Como tornar a Semana Santa mais significativa para a sua família

Quando a Páscoa chega aos nossos calendários e a neve, pelo menos no nosso canto do globo, começa a derreter, uma variedade de flores coloridas começam a desabrochar. Dentro de um ano, passamos por todas as estações.

Um ano inteiro de vida. Este ano, talvez mais do que qualquer outro, a esperança e o milagre da primavera trazem um sentimento de salvação, um facho de luz que esperamos ansiosos, uma há luz que se acende dentro de nós e esperamos poder compartilhá-la em dias mais floridos e dias mais segurados.

Tanta coisa aconteceu neste último ano, mesmo que tenha sido principalmente em nossas próprias casas, em nossos pijamas, ou atrás de nossas telas. Pessoas faleceram. E não apenas de Covid.

Vimos muitas mortes incomuns e difíceis que quase quebraram o nosso espírito. Houve revoluções sociais dolorosas, mas necessárias, contendas políticas e angústia, desastres naturais, e muito mais. Muita água passou por baixo da nossa ponte coletiva.

Não somos as mesmas pessoas que éramos na última Páscoa. Estamos diferentes, nós mudamos.

Então, tenho-me perguntado, de que forma mudei? Mudei para melhor?

A graça de Cristo nunca nos deixa onde nos encontrou

Uma das minhas escritoras favoritas, Ann Lamott, que tem o talento incomum de ser engraçada e irreverente em uma página, mas assertiva na próxima, escreveu em seu livro, Traveling Mercies, “eu não entendo o mistério da graça. Só que nos encontra onde estamos, mas não nos deixa onde nos encontrou.”

Não importa o que temos suportado este ano, a graça de Cristo não é apenas suficiente, é abundante. É mais do que suficiente para nos curar, renovar nossos corações e mentes, elevar-nos, e restaurar nossas esperanças.

Ensinar o poder deste tipo de graça – o tipo que não nos deixa onde nos encontrou, é de grande importância para mim quando se trata de ensinar meus filhos.

Por isso, nos últimos 10 anos, tenho construído tradições para a minha pequena família para celebrar a Semana Santa e vir a conhecer a vida, o carácter e a Expiação do nosso Jesus Cristo.

Há mais de vinte anos, quando estudava em Jerusalém, fui com um grupo de amigos à Igreja de St.Ann para um serviço de vigília da Páscoa. St. Ann’s fica perto do tanque de Betesda.

Foi na noite anterior ao domingo de Páscoa e tivemos a sorