Por que Deus ajudou os nefitas nas batalhas?

“Agora, porém, vedes que o Senhor está conosco; e vedes que ele vos entregou em nossas mãos. E agora desejaria que compreendêsseis que isto nos acontece por causa de nossa religião e de nossa fé em Cristo. E agora vedes que não podeis destruir esta nossa fé. Ora, vedes que esta é a verdadeira fé em Deus; sim, vedes que Deus nos manterá e conservará e preservará enquanto formos fiéis a ele e a nossa fé e a nossa religião; e nunca permitirá o Senhor que sejamos destruídos, a não ser que caiamos em transgressão e renunciemos a nossa fé.”

Alma 44:3-4

Saber

A guerra moderna é um assunto complexo, muitas vezes envolvem exércitos bem treinados, armas poderosas e estratégias complexas. A vitória é entendida como resultado de proezas militares—os exércitos com os soldados mais qualificados, as armas mais mortíferas e o maior brilhantismo estratégico são geralmente esperados para ter sucesso a longo prazo, mesmo que a sorte, a geografia e a determinação também desempenhem seus papéis.

A guerra nos tempos antigos, mesmo que tenham acontecido em menor escala, eram tão complexas quanto as guerras da atualidade. No entanto, na antiguidade, nunca se pensou que a vitória fosse determinada exclusivamente pelo poder militar das grandes nações e impérios. Também se pensava que existia um elemento sobrenatural ou divino na guerra, e que eram os deuses que decidiam o destino da maioria dos conflitos militares.

Como Stephen D. Ricks explicou, “cada conflito no antigo Oriente Médio foi processado sob a direção dos deuses ou de Deus. Os homens começaram a guerra sob comando, ou aprovação e ajuda dos deuses ou de Deus e os vencedores terminavam o conflito com a ação de graças e oferendas à deidade.” Ricks ilustra este ponto ao se referir aos exemplos dos acádios, egípcios e sírios.

Esta visão de mundo foi naturalmente compartilhada por Israel e refletida no Antigo Testamento, onde o Senhor é descrito como um guerreiro (Êxodo 15:3; Isaías 42:13). Os israelitas consultaram o Senhor sobre assuntos de guerra (ver Juízes 20:23, 28; 1 Samuel 14:37), e quando Suas instruções eram seguidas, o Senhor os ajudava na batalha (Josué 10:11; 24:12; 1 Samuel 17:45).

Tal mentalidade não era restrita ao Velho Mundo. Como John L. Sorenson salientou, “a religião, ou culto, era parte integrante da condução da guerra na cultura mesoamericana. A religião afetou todos os aspectos da guerra.” De acordo com Lynn Foster, “Os maias travaram suas guerras sob a proteção dos deuses. Os deuses estavam presentes em todo o mundo maia e especialmente no campo de batalha.”

Pintura de guerreiros maias em batalha.
Fonte: National Geographic

Outros estudiosos explicaram que a guerra “era uma obrigação sagrada, ligada aos seres que criaram o mundo.” A vitória “demonstrava a todos que os deuses estavam do seu lado.”

Os maias tinham maneiras de consultar os deuses sobre assuntos militares. Por exemplo, Sorenson observou que na Guatemala, os sacerdotes nativos usariam “feitiçaria e encantamentos” para determinar se um exército inimigo estava se aproximando, e onde eles deveriam levar suas tropas.

Entre os maias de Kaqchikel na Guatemala, especialistas em adivinhação eram enviados para consultar uma “pedra de adivinhação” sobre assuntos militares. As campanhas eram iniciadas ou adiadas dependendo da aparência ou figura da pedra.”

Pintura maia: ritual de guerra. Fonte: National Geographic

Além disso, “as estratégias de batalha eram formuladas por oficiais que estavam imbuídos do espírito mágico dos deuses.” Os Kaqchikels referiam-se a isto como “poder de adivinhação, poder transformador”, e acreditavam que todos os grandes guerreiros em suas tradições possuíam esse poder.

O porquê

“O Livro de Mórmon,” observou Ricks, precisamente “reflete uma ideologia sagrada da guerra, semelhante a encontrada tanto em Israel quanto no antigo Oriente Médio.” Por exemplo, quando os exércitos de Morôni cercaram Zeraemna e os lamanitas, Morôni declarou: “Agora, porém, vedes que o Senhor está conosco; e vedes que ele vos entregou em nossas mãos” (Alma 44:3).

Morôni estava confiante de que “Deus nos manterá e conservará e preservará enquanto formos fiéis a ele” (Alma 44:4). O sagrado era um elemento essencial da guerra no Livro de Mórmon, como era na antiga Israel e no antigo Oriente Médio.”

Como mencionado acima, o divino ou sobrenatural era igualmente parte integrante da antiga guerra mesoamericana, e o Livro de Mórmon também compartilha uma afinidade com as práticas encontradas entre os maias.

Por exemplo, os capitães nefitas, Zorã e Morôni consultaram Alma, o sumo sacerdote, sobre assuntos militares, porque ele era conhecido por possuir o “espírito da profecia” (Alma 16:5-6; 43:23-24). Alma iria “inquirir o Senhor” e receber a revelação sobre como guiar os exércitos dos nefitas (16:6; 43:24). Alma pode ter utilizado os intérpretes nefitas – duas pedras tocadas pela mão de Deus—neste processo, assim como os especialistas em adivinhação de Kaqchikel e sua “pedra de adivinhação”.

Algumas gerações mais tarde, tornou-se costume diretamente nomear aqueles com o “espírito de revelação e profecia” como os chefes de seus exércitos (3 Néfi 3:19), semelhante à prática entre os maias, para ter militares com um espírito divino ou poder dos deuses.

No entanto, tanto no Livro de Mórmon quanto nos mundos antigos (Antigo e Novo), o envolvimento divino não se limitou a campanhas militares bem-sucedidas. O fracasso era tipicamente indicativo do descontentamento divino.

Jovens Guerreiros de Helamã

“Assim como os nefitas consultaram o Senhor antes de entrar em batalha, e esperavam a Sua ajuda, a saída do Senhor do meio de seus exércitos significava desastre. Isso é mais evidente nas cenas macabras das batalhas finais dos nefitas, onde Mórmon fornece uma descrição dos seus pecados abomináveis e a sua incapacidade de se voltarem a Deus e se arrependerem. Como resultado, o Senhor retirou seu ajuda, e os exércitos nefitas foram devastados, levando à destruição total de seu povo (Mórmon 2-6).

Sem fé, todos os nefitas se vangloriavam: Deus não oferece nenhuma promessa de vitória a exércitos que não escutam a Sua palavra nem guardam os Seus mandamentos. A batalha final em Cumora simplesmente valida o princípio dado já aos antigos israelitas: por meio da guerra, e por meio dos ímpios, Deus castigará o seu povo.”

Ricks observou que a aniquilação de Amonia, que ocorreu nos séculos anteriores, pode ensinar uma lição semelhante: “A implicação da história, parece-nos claro: enquanto que aqueles que perseguem os justos (como o povo de Amonia fazia) sofrerão, aqueles que buscam os conselhos dos profetas serão abençoados e protegidos.”

Embora raramente seja considerado ou reconhecido na sociedade secular de hoje, a mão divina de Deus está tão envolvida em assuntos mundiais e conflitos da mesma maneira agora como era antigamente.

Os relatos sobre guerra no Livro de Mórmon oferecem, assim, uma lição muito sóbria e relevante: uma sociedade que rejeitou o Senhor e vive mal não pode esperar se beneficiar da proteção divina.

É claro que a primeira prioridade para os cidadãos em todo o mundo deve ser evitar a violência e os conflitos sempre que possível. Mas quando todas as outras opções falharem e os conflitos militares parecerem inevitáveis, indivíduos e nações podem receber proteção adicional vivendo com retidão.

Invocar a proteção divina de Deus—que Ele deseja dar a todas as pessoas em toda parte – é certamente o melhor tipo de defesa nestes últimos dias, quando as profecias sobre “guerras [e] rumores de guerras” estão se desenrolando diante dos nossos próprios olhos (Mórmon 8:30; Mateus 24: 6). Então, quando todos buscarem seriamente alinhar sua vontade à vontade de Deus, a bênção final do príncipe da Paz protegerá e prosperará a todos em toda parte.

Fonte: Book of Mormon Central

Relacionado:

Vem, e Segue-Me: 4 maneiras de nos prepararmos para a guerra contra o adversário

 

| Livro de Mórmon

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *