10 coisas que você não sabia sobre as Testemunhas do Livro de Mórmon

Quando Joseph Smith terminou a tradução do Livro de Mórmon, três de seus apoiadores mais próximos – Martin Harris, Oliver Cowdery e David Whitmer – foram escolhidos por revelação como testemunhas especiais do Livro de Mórmon (Doutrina e Convênios 17).

Um anjo mostrou-lhes as placas de ouro das quais o livro foi traduzido (Testemunho de Três Testemunhas). Além disso, outras oito pessoas tiveram permissão para ver e manusear as placas e testificar de sua realidade (Testemunho de Oito Testemunhas).

1. Martin Harris prestou testemunho das placas em um tribunal

Martin Harris costuma ser mais lembrado por perder 116 páginas do manuscrito da tradução inicial do Livro de Mórmon. Essas páginas nunca foram traduzidas novamente, portanto, este conteúdo é encontrado no Livro de Mórmon até hoje.

Contudo, Martin Harris fez muito mais para contribuir com a divulgação do Livro de Mórmon do que muitos imaginam e merece ser lembrado por suas contribuições positivas. Por exemplo, Martin vendeu a maior parte de sua fazenda em Palmyra (cerca de 150 acres) para pagar pela impressão do Livro de Mórmon.

Uma das histórias menos conhecidas sobre Martin Harris é que antes mesmo de ver as placas, ele prestou testemunho delas durante um processo judicial. Em março de 1829, a esposa de Martin, Lucy Harris, organizou o povo de Palmyra em oposição a Joseph Smith, abrindo uma ação judicial contra ele por enganar as pessoas.

Martin sabia que seria convidado a testificar durante esse julgamento, então procurou Joseph em busca de um testemunho das placas. Martin não conseguiu ver as placas naquela época, mas o Senhor revelou pela primeira vez que haveria três testemunhas e prometeu a Martin que ele poderia ser escolhido como uma delas se fosse humilde (D&C 5).

Isso deu a Martin a garantia de que ele precisava, e no julgamento ele testificou “E quanto às placas que [Joseph Smith] professa ter, senhores, se vocês não acreditam nisso, mas continuam a resistir à verdade, chegará o dia em que condenarão suas almas.”

2. Os campos de David Whitmer foram milagrosamente arados 

Enquanto Joseph Smith e Oliver Cowdery traduziam o Livro de Mórmon em Harmony, Pensilvânia, eles começaram a enfrentar severa oposição.

Oliver Cowdery escreveu a seu amigo David Whitmer perguntando se eles poderiam terminar a tradução na fazenda Whitmer em Fayette, Nova York.

David queria ajudar, mas precisava ficar e terminar de arar os campos antes de partir. Mas, no dia seguinte, quando David saiu para começar seu trabalho, descobriu que vários acres de terra haviam sido arados milagrosamente.

Ninguém na família Whitmer sabia quem havia feito o trabalho, mas consideraram aquilo como um sinal de Deus de que deveriam ajudar Joseph Smith em seu trabalho.

David imediatamente viajou 160 quilômetros de Fayette a Harmony para encontrar Joseph e Oliver e trazê-los para a fazenda Whitmer.

3. As três testemunhas responderam ao Senhor

Durante a visão do anjo e das placas, as Três Testemunhas ouviram a voz do Senhor ordenar-lhes que “prestassem testemunho” de sua visão e da veracidade da tradução publicada no Livro de Mórmon.

No entanto, de acordo com David Whitmer, eles estavam relutantes em fazer aquilo e até mesmo responderam ao Senhor quando ele deu a ordem.

Segundo relatos, Oliver “argumentou e disse ao Senhor que o povo não acreditaria” em seu testemunho, devido à falta de evidências de que “um povo educado e refinado morava em grandes cidades”, conforme descrito no Livro de Mórmon.

O Senhor prometeu-lhes “que o tornaria conhecido ao povo, e o povo deveria descobrir as ruínas das cidades perdidas e abundantes evidências da verdade do que está escrito no Livro”.

Nos anos seguintes, ruínas de grandes cidades e civilizações foram descobertas na antiga Mesoamérica, e David Whitmer acreditou que isso cumpriu a promessa do Senhor dada a ele e às outras testemunhas naquela ocasião.

4. Durante um curto período, Oliver Cowdery foi o vice-presidente do Bank of Monroe (em Michigan)

Muitos sabem que, depois de deixar a Igreja, Oliver Cowdrey praticou a advocacia e pouco conhecidas são as muitas funções e profissões que desempenhou para contribuir com a Restauração.

