Não há dúvida sobre isso. Somos monoteístas! Todas as nossas escrituras ensinam que devemos adorar unicamente Deus. No Livro de Mórmon, por exemplo, lemos que o povo do Senhor deveria

“servir a Ele, o verdadeiro e único Deus, ou seriam varridos quando sobre eles caísse a plenitude de sua ira” (Éter 2:8).

Outras escrituras também ensinam a mesma coisa (João 17:3, Romanos 16:27, Judas 1:25, D&C 20:19, Moisés 1:20).

Deus é o único Ser Supremo e Absoluto em quem cremos e a quem adoramos. Ele é, como ensinou o Profeta Joseph Smith, “o Grande Pai do universo”, e Ele “contempla toda a família humana com cuidado, carinho e atenção paternos” (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja: Joseph Smith, 2007, p. 42).

Primeira visão

Mas e a Trindade?

Mas os mórmons não acreditam que a Trindade – Deus, Jesus e o Espírito Santo – são seres distintos, embora unidos em propósito? Sim, nós cremos nisso. No batismo de Cristo, o Salvador estava na água, o Pai dizia do céu: “este é meu Filho Amado” e o Espírito desceu no sinal da pomba – a distinção fica bem evidente. Não eram o mesmo ser.

Cremos que Deus, o Pai, a quem adoramos, enviou seu Filho Perfeito, feito à Sua Semelhança – e que Ele é o Deus de Israel. Cremos que o Espírito Santo também possui atributos da divindade, por isso é chamado de “Espírito de Deus” (Êxodo 35:31, Jó 33:4, Romanos 15:19, D&C 46:11).

Elder Jeffrey R. Holland, que é um apóstolo, disse:

“Reconhecer a prova das escrituras de que os membros da Trindade, perfeitamente unidos em todos os outros sentidos, são, não obstante, seres separados e distintos não nos torna culpados de politeísmo. Trata-se, sim, de parte da grande revelação que Jesus veio conceder-nos sobre a natureza de seres divinos. Talvez o Apóstolo Paulo tenha-se expressado melhor, ao dizer: “Cristo Jesus (…) sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus” (Filipenses 2:5-6, ““O Único Deus Verdadeiro, e Jesus Cristo, a Quem [Ele Enviou]”, Élder Jeffrey R. Holland, ConfeRência Geral Outubro de 2007).

Um dia seremos deuses?

Mas os mórmons não acreditam que podem se tornar deuses?

Cremos que somos literalmente filhos de Deus e que, por meio de Cristo, podemos receber a Vida Eterna, o maior dom de Deus – e que a Vida Eterna abre a possibilidade de nos tornamos semelhantes a Deus. De fato, cremos no que Pedro ensinou – sobre nos tornar participantes da natureza divina (2 Pedro 1:4). Mas isso também exige mais explicações – e se você quer saber mais clique aqui. Por ora afirmo que a crença de que podemos nos tornar semelhante ao Pai não nos faz politeístas.

Na realidade, essas palavras monoteísmo, politeísmo, henoteísmo (acreditar em um único Deus, sem negar a existência de outros) e outras não conseguem expressar corretamente a crença dos mórmons. Muçulmanos e judeus frequentemente acusam os cristãos de não serem monoteístas por acreditarem na Trindade (I João 4:13-16, 5:7). Mas o monoteísmo, conforme entendido hoje, comporta a Trindade, já que toda glória e honra é dada, por derradeiro, ao Pai. O fato é que os membros da Igreja Mórmon (e os mórmons são cristãos) não adoram um panteão de deuses. Somos ordenados a orar e servir unicamente à Deus, o Pai, em nome de Cristo (2 Néfi 32:9, Jacó 4:5, Morôni 3:2, 1 Pedro 4:14). Isso nos qualifica como perfeitos monoteístas!

pré-mortal

Não adorar outros deuses

Também cremos no segundo mandamento de não adorar falsos deuses e ter ídolos (Êxodo 20:3-6).

Adoramos ao Salvador Jesus Cristo – e nisso honramos ao Pai, que é o Senhor do Universo. Adorar ao Filho é o mesmo que adorar ao Pai. Isso geralmente não é confuso a qualquer cristão, pois o Filho veio em nome do Pai (João 5:43) e glorificou o Pai (D&C 76:43) – e dá toda honra e glória à Ele (João 5:23, Filipenses 2:11). E vamos ao Pai somente por meio de Cristo (João 14:6).

Como o Élder Bruce R. McConkie, que foi um apóstolo, escreveu:

“No sentido mais importante da palavra, há apenas um Deus vivo e verdadeiro. Ele é o Pai, o Todo-Poderoso Eloim, o Ser Supremo, o Criador e Soberano do universo”. (A New Witness for the Articles of Faith [Uma Nova Testemunha para as Regras de Fé], 1985, pg. 51)

Leia também:

Jesus Cristo e o Pai Celestial são o mesmo personagem?