Néfi—a vinda de Cristo, Sua rejeição pelos judeus, os gentios, e a restauração de Israel—guiam a seleção de Néfi dos capítulos de Isaías e outros ensinamentos ao longo de 1 e 2 Néfi. Desta forma, não só a visão de Néfi, mas todos os seus escritos podem ajudar a preparar os leitores para a visão simbólica e panorâmica de João.

Paralelos simbólicos que unem as visões

Uma indicação de que a visão de Néfi e o Livro do Apocalipse podem realmente ser lidos juntos, é que eles compartilham muitos paralelos marcantes. Ambas as visões profetizam sobre os cristãos perseguidos que “lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro;” (1 Néfi 12:10-11; Apocalipse 7:14-17). E ambos anunciam um grande adversário, que é “a prostituta de toda a Terra,” (1 Néfi 14:11; Apocalipse 17:1) que faz guerra contra o povo de Deus (1 Néfi 14:13; Apocalipse 13:7).

O paralelo mais notável entre as duas visões é o símbolo da árvore da vida. A visão de Leí rapidamente se volta para a gloriosa árvore da vida, acompanhada por um rio de água (1 Néfi 8:10-13). A visão de Néfi, em seguida, expõe o significado da árvore da vida e da fonte como o amor de Deus (1 Néfi 11:21-25). Da mesma forma, o Livro de Apocalipse termina com João vendo a árvore da vida como uma representação da morada de Deus, acompanhada pelo “rio puro da água da vida, claro como cristal, que procedia do trono de Deus e do Cordeiro” (Apocalipse 22:1-3). Vistas como um todo, estas três visões trabalham juntas para ajudar os leitores a entender o amor de Deus por todos os Seus filhos.

Conclusão

O Livro do Apocalipse tem elementos que podem parecer estranhos e confusos. Entretanto, assim como Leí e Néfi, que precisaram de anjos para entender suas visões, os leitores podem confiar nos ensinamentos do Livro de Mórmon para ajudá-los a entenderem as passagens difíceis da revelação de João.

Estas visões relacionadas com a árvore da vida demonstram que Deus trabalha dentro da história e também dentro do coração das pessoas. Ele individualmente guia Seus filhos em direção à vida eterna, e coletivamente leva a humanidade a triunfar sobre o mal. Cada leitor pode se ver dentro do drama da árvore da vida, seja na vasta linha temporal da história profetizada, seja no esforço individual de um dia partilhar de seu fruto.

Fonte: Meridian Magazine

Relacionado:

7 maneiras que a Bíblia profetiza sobre o Livro de Mórmon