Durante seu tempo na Igreja, Oliver foi escriba, impressor de jornais, escritor, juiz de paz e muito mais. Um fato pouco conhecido é que ele foi banqueiro por um breve período em 1837.

Em 1836, um número crescente de conversos estava se mudando para Kirtland em busca de terras e trabalho, e a Igreja havia acumulado dívidas significativas para construir o templo de Kirtland e administrar empreendimentos comerciais.

Para aliviar essas pressões, a Igreja lançou um banco chamado Kirtland Safety Society no início de 1837. Esse empreendimento bancário enfrentou vários desafios e foi fechado no final daquele ano.

Uma das dificuldades foi conseguir uma autorização legal da legislatura de Ohio para operar um banco.

Depois que sua primeira tentativa de obter uma carta patente foi rejeitada, os líderes da Igreja tentaram outra estratégia: eles compraram o controle acionário do Banco de Monroe, no território de Michigan, com planos de operar o Kirtland Safety Society como uma filial desse banco, porque tinha um escritório legalmente reconhecido.

Como parte da fusão, Oliver Cowdery foi nomeado vice-presidente do Banco de Monroe e serviu brevemente nesta posição antes que a crise bancária de 1837 forçasse a maioria dos bancos em todo o país, incluindo o Banco de Monroe, a fechar.

5. Mesmo depois de deixar a Igreja, Martin Harris defendeu o Livro de Mórmon dos dissidentes de Kirtland

Apesar de sua fé inicial e de contribuições importantes, Martin Harris se afastou da Igreja em 1837. Como muitos sabem, ele não negou a verdade do Livro de Mórmon, apesar de estar “em desacordo com Joseph [Smith]”. Poucos sabem, porém, que ele defendeu especificamente o Livro de Mórmon em uma reunião com outros dissidentes da Igreja.

Martin não foi o único que se afastou da Igreja no final de 1837. Todo um grupo de dissidentes liderados por Warren Parrish acreditava que Joseph Smith e a Igreja haviam se perdido, e esses detratores procuraram restaurar o “velho padrão” na Igreja.

Martin fazia parte do grupo e recebeu um papel de liderança na nova igreja fundada. Contudo, em uma reunião realizada em março de 1838, figuras importantes desse movimento “renunciaram ao Livro de Mórmon”.

Apesar das pressões sociais para concordar com seus novos colegas, “Martin Harris levantou-se e disse que lamentava por qualquer homem que rejeitasse o Livro de Mórmon, pois sabia que ele era verdadeiro”.

Ele se separou daqueles dissidentes e, ao longo dos anos, continuou a afirmar a veracidade do Livro de Mórmon.

6. David Whitmer finalmente começou sua própria igreja

Entre as razões para a excomunhão de David Whitmer estava o fato de que alguns acreditavam que ele era o sucessor de Joseph Smith e o pressionaram a assumir o controle da Igreja em 1837-1838, porque alegavam que Joseph era um profeta decaído.

Mesmo depois da excomunhão de David Whitmer, alguns continuaram a acreditar que ele era o sucessor legítimo de Joseph Smith.

Em 1847, após a morte de Joseph Smith, o ex-apóstolo William E. McLellin tentou fazer com que David Whitmer liderasse uma igreja recém-organizada, mas David não acreditava que era o momento certo.

Não foi até a década de 1870 que David Whitmer tomou medidas para formar sua própria igreja “Whitmerite”, que inicialmente consistia apenas dos membros da família Whitmer, amigos íntimos e vizinhos.

A igreja chegou a ter um total de 750 membros antes de começar a desaparecer lentamente no século XX.

A igreja de David era pequena, mas eles acreditavam na Bíblia e no Livro de Mórmon, e David nunca negou seu testemunho do anjo e das placas.

7. Depois de deixar a Igreja, Oliver Cowdery se correspondia regularmente com seu cunhado, o apóstolo Phineas Young

Poucos meses depois que Martin Harris ter se afastado da Igreja, uma audiência disciplinar foi realizada sobre a conduta de Oliver Cowdery e ele foi excomungado. Inicialmente, depois de se separar da Igreja, Oliver Cowdery tinha alguns ressentimentos, mas em pouco tempo, fontes relataram que ele era “amigável” com os santos.

Em 1842, ele foi visitado por Phineas Young, marido da meia-irmã de Oliver, Lucy. Depois de várias conversas com Oliver, Phineas relatou a seu irmão Brigham Young que o coração de Oliver “ainda está com seus velhos amigos”.

Nos anos seguintes, Phineas e Oliver se correspondiam regularmente, onde Oliver era sincero e aberto sobre suas preocupações e frustrações, mas também expressava claramente seu desejo de retornar à plena comunhão com os santos.

Por exemplo, em uma carta de 1846, ele explicou que estava frustrado por falsas acusações levantadas contra ele durante sua excomunhão, porque ele queria garantir que “aqueles que acreditarem em meu testemunho” sobre os primeiros eventos da Restauração “não corassem pelo caráter privado do homem que prestou esse testemunho.”

Ao longo de sua cartas com Phineas e os membros dos Doze, Oliver era amigável e afetuoso com os santos e se ofereceu para ajudá-los em questões jurídicas e políticas.

As relações com Oliver eram tão amigáveis que em 1843 Joseph instruiu os Doze a convidar Oliver para voltar à Igreja e ir com Orson Hyde em sua missão em Jerusalém.

Embora Oliver não tenha se reunido com os santos naquela época, o constante e amigável contato com Phineas Young ao longo dos anos ajudou a preparar o caminho para o retorno de Oliver em 1848.

8. Martin Harris testificou sobre o Livro de Mórmon na Inglaterra

Muitas pessoas sabem que Martin Harris veio para Utah e voltou para a Igreja em 1870. Poucas pessoas estão cientes dos eventos que aconteceram entre a época em que Martin ficou afastado da Igreja e seu retorno.

Na verdade, muitos não sabem que Martin foi inicialmente rebatizado na Igreja em 1842. Porém , após a morte de Joseph Smith, Martin aceitou brevemente James Strang como o sucessor profético em vez de Brigham Young e os Doze.

Como membro da Igreja Strangite, Martin foi para uma missão na Inglaterra de 1846 a 1847. Enquanto estava, ele corajosamente testificou a respeito do Livro de Mórmon e, especificamente, de ver o anjo e as placas, mas não apoiou as afirmações específicas de James Strang.

Devido a isso, o apóstolo strangite Lester Brooks mandou Martin para casa depois de apenas alguns meses. Graças a essa curta viagem missionária, porém, Martin se tornou a única das Três Testemunhas a testificar fora da América do Norte.

9. Mary Whitmer também viu as placas por um mensageiro divino

Além de Oliver Cowdery, David Whitmer e Martin Harris, a mãe de David, Mary Whitmer, também viu as placas por um mensageiro divino. Na verdade, ela foi a primeira pessoa além de Joseph Smith a realmente ver o registro.

Enquanto Joseph e Oliver estavam morando com os Whitmer e traduzindo o Livro de Mórmon, a presença deles acrescentou uma carga extra de trabalho à matriarca a família Whitmer. Às vezes, ela sentia que o jovem Profeta e o escriba poderiam fazer mais para ajudar na casa e na fazenda.

Uma manhã, enquanto ela estava no celeiro fazendo suas tarefas, pensando que Joseph e Oliver poderiam contribuir um pouco mais, “carregar um balde de água ou cortar um pedaço de lenha” quando eles parassem de traduzir, um estranho carregando uma espécie de mochila se aproximou.

Ele falou com ela em um tom amável e amigável, e começou a explicar-lhe a natureza do trabalho que estava acontecendo em sua casa, e ela se encheu de alegria e satisfação inexprimíveis.

Ele então abriu a mochila, revelando as placas de ouro, e “virou as folhas do livro de placas, folha após folha, e também mostrou a ela as gravações nelas”. Ele a incentivou a “ser paciente e fiel ao suportar um pouco mais de tempo seu fardo” e prometeu-lhe bênçãos.

10. Outros também viram, manusearam e carregaram as placas

Além das Três Testemunhas, outras pessoas viram as placas. Em primeiro lugar estão as Oito Testemunhas, que viram e manusearam as placas descobertas e em circunstâncias perfeitamente normais e não miraculosas.

E menos conhecidas são as testemunhas “não oficiais”, que normalmente não viam as placas diretamente, mas as erguiam e manuseavam enquanto estavam cobertas e podiam dizer pelo exame físico que o objeto que Joseph Smith possuía era um conjunto de placas de metal.

Por exemplo, Emma Smith ajudou Joseph Smith a recuperar as placas e ajudou Joseph como escrevente. Durante esse tempo, às vezes ela movia as placas cobertas pela casa enquanto limpava. Certa vez, ela mexeu nas bordas e sentiu que as placas individuais eram “flexíveis como papel grosso e farfalhavam com um som metálico”.

Fonte: Book of Mormon Central

| Livro de Mórmon

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *