6 coisas que você talvez não saiba sobre as placas de ouro

Uma das coisas que precisava ser escondida no quebra-cabeça ‘Tesouros da Restauração’ eram as placas de ouro. O que era muito apropriado, não apenas porque elas estavam escondidas na vida real, mas porque o texto que veio delas é “a pedra angular de nossa religião”.

Mais de 150 milhões de cópias do Livro de Mórmon foram impressas e milhões de vidas mudaram por meio de seu segundo testemunho do Senhor Jesus Cristo.

Mas quanto você sabe sobre as próprias placas? Confira seis coisas sobre elas que você talvez ainda não saiba e que certamente aumentarão seu apreço por elas e por tudo o que foi necessário para o processo de tradução.

O anjo Morôni pediu a Joseph que trouxesse seu irmão Alvin com ele para recuperar as placas de ouro.

A primeira vez que Joseph, ainda com dezessete anos, foi ao local onde as placas estavam escondidas depois de ver sua localização em uma visão, ele abriu a caixa e olhou o que continha dentro.

Mas quando ele tocou o conteúdo antigo e brilhante, ele sentiu uma pulsação de choque em todo o seu corpo. Ele tentou mais duas vezes e sentiu o choque a cada vez.

Foi então que o anjo Morôni apareceu e explicou que Joseph não pôde obter o livro porque não guardou os mandamentos do Senhor.

Ele disse que Joseph teria de purificar o coração e fortalecer a mente para receber o registro. O anjo também disse que Joseph precisaria trazer a pessoa certa para pegar as placas. A pessoa certa era seu irmão mais velho, Alvin.

Porém, menos de dois meses depois, Alvin voltou para casa com fortes dores no abdômen. As dores eram tão intensas que ele pediu a seu pai que chamasse um médico. Mas quando o médico veio, como acontecia com frequência naquela época, o tratamento prescrito só piorou as coisas.

Alvin viveria apenas mais alguns dias, mas sua última advertência a Joseph foi: “Faça tudo ao seu alcance para obter os registros. Seja fiel ao receber as instruções e ao cumprir todos os mandamentos que lhe forem dados”.

Joseph levou a sério as últimas palavras de seu irmão e também sentiu muito sua perda. Anos mais tarde, ele sentiu conforto quando recebeu a visão dos três graus de glória e como parte da visão, testemunhou Alvin no futuro reino celestial.

Embora ele não tivesse sido batizado, o Senhor testemunhou esta verdade a Joseph: “todos os que morreram sem conhecimento deste evangelho, que o teriam recebido caso tivessem tido permissão de aqui permanecer, serão herdeiros do reino celestial de Deus”. (Doutrina e Convênios 137:7).

As placas não foram a única coisa desenterrada do Monte Cumora

Nas obras-padrão, em Joseph Smith História 1:52, lemos que as placas não foram as únicas coisas seladas na caixa pela oração da fé. “Olhei”, disse Joseph, “e lá realmente vi as placas, o Urim e Tumim e o peitoral…” Mas isso era tudo?

No recente livro de Scot Facer Proctor, “Onze coisas que você provavelmente não sabia sobre o Livro de Mórmon”, ele diz que havia oito itens sagrados naquela caixa.

E as representações que podemos ter visto de um recipiente de pedra compacto, perfeitamente ajustado apenas para as placas, simplesmente não são precisos.

Além das placas, o Urim e Tumim e a couraça, Doutrina e Convênios 17:1 diz que a caixa também continha a espada de Labão e a Liahona.

Os outros três itens são os arcos (que seguram o Urim e o Tumim), as placas de latão e a vara de Aarão. E a caixa, longe de ser algo pequeno, foi descrita por David Whitmer como “um caixão”.

O texto nas placas teria sido lido da direita para a esquerda.

Sabemos pelas páginas iniciais do Livro de Mórmon onde Néfi diz que faz seu registro, “na língua de [seu] pai, que consiste no conhecimento dos judeus e na língua dos egípcios”.

O que podemos não perceber é que o idioma em que as placas foram escritas era lido da direita para a esquerda, e não da esquerda para a direita, como lemos em português.

Joseph disse, “a página de rosto do Livro de Mórmon é uma tradução literal, extraída da última lâmina, do lado esquerdo da coleção ou livro de placas que continha o registro traduzido e que foi todo escrito no idioma hebraico, (…) e a dita página título não é de forma alguma uma composição moderna, quer minha quer de qualquer outro homem que tenha vivido ou esteja vivendo nesta geração” (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja: Joseph Smith, 2007, p. 65).

A última folha estava do lado esquerdo. E a linguagem geral era igual ao hebraico.

Assim, quando você vê uma representação artística de Joseph sentado com algumas placas abertas à sua esquerda e a maior parte das placas do lado direito dos fechos, parece que ele está apenas começando.

Mas se ele estava realmente apenas começando, para nós iria parecer que ele estava lendo a contracapa.

As placas pesavam cerca de 27 quilos e essa não é a única coisa que sabemos sobre como eram.

placas de ouro

“Embora nenhuma descrição abrangente das placas do Livro de Mórmon tenha sido preservada”, diz Kirk B. Henrichsen.

“O Profeta Joseph Smith e várias pessoas intimamente associadas a ele fizeram várias declarações que incluem descrições parciais das placas. Quando todas as fontes disponíveis são consideradas, surge uma imagem bastante detalhada das características físicas do antigo registro nefita”.

Essas declarações foram compiladas no artigo de Henrichsen de 2007, “Como eram as Placas de Ouro?” e incluem declarações de Emma Smith e Martin Harris estimando o peso das placas em cerca de 27 quilos.

Como fazendeiro naquela época, onde as coisas eram compradas e vendidas a peso, a estimativa de Martin sobre o peso das placas provavelmente é bem próxima ao seu peso real.

Quanto às suas medidas, muitos fizeram declarações sobre a largura, altura e espessura das placas.

O próprio Joseph Smith disse que eles tinham “15 centímetros de largura por 20 centímetros de comprimento”, embora David Whitmer e Martin Harris os estimassem em 18 centímetros de largura.

Martin Harris também achou que a espessura era de cerca de dez centímetros, embora Orson Pratt acreditasse que fosse mais de quinze centímetros.

Certa vez, me sentei ao redor da mesa com meus sogros e nos revezamos segurando alguns objetos diferentes com nossas mãos, e então pegamos uma fita métrica para ver quem calculava melhor e todos acertamos algumas coisas.

No entanto, as declarações históricas tomadas em conjunto dão uma ideia do tamanho aproximado das placas.

E Emma disse que as páginas “pareciam ser flexíveis como papel grosso, e farfalhavam com um som metálico quando as bordas eram movidas pelo polegar, como quando uma pessoa vira uma página com o dedo”.

Sabemos mais do que você pensa sobre o que está contido na parte selada.

Sabemos que havia uma parte selada das placas que ninguém, nem mesmo Joseph Smith conseguia abrir.

David Whitmer disse que aquela parte parecia, “sólida à minha vista, como madeira” e que aquela parte das folhas “estavam tão seguramente amarradas que era impossível separá-las”.

Orson Pratt descreveu cerca de dois terços das placas como sendo seladas dessa forma. Novamente, em seu livro Scot Facer Proctor diz:

“Temos apenas cerca de um terço da tradução das placas de ouro – 531 páginas em inglês… Dois terços das placas de ouro restantes significariam que ainda existem aproximadamente 1.062 páginas para serem publicadas”.

Que perspectiva emocionante. E o que estaria contido nessas páginas?

Em Éter 4:4-5 lemos:

“Eis que escrevi nestas placas precisamente as coisas que o irmão de Jarede viu; e nunca foram reveladas coisas maiores do que as que foram reveladas ao irmão de Jarede.

Por essa razão o Senhor ordenou-me que as escrevesse; e escrevi-as. E ele ordenou-me que as selasse; e também ordenou que eu selasse a sua interpretação; portanto, selei os intérpretes, de acordo com o mandamento do Senhor.”

E 2 Néfi 27:7 explica:

“E eis que o livro estará selado; e no livro haverá uma revelação de Deus, desde o princípio até o fim do mundo.”

Então, o que está contido na parte selada? Meramente uma visão de toda a história do mundo mostrada ao irmão de Jarede. Eu não sei você, mas estou ansiosa para ler essa parte.

O que aconteceu com as placas? Onde elas estão agora?

Não temos muitos detalhes sobre como as placas foram devolvidas quanto temos sobre a maneira como foram recebidas.

De acordo com o Élder Bruce R. McConkie, “a tradução real da parte que temos agora como o Livro de Mórmon não ocorreu antes de 7 de abril a 11 de junho de 1829. Depois disso, as placas foram devolvidas à custódia de Morôni”.

Por que as placas foram devolvidas? Por que não tivemos a oportunidade de mantê-las como um artefato da Igreja ou exibi-las em um museu, onde as pessoas poderiam ter mais provas sobre a veracidade da história de Joseph Smith?

Um dos motivos era que assim que surgiram os rumores de que Joseph Smith tinha um tesouro de ouro, as placas corriam o risco constante de cair em mãos erradas.

Embora o Senhor as tenha protegido milagrosamente diversas vezes, foi um alívio que algo tão sagrado tenha sido devolvido à proteção angelical.

Além disso, Monte S. Nyman destacou que, “as escrituras sugerem dois motivos pelos quais as placas de ouro do Livro de Mórmon não foram disponibilizadas ao público: a primeira é que o Senhor se recusou a permitir que os homens usassem essas placas sagradas para benefício comercial ou pessoal ; a segunda, e mais importante, era para que o Senhor pudesse testar a fé de todos os que receberem o registro”.

Cristo disse: “bem-aventurados os que não viram, e creram” (João 20:29).

Mesmo se pudéssemos escolher que não fosse dessa maneira, temos a oportunidade de receber essa bênção – a bênção de crer sem ver.

Contudo, mesmo que as placas estivessem exibidas em algum lugar para que todos vissem, elas não seriam o suficiente. Lamã e Lemuel foram visitados por anjos, mas falharam em acreditar.

Mesmo com manifestações e artefatos bem na frente de nossos olhos, ainda temos que estar prontos para ouvir os sussurros do Espírito Santo para que possamos discernir se o que está contido nas placas de ouro é verdadeiro.

Na verdade, não se trata de quanta prova podemos encontrar, mas da promessa frequentemente citada e que está contida nessas mesmas placas:

“E quando receberdes estas coisas, eu vos exorto a perguntardes a Deus, o Pai Eterno, em nome de Cristo, se estas coisas não são verdadeiras; e se perguntardes com um coração sincero e com real intenção, tendo fé em Cristo, ele vos manifestará a verdade delas pelo poder do Espírito Santo.”

Se você ainda não recebeu seu próprio testemunho, a verdade desta promessa espera por você.

Fonte: Meridian Magazine

| Livro de Mórmon

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *