O que aprendemos com a resposta de Alma à “ordem de Neor” em Amonia

“Este sumo sacerdócio sendo segundo a ordem de seu Filho, ordem essa que existia desde a fundação do mundo” Alma 13:7

O saber

Uma das maneiras de ler o relato de Alma e Amuleque em Amonia é como uma história entre duas “ordens de conflito”: de um lado a ordem de Neor, representada por Zeezrom e Antiona (Alma 14:16–18; 15:15), e do outro a ordem sagrada dos Filhos de Deus, representada por Alma e Amuleque (ver Alma 13).

À luz desse conflito de reivindicações sobre o sacerdócio, leitores modernos podem ver como os ensinamentos profundos e sublimes de Alma sobre “os mistérios de Deus” nos capítulos 12 e 13, respondem diretamente aos cinco principais ensinamentos de Neor, como resumidos em Alma 1:3-4.

1. “Todo sacerdote e mestre deve tornar-se popular”

Neor ensinou que seus sacerdotes deveriam “tornar-se popular” e que “não deveriam trabalhar com as próprias mãos,” mas “deveriam ser sustentados pelo povo” (Alma 1:3).

Isso se opunha diretamente aos ensinamentos do pai de Alma, que ensinou que “os sacerdotes não deveriam depender do povo para o seu sustento” (Mosias 18:26).

Portanto, não é de se admirar que ao confrontar os seguidores de Neor, Alma ensine sobre a verdadeira ordem do sacerdócio (Alma 13).

Alma ensinou especificamente que os sacerdotes segundo a ordem do Filho de Deus não eram eleitos por popularidade, mas eram chamados por Deus desde a fundação do mundo, de acordo com sua fé e humildade (Alma 13: 1–13).

Ele se baseou no exemplo de Melquisedeque, que exerceu “uma fé vigorosa” e “pregou o arrependimento a seu povo” (Alma 13:18).

Em contraste com a prática de Neor de ser sustentado pelas doações do povo, Melquisedeque coletou os dízimos adequados oferecidos ao Senhor por Abraão (Alma 13:15), para o armazém de Deus e para o benefício dos pobres (TJS Gênesis 14:37– 38).

2. “Toda a humanidade seria salva no último dia”

Neor também ensinou que “toda a humanidade seria salva no último dia” e, portanto, as pessoas “não precisariam temer nem tremer” (Alma 1:4).

Em contraste, Alma ensinou ao povo de Neor em Amonia que, no último dia, os homens seriam “levados perante o tribunal de Deus para [serem] julgados segundo nossas obras” (Alma 12:12).

Portanto, para os ímpios impenitentes, há motivos para temer e tremer, como o próprio Zeezrom começava a entender (Alma 12:1).

Alma afirmou que o Senhor “tem todo o poder para salvar cada homem,” mas esclareceu que esse poder salvador só pode ser ativado por um indivíduo que “crê em seu nome e apresenta frutos dignos do arrependimento” (Alma 12:15).

3. “Levantar a cabeça e regozijar-se”

Em vez das pessoas temerem, tremerem ou sentirem remorso por seus pecados, Neor insistiu que todos os homens poderiam e deveriam “levantar a cabeça e regozijar-se” porque não havia com o que se preocupar, pois o Senhor salvaria a todos (Alma 1:4).

O povo de Amonia, por estar frequentemente conectado com Amulon e os sacerdotes do rei Noé, equivocaram-se na leitura de Isaías 52, a mesma que os sacerdotes pediram que Abinádi explicasse.

Neste capítulo, Isaías ensinou que “o Senhor confortou seu povo, ele redimiu Jerusalém” (Mosias 12:23).

Em contraste, Alma ensinou que somente para aqueles que usavam aquele tempo para se arrepender, haveria “boas novas de grande alegria” e muitas razões para se regozijar-se no dia da vinda do Senhor em sua glória (Alma 13:21–25).

Porém, ele sentiu “grande ansiedade” por aqueles que não se arrependiam e que procrastinavam o dia de seu arrependimento (Alma 13:27).

4. “O Senhor havia criado todos os homens”

O cerne lógico da doutrina de Neor era que, porque “o Senhor havia criado todos os homens,” ele também “havia redimido todos os homens” (Alma 1: 4).

Isto expõe a fundamental falta de compreensão de Neor sobre o plano de redenção, e explica porque Alma dedicou tanto tempo a ensinar este mesmo plano aos seguidores de Neor em Amonia (ver Alma 12: 12–35).

Para corrigir esta falta de compreensão, Alma menciona repetidamente “o plano de redenção”, enfatizando suas exigências de fé e arrependimento (Alma 12:25, 26, 30, 32, 33).

Alma explica que após a Criação e através de sua própria transgressão, a humanidade tornou-se “perdida e decaída” (Alma 12:22).

O plano de Deus exige que todos “[esperem] pelo seu Filho para receber a redenção.” (Alma 13:2). Aqueles que não o fazem “estarão como se não tivesse havido redenção alguma; porque não poderão ser redimidos segundo a justiça de Deus” (Alma 12:18).

5. “No fim, todos os homens teriam vida eterna”

Por fim, tendo ensinado que Deus havia redimido tudo e, portanto, todos seriam salvos no último dia, Neor naturalmente insistiu que, “no fim, todos os homens teriam vida eterna.” (Alma 1:4).

Mais uma vez, Alma ensinou aos seguidores de Neor em Amonia que não é simplesmente assim. Para aqueles que não se arrependessem, mas morressem em seus pecados, haveria uma “segunda morte que é uma morte espiritual” (Alma 12:16).

Em vez de receber a vida eterna, os que sofriam a segunda morte enfrentam “uma destruição eterna, segundo o poder e o cativeiro de Satanás” (Alma 12:17).

Alma concluiu sua explicação geral ao povo de Amonia, pedindo-lhes que “não [procrastinassem] o dia do vosso arrependimento”, para que “[recebessem] a vida eterna” e “para que não [sofressem] a segunda morte” (Alma 13:27-30).

O porquê

As escrituras em Alma 12:9 e 13:30, contém alguns dos ensinamentos mais profundos sobre o plano de redenção e a verdadeira ordem do sacerdócio.

No entanto, as pessoas a quem esses ensinamentos foram dados, eram algumas das mais iníquas e libertinas mencionadas em todo o Livro de Mórmon, e por causa de suas iniquidades, a ira de Deus as destruiu completamente.

Quando examinamos os ensinamentos de Neor, entendemos porque Alma ensinou essas verdades profundas àquelas pessoas iníquas. Foi porque Neor distorceu seriamente ou não compreendeu as doutrinas do sacerdócio e o plano de redenção de Deus.

Portanto, era necessário ensinar ao povo de Amônia a correta compreensão desses princípios eternos, a fim de ter alguma esperança de desalojá-los com sucesso de suas crenças, da ordem de Neor e de seus objetivos políticos.

Embora Alma seja claro em relação as terríveis consequências que aqueles que não se arrependessem enfrentariam no último dia e nas eternidades posteriores, suas palavras não condenam diretamente o povo de Amonia.

Na verdade, elas são apelos para que o povo se arrependesse, para que pudesse evitar tanto a “destruição completa” que seguia em direção a eles nesta vida, quanto a “destruição eterna” da segunda morte nos mundos vindouros.

Apesar de ter sido tratado de maneira hostil e ameaçadora, de como tentaram subornar Amuleque e de como trataram as mulheres e os filhos daqueles que acreditam neles, Alma não desejava nenhuma daquelas destruições para o povo de Amonia.

Alma esperava a prosperidade e salvação eterna através do arrependimento para aquele povo, e assim ele respondeu de acordo.

Infelizmente, a esperança de Alma foi em vão. Até mesmo os ensinamentos corretos por trás dessas sublimes verdades não foram suficientes.

Embora alguns tenham sido convertidos, o coração da maioria do povo e seus líderes continuou endurecido para as belas verdades do plano de redenção.

No entanto, ao manter a esperança, Alma fornece um exemplo maravilhoso de amar os inimigos, um exemplo que pode ser seguido até hoje.

Ao longo de sua vida, Alma acreditou que a pregação da palavra de Deus poderia provocar uma poderosa mudança no coração e na mente das pessoas, e que poderia literalmente mudar o curso da história.

Ao responder dessa maneira, Alma deu exemplo de amor e generosidade para que todo o seu povo pudesse seguir.

Que todos nós também aprendamos a ter esperança, mesmo para aqueles que nos parecem perdidos, e a oferecer nossa compaixão e bênçãos do plano de redenção, mesmo para aqueles que nos maltratam.

Fonte: Book of Mormon Central

Relacionado:

Como Alma e Isaías nos ensinaram sobre a Expiação de Cristo no Livro de Mórmon

 

| Livro de Mórmon

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *