Como alcançar a união da sociedade de Sião descrita em 4 Néfi 1?

“Não havia ladrões nem assassinos; nem havia lamanitas nem qualquer espécie de itas, mas eram um, os filhos de Cristo e herdeiros do reino de Deus.” 4 Néfi 1:17

O conhecimento

Hoje, grande parte do mundo é marcada por fortes divisões ao longo de linhas raciais, nacionais, étnicas e socioeconômicas. Muitos sentiram dolorosamente que essas linhas divisórias se intensificaram ainda mais nos últimos meses, à medida que protestos e tumultos irromperam em reação a atos trágicos de violência.

Em uma época como esta, ler o livro de 4 Néfi sobre uma sociedade de Sião, onde “não havia ladrões, nem assassinos, nem havia lamanitas, nem qualquer espécie de itas, mas eram um, os filhos de Cristo e herdeiros do reino de Deus”(4 Néfi 1:17), traz esperança e anseio por tal sociedade no coração de pessoas boas e decentes em todo o mundo.

Felizmente, Mórmon registrou diligentemente “os pensamentos, comportamentos e ações dos nefitas” durante aquela época, “para o benefício de seu público”.

John W. Welch revisou cuidadosamente os detalhes de 4 Néfi 1:1-18, identificando o que eles fizeram para criar uma sociedade de Sião e como forneceram um esboço que pode servir de modelo para os nossos dias.

ler as escrituras em isaías

Primeiro, o povo “verdadeiramente se [arrependeu] de seus pecados”, fez convênios por meio do batismo e recebeu o Espírito Santo (4 Néfi 1:1). Então, eles foram “[convertidos] ao Senhor” (4 Néfi 1:2).

Assim, eles seguiram os ensinamentos do Senhor e “não havia contendas nem disputas” (4 Néfi 1:2; 3 Néfi 11:28-29). Eles também “procediam retamente uns com os outros” (4 Néfi 1:2).

Welch observou que lidar com justiça envolve mais do que simplesmente fazer o mínimo necessário para estar em conformidade com a lei. Justiça e equidade devem ser aplicadas à comunidade em geral, assim como “olhar além das regras para a situação ou circunstâncias individuais de cada pessoa”.

Isso tudo fez com que eles tivessem “todas as coisas em comum” (4 Néfi 1:3). Exatamente como isso foi praticado e implementado não está claro. “Eles trouxeram suas colheitas para um armazém central e as redistribuíram? Isso pode ter sido muito inviável”, de acordo com Welch. Em vez disso, ele propôs:

“Talvez eles estivessem dispostos a compartilhar as coisas sobre as quais tinham responsabilidade. Eles podem ter reconhecido todas as propriedades como pertencentes ao Senhor, dedicadas a Ele, e, portanto, utilizáveis pelo mordomo para o benefício de outros.”

Seja qual for o método, sua disposição de ter “todas as coisas em comum” resultou em não serem “ricos nem pobres nem escravos nem livres, mas eram todos livres e participantes do dom celestial” (4 Néfi 1:3).

Os discípulos de Cristo usaram seu sacerdócio para servir e abençoar os mais necessitados (4 Néfi 1:5). Eles se comprometeram com a construção e melhoria da comunidade (4 Néfi 1:7-8).

Eles foram casados por alguém com autoridade, homem e mulher igualmente “davam-se em casamento” e então “eram abençoados segundo a multidão das promessas que o Senhor lhes fizera” (4 Néfi 1:11).

Eles adoraram ao Senhor por meio de jejum, oração e ao “[reunirem-se] amiúde, para orar e ouvir a palavra do Senhor” (4 Néfi 1:12).

Todas essas ações levaram à não haver “invejas nem disputas nem tumultos nem libertinagens nem mentiras nem assassinatos nem qualquer espécie de lascívia” e nenhuma divisão étnica – “nem qualquer espécie de itas” – de qualquer tipo.

“E certamente”, escreveu Mórmon, “não poderia haver povo mais feliz entre todos os povos criados pela mão de Deus” (4 Néfi 1:16-17).

O porquê

Welch concluiu que Mórmon forneceu uma descrição detalhada dos nefitas, que criaram uma sociedade pacífica e justa pela maneira como acreditavam, se comportavam e viviam.

Talvez a aplicação deste estilo de vida em uma comunidade semelhante à de Cristo, leve os Santos modernos a serem tão felizes quanto os nefitas daquela época.

Mórmon viu nossos dias. Sem dúvida, ele registrou as ideias que considerou mais valiosas para seus futuros leitores.

Em meio à discórdia e aspereza comuns nos dias de hoje, uma sociedade de Sião pode muitas vezes parecer totalmente fora de alcance. No entanto, pouco antes de Cristo chegar em glória entre os nefitas e lamanitas, eles também haviam passado uma divisão sem precedentes.

Embora tenham se unido para sobreviver a uma guerra contra os ladrões de Gadiânton que durou quase uma década (3 Néfi 2:11; 4:30), o povo começou a se dividir após apenas alguns anos de prosperidade e recuperação econômica depois da guerra.

No vigésimo nono ano, alguns se encheram de orgulho e foram “[distinguidos por classes, segundo as suas riquezas e oportunidades de instrução” (3 Néfi 6:12).

Havia “grande desigualdade em toda a terra” e até mesmo a “igreja começou a decair” (3 Néfi 6:14). Por fim, o governo entrou em colapso e o povo voltou a ser uma sociedade de base tribal (3 Néfi 7: 1-14).

Alguns se exaltavam em seu orgulho e outros eram extremamente humildes; alguns respondiam injúria com injúria, enquanto outros sofriam ultrajes e perseguições e toda espécie de aflições, sem revidar, e eram humildes e penitentes diante de Deus.

Esse era o estado da sociedade do Livro de Mórmon quando os eventos destrutivos que sinalizaram a morte de Cristo ocorreram (3 Néfi 8-11).

Os sobreviventes desses eventos traumáticos obviamente sabiam o que era viver em uma época de turbulência, discórdia e aspereza.

Eles são aqueles que, depois de se tornarem testemunhas oculares do Senhor em Sua glória ressuscitada e serem pelo próprio Mestre, foram capazes de construir uma sociedade de Sião duradoura.

Como Welch observou, “Esses nefitas tinham prioridades diferente do que tinham antes da visita de Cristo. Eles não colocavam tanta ênfase em coisas materiais, status pessoal, em quem tinha mais dinheiro ou quem era o rei ou o melhor soldado.”

a expiação

Portanto, mesmo em tempos de turbulência, violência, contendas e conflito sem precedentes, o potencial para alcançar Sião nunca está completamente fora de alcance. Essa dramática transformação da sociedade nefita foi possível principalmente por meio do ministério de Jesus Cristo, que é “o caminho, a verdade e a vida” (João 14:6).

Além disso, como Welch apontou, fundamentalmente “é necessário um templo, é necessária uma igreja de Deus e é necessário o sacerdócio para se ter uma sociedade como esta”.

Além disso, também é necessário que “todos os membros dessa sociedade estejam dispostos a harmoniosamente operar todas essas coisas e se esforçar sinceramente para tornar essas belas e felizes bênçãos em realidade”.

E embora a utopia não seja uma meta alcançável, como resultado de seus esforços, essas pessoas estabeleceram um caminho e “foram abençoadas e nunca houve um povo mais feliz”.

Fonte: Meridian Magazine

| Livro de Mórmon

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *