fbpx

5 curiosidades sobre o reino celestial que você provavelmente não sabia

O reino celestial – o mais alto reino de glória, lar de nossos Pais Celestiais e nosso Salvador.

Os profetas vislumbraram este reino celestial. As escrituras retrataram este paraíso. Mas de modo algum sabemos tudo sobre o reino mais alto da glória.

Joseph Smith, que viu o reino celestial em uma visão, disse: “Você poderia olhar para o céu por cinco minutos e então saberia mais do que se você lesse tudo o que já foi escrito sobre o assunto” (History of the Church, 6:50).

No entanto, há algumas coisas que sabemos sobre o reino celestial por meio das escrituras e das revelações modernas.

Aqui estão cinco coisas impressionantes que sabemos sobre o reino celestial com base nestas escrituras e revelações.

Aqueles no reino celestial terão mordomias sobre os graus mais baixos

Dentro do reino celestial, há três graus de glória (D&C 131:1) e sabemos por meio das escrituras que o mais alto grau de glória é chamado de exaltação.

Além de receber um testemunho do Salvador, nos arrepender por meio da Expiação, receber as ordenanças de salvação, e obedecer a Seus mandamentos a fim de entrar no reino celestial (D&C 76:50-70; 76:92-96), há um requisito adicional para a exaltação—o casamento eterno (D&C 131:2).

Mas, como salientou o Presidente Lorenzo Snow, aqueles que não tiveram a oportunidade de entrar um casamento eterno enquanto estiveram na terra serão presenteados com a oportunidade de fazê-lo no céu, para ter, portanto, a oportunidade de serem exaltados.

“Não há nenhum santo dos últimos dias que morra depois de ter levado uma vida fiel que venha a perder alguma coisa por não ter conseguido fazer certas coisas por não ter tido essa oportunidade na vida. Em outras palavras, se um rapaz ou moça viver fielmente até o dia de sua morte e não tiver a oportunidade de casar-se, ele terá todas as bênçãos, exaltação e glória recebidos por qualquer homem ou mulher que tenha tido essa oportunidade e a desenvolvido. Isso é certo e garantido” (“Casamento para a Eternidade” Manual do Aluno do Curso de Casamento Eterno (2003), 168).

Para aqueles que são exaltados, sabemos que “serão deuses” vivendo de “eternidade em eternidade” e “todas as coisas lhes serão sujeitas”, incluindo anjos que não são exaltados (D&C 132:20).

Destes anjos, sabemos que eles ainda vivem no reino celestial, mas eles “não podem ter descendência” (D&C 131:4). No entanto, não há descrições nas escrituras sobre os outros dois graus de glória dentro do reino celestial que eles possam herdar, apenas que eles não podem viver em exaltação.

No entanto, o simbolismo em Apocalipse 12:1 sugere que todos os que obtém a glória celestial, tem mordomia sobre os reinos mais baixos, a saber, o terrestre e o reino telestial, que são descritos com a glória da lua e das estrelas (Jay R. Parry, Donald W. Parry, Entender o Livro de Apocalipse).

Todos no reino celestial terão um Urim e um Tumim

Antes de entrar no reino celestial, cada indivíduo receberá sua própria pedra branca ou Urim e Tumim com um novo nome inscrito que será “a palavra-chave” (D&C 130:11).

A frase Urim e Tumim é um termo hebraico que significa “luzes e perfeições”.” Sabemos por meio de D&C 130:8 que o lugar onde o Pai Celestial reside é “um grande Urim e Tumim” e de D&C 130:7 que se parece com “em um globo semelhante a um mar de vidro e fogo, onde todas as coisas passadas, presentes e futuras manifestam-se para sua glória; e estão continuamente diante do Senhor.”

Sabemos por causa de Apocalipse 15: 2 que este mar de vidro e fogo também indica uma esfera celestial e a presença de Deus (Jay A. Parry, Donald W. Parry, Entender o Livro do Apocalipse).

A terra, uma vez que receber sua glória celestial, também se tornará um Urim  e Tumim e se parecerá “como em cristal… pelo qual todas as coisas pertencentes a um reino inferior ou a todos os reinos de uma ordem inferior manifestar-se-ão àqueles que nela habitam” (D&C 130:9).

Mas não podemos receber os nossos próprios Urins e Tumins até entrarmos no reino celestial. Como Brigham Young explicou:

“. . . cada homem que viveu na terra tinha direito a uma pedra vidente, e deveria ter uma, mas eles são mantidos longe delas em consequência de sua maldade, e a maioria daqueles que encontram uma, fazem mau uso dela” (Michael Hubbard MacKay e Nicholas J. Frederick, Pedras Videntes de Joseph Smith).

Receber um Urim Tumim no reino celestial é o caminho que “por ela tornar-se-ão conhecidas as coisas pertencentes a uma ordem superior de reinos” para aqueles que entram no reino celestial” (D&C 130:10).

Não há noite no reino celestial

O reino celestial não tem noite e “não necessita de sol nem de lua, para que nela resplandeçam, porque a glória de Deus a tem iluminado, e o Cordeiro é a sua lâmpada. (Apocalipse 21: 23, 25).

Podemos deduzir, então, que não há escuridão no reino celestial.

Também sabemos pela Primeira Visão de Joseph Smith no Bosque Sagrado que o Pai Celestial e Jesus Cristo brilharam com ” brilho e glória [que] desafiam qualquer descrição” (JS-H 1:16-17) e por Apocalipse 22:5, que “… ali não haverá noite; e não necessitarão de vela, nem de luz do sol; porque o Senhor Deus lhes dá luz; e reinarão para todo o sempre.”

De acordo com D&C 88:7-13 e Apocalipse 21:23, não haverá sequer necessidade de luz secundária, como o sol, a lua ou as estrelas, porque elas só têm o poder de brilhar em primeiro lugar por causa da luz de Cristo.

Verdade essa que brilha. Essa é a luz de Cristo. Como também ele está no sol e é a luz do sol e o poder pelo qual foi feito.

Como também ele está na lua e é a luz da lua e o poder pelo qual foi feita;

Como também a luz das estrelas e o poder pelo qual foram feitas;

E também a Terra e seu poder, sim, a Terra sobre a qual estais.

E a luz que brilha, que vos ilumina, vem por meio daquele que ilumina vossos olhos; e é a mesma luz que vivifica vosso entendimento

Luz essa que procede da presença de Deus para encher a imensidade do espaço

A luz que está em todas as coisas, que dá vida a todas as coisas, que é a lei pela qual todas as coisas são governadas, sim, o poder de Deus, que se assenta em seu trono, que está no seio da eternidade, que está no meio de todas as coisas (D&C 88:7-13).

Não há templo no reino celestial

De acordo com Apocalipse 21:22, não há templo no reino celestial. Mas podemos supor que aqueles que vivem na presença de Deus no reino celestial, na “casa do Senhor”, não teriam a necessidade de um templo, especialmente quando todos os habitantes já tenham feito os convênios e ordenanças do templo.

No entanto, João repetidamente menciona ver um templo no reino celestial. Embora estes versículos pareçam contradizer-se, eles podem realmente apontar para um significado mais profundo, mais bonito sobre templos no reino celestial.

Quando João se refere a um templo, é possível que ele esteja se referindo a todo o reino celestial como um templo. Outra explicação possível é que o próprio Deus é o templo, como descrito em Apocalipse 21: 22. Além disso, Jay e Donald Parry partilham:

“O que João quis dizer é que não pode haver uma única estrutura chamada de templo no céu; tudo sobre a experiência celestial compartilha do espírito, beleza e luz do templo… No mundo celestial viveremos realmente na presença de Deus. Talvez, em vez de ir a um edifício sagrado para se aproximar do Senhor, vamos procurá-Lo diretamente; ao invés de ir a um edifício sagrado para fazer convênios e acordos com Deus, nós muito provavelmente iremos a Ele diretamente. No reino celestial, o templo deixa de ser um meio de chegar a Deus—nós iremos até Ele diretamente” (Jay A. Parry, Donald W. Parry, Entender o Livro do Apocalipse).

A terra se tornará o reino celestial depois do Milênio

Depois do Milênio, haverá “um novo céu e uma nova terra” (Apocalipse 21:1), significando que a terra será santificada e receberá sua glória celestial.

“…após ter cumprido o propósito de sua criação, será coroada com glória, sim, com a presença de Deus, o Pai; para que os corpos que forem do reino celestial possuam-na para todo o sempre; porque com esse intento foi feita e criada e com esse intento são eles santificados.” (D&C 88:18-20).

Durante este tempo, o Pai Celestial e Jesus Cristo viverão na terra celestializada com outros no reino celestial.

“E ouvi uma grande voz do céu, que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, e com eles habitará, e eles serão o seu povo, e o mesmo Deus estará com eles, e será o seu Deus.” (Apoc.21:3).

Na Sião celestial, não haverá mais morte, tristeza, choro ou dor.

“E Deus enxugará de seus olhos toda lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas.” (Apoc.21: 4).

E a terra se tornará “como em cristal… pelo qual todas as coisas pertencentes a um reino inferior ou a todos os reinos de uma ordem inferior manifestar-se-ão àqueles que nela habitam.” (D&C 130:9) assim como é onde o Pai Celestial habita.

Bônus

Como Santos dos Últimos Dias, sabemos que antes de entrar no reino celestial com nossos corpos ressuscitados, devemos residir no mundo espiritual. Enquanto estes dois reinos estão separados um do outro, há muito que podemos aprender sobre como será a vida no reino celestial pelo o que sabemos sobre o mundo espiritual.

As seguintes ideias do autor santo dos últimos dias e professor de História da Igreja da BYU, Brent L. Top, nos dão um vislumbre do que aqueles no reino celestial poderiam experimentar com base em atributos adquiridos no mundo espiritual.

Viagens aperfeiçoadas

Brigham Young ensinou que quando entrarmos no paraíso estaremos “livres para viajar com velocidade relâmpago.” Ele comparou este movimento espiritual, incluindo o que hoje chamamos de “viagem no tempo”, com relâmpagos ou eletricidade (ou talvez pudéssemos adicionar fibra ótica, satélites e internet). Sobre estes, Brigham disse:

“fornecer uma bela ilustração da capacidade e poder do Todo-Poderoso…. Quando passarmos para o mundo espiritual, possuiremos uma medida deste poder.”  Talvez isto é o que o Profeta Joseph quis dizer quando ele disse sobre descrever os espíritos justos como aqueles “envoltos em fogo flamejante.”  Aqui está outro exemplo de capacidades reforçadas dos corpos espirituais.

Comunicação aperfeiçoada

Elder Orson Pratt falou extensivamente do modo de comunicação no mundo espiritual. Lá, ele disse, a comunicação não depende de ondas sonoras e nervos auditivos em nossos ouvidos. Em vez disso, comunicamos mente a mente, espírito a espírito. Na minha pesquisa, deparei-me com muitos relatos de experiências de quase-morte que falavam desta comunicação telepática. Isso pode soar como algo de dentro do universo Star Trek, mas na realidade as escrituras e os profetas descrevem-no como o “espírito da revelação” – ou seja, que Deus fala às nossas mentes e corações (ver D&C 8:2-3). É uma comunicação perfeita.

Aprendizagem aperfeiçoada

Há um outro aspecto desta capacidade aumentada de espíritos justos no mundo espiritual que eu realmente anseio: maior capacidade de aprender e reter o conhecimento. O Presidente Brigham Young afirmou: “não deixarei de aprender enquanto vivo, nem quando chegar ao mundo espiritual; mas aprenderei com maior facilidade.”  Orson Pratt explicou esta capacidade declarando: “Em vez de pensar em um canal, o conhecimento correrá de todos os cantos; ele virá na luz, como a luz que flui do sol, penetrando todas as partes, informando o espírito, e dando entendimento a respeito de dez mil coisas ao mesmo tempo; e a mente será capaz de receber e reter todos.”

Fonte: LDS Living

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *