O papel de um pastor

O pastoreio na antiga Israel era um trabalho difícil e exigente de 24 horas por dia. Havia sempre pessoas que estavam dispostas a fazer o trabalho por dinheiro, mas não tinham a dedicação e devoção demonstrada pelos pastores que realmente tinham suas ovelhas. Não é nenhuma surpresa, então, que lemos nas escrituras:

“Ora, o mercenário foge, porque é mercenário, e não tem cuidado com as ovelhas” (João 10:13).

No tempo de Cristo, os pastores tipicamente cuidavam de pequenos bandos de 30 a 50 ovelhas para que pudessem separar uma das outras durante o dia e não invadir as mesmas pastagens e fontes de água.

À noite, porém, eles guardavam os rebanhos juntos em cavernas para protegê-los de lobos, chacais e ladrões. Algumas das cavernas possuíam mais de 200 ovelhas.

Pela manhã, ovelhas de bandos diferentes se misturavam. Ninguém sabia que ovelhas pertenciam a que pastor até que os pastores se revezaram de pé na entrada e assobiava para chama-las. Então as ovelhas de cada pastor reconheceriam seu chamado e o seguiam. Lembrem-se de como o Salvador disse:

“As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem” (João 10:27).

Como os pastores protegiam as ovelhas

Jesus, o bom pastor

Imagem via lds.org.

Antigamente, o pastor carregava um cajado e servos. O cajado era uma vara parecida com um taco de beisebol, e o pastor a usava para derrotar os predadores que se aproximavam do rebanho. Bastava ver o cajado na mão do pastor que as ovelhas se sentiam seguras. Se um cordeiro vagueasse para muito longe, com ajuda de seus servos ele as tirava do buraco e avisava as outras do perigo.

No Salmo 23, Davi escreveu:

“Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam” (Salmo 23:4).

Ele conhece cada ovelha

O amor do Salvador por cada indivíduo é demonstrado em Sua experiência com Jairo, que o procurou e disse:

“Minha filha está morrendo; rogo-te que venhas e lhe imponhas as mãos para que sare, e viva” (Marcos 5:23).

O Senhor consentiu em vir, mas à medida que se aproximava da casa, eles foram atendidos com a notícia: “A tua filha está morta” (v. 35). Jesus disse ao Pai aflito: “Não temas, crê somente” (v. 36).

Quando o Senhor entrou na casa, ele anunciou a todos que estavam de luto que a menina não estava morta, mas apenas dormindo. As escrituras relatam que

Eles “riam-se dele; porém ele, tendo-os posto todos para fora” (v. 40). No entanto, Cristo tomou a menina pela mão e disse a ela em aramaico: “Talita Cumi”. A Bíblia nos dá a tradução: “Menina, a ti te digo, levanta-te” (v. 41). No entanto, no Dicionário de Cristo e dos evangelhos de James Hastings, lemos que Talita é uma transliteração do substantivo aramaico para cordeiro. Assim como em português, “filhote” pode ser um termo carinhoso para uma criança.

Cristo não estava chamando a uma jovem garota que Ele não conhecia. Ele estava chamando o seu pequeno cordeiro, a quem Ele conhecia e amava muito. “E logo a menina se levantou, e andava” (v. 42).

Verdadeiramente nosso Salvador é nosso dono e não é um mercenário. Nós somos Dele, e Ele nos conhece pelo nome. Ele não foge quando o perigo chega. Ele nos protege com Seu cajado e nos guia com seus servos. Quando caímos, Ele nos levanta e unge as nossas feridas com óleo. Cristo conhece todos os Seus cordeiros e cuida deles.

Fonte: LDSLiving

Relacionado: 

Como ser boas ovelhas e o que fazer para agradar o Bom Pastor