Buscar o que é verdadeiro e confiável

Estamos em uma época onde nunca foi tão fácil encontrar respostas para tudo. A internet está cheia de informações e agora ao simples alcance de nossa voz. São inúmeras fontes para todo o tipo de pergunta que podemos fazer.

E essas respostas são quase que imediatas. Mas será que nossas respostas vêm de fontes confiáveis? O que é verdade? Quais são as fontes que podemos confiar.

Na era da informação, nosso problema não é ter perguntas sem respostas, mas muitas respostas para uma única pergunta.

Como podemos discernir entre informações boas e ruins, entre o que é verdadeiro e falso, entre fato e ficção?

A pergunta que a internet não poderá nos responder é a mesma pergunta que o governador romano Pilatos fez a Jesus de Nazaré há milhares de anos: “Que é a verdade?” (João 18:38).

Sam Wineburg, um respeitado professor de história de Stanford, observou que, nas gerações anteriores, pesquisar significava ir a uma biblioteca e ler incontáveis ​​livros que haviam sido cuidadosamente examinados por editores respeitados.

Hoje em dia, para muitas pessoas, pesquisar significa digitar uma frase em uma ferramenta de busca e clicar na primeira página da web que aparecer, uma que pode não ter passado pelo escrutínio ou revisão.

Hoje, qualquer pessoa pode criar um site ou escrever um blog e parecer ter um conhecimento que talvez não tenha.

O professor Wineburg observa:

“O que antes caía sobre os ombros de editores, verificadores de fatos e especialistas no assunto, agora recai sobre os ombros de cada um de nós”.

A Internet salvou-nos do trabalho de encontrar informações, mas reserva-nos a responsabilidade de avaliar essas informações.

Portanto, precisamos verificar as fontes, avaliar o motivo do autor e considerar o contexto. E então, quando se trata de nossas questões mais profundas, a respeito da eternidade e dos assuntos da alma, nos lembrarmos das palavras de Jesus a Pilatos:

“Eu para isso nasci, e para isso vim ao mundo, para dar testemunho da verdade” (João 18:37).

Para todas as perguntas, mas especialmente aquelas cujas respostas são mais importantes, devemos buscar nas melhores e mais confiáveis fontes.

Fonte: Church News

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *