A estrela do nascimento de Cristo e seu significado pessoal

Lembro-me de um programa na televisão, há alguns anos, no qual o Carl Sagan estava explicando como o universo surgiu. A ideia que mais me impressionou foi a sua descrição de como o Big Bang jogou bilhões de toneladas de matéria para todos os cantos do universo — poeira, se você quiser chamá-la assim.

O que você sente ao saber que você carrega parte das estrelas que estavam presentes na criação? É outra maneira de olhar para o conceito que já conhecemos das escrituras: que não existe tal coisa como matéria imaterial; que a luz de Cristo preenche a imensidão do espaço, fazendo com que cada parte do universo se relacione com cada outra parte; e que somos eternos em nossa essência. Verdadeiramente vivemos e nos movemos e estamos dentro de um milagre.

Eu quero compartilhar alguns pensamentos sobre as estrelas — e não apenas a poeira das estrelas que faz parte da herança genética de nossos corpos, mas também a estrela que nos vem a partir de um conhecimento espiritual de quem somos, do sentimento de que a luz eterna queima constantemente como mil sóis dentro de nós. É o sentimento que Amós capta nesta frase maravilhosa, “a estrela do vosso deus” (Amós 5:26)

Gostaria que começássemos recordando uma história das escrituras. A história dos magos de Mateus 2.

“E tendo nascido Jesus em Belém da Judeia, no tempo do rei Herodes, eis que uns magos vieram do oriente a Jerusalém,

Dizendo: Onde está aquele que é nascido Rei dos Judeus? porque vimos a sua estrela no oriente, e viemos adorá-lo.

E o rei Herodes, ouvindo isso, perturbou-se, e toda Jerusalém com ele.

E congregados todos os principais dos sacerdotes, e os escribas do povo, perguntou-lhes onde haveria de nascer o Cristo.

E eles lhe disseram: Em Belém da Judeia; porque assim está escrito pelo profeta:

E tu, Belém, terra de Judá, de modo nenhum és a menor entre as capitais de Judá; porque de ti sairá o Guia que há de apascentar o meu povo Israel.

Então Herodes, chamando secretamente os magos, inquiriu exatamente deles acerca do tempo em que a estrela lhes aparecera.

E enviando-os a Belém, disse: Ide, e perguntai diligentemente pelo menino, e quando o achardes, participai-mo, para que também eu vá e o adore.

E tendo eles ouvido o rei, foram-se; e eis que a estrela, que tinham visto no oriente, ia adiante deles, até que, chegando, se deteve sobre o lugar onde estava o menino. (Mateus 2:1-9)

Sabemos muito pouco sobre os magos, embora alguns belos pensamentos, hinos, lendas e histórias tenham sido criados para preencher as lacunas do nosso conhecimento com ideias inspiradoras e aventureiras sobre eles. E certamente eu não tenho novas fontes de informação para acrescentar sobre eles. Da mesma forma, não sabemos o que, em termos astronômicos, influenciou aquela estrela, se era uma conjunção de planetas, uma supernova cuja luz acabou de chegar à terra, ou algo mais. Mas não importa.

Pensamos na estrela de Belém, a estrela que os magos seguiram tão pacientemente, tão esperançosamente e tão fielmente, como um fenômeno nos céus, e assim foi. Mas lhes digo que a estrela nos céus não era a única estrela ou a estrela mais importante. A estrela dentro do coração dos magos era a estrela importante. Afinal, se a estrela estava no céu para que todos pudessem vê-la e, em seguida, centenas de milhares de pessoas a teriam visto e milhares de pessoas poderiam ter imaginado o seu significado, e centenas poderiam tê-la seguido em direção à pequena cidade de Belém.

Mas até onde sabemos, só os magos a viram com os olhos da fé. Somente eles a seguiram com esperança e paciência. Somente eles se ajoelharam diante do Menino Jesus. Eles tinham uma estrela dentro deles, que lhes permitia ver aquela estrela. Eles a enxergaram com os olhos da fé, e isso os levou a Jesus.

Não sabemos o que aconteceu à estrela. A última menção é que “estava” sobre o lugar onde encontraram Jesus. Presumivelmente, desapareceu depois que o seu trabalho terminou, mas não sabemos isso com certeza. Nem sabemos para onde foram os magos depois de terem dado seus presentes e adorado o menino Jesus.

O que eu acho que podemos dizer com alguma certeza é que eles levaram a estrela consigo — a estrela que realmente contou, a estrela que estava dentro de cada um deles.

Fonte: LDS Living

Relacionado:

Se Cristo nasceu em Belém, por que Alma diz que ele teria nascido em Jerusalém?

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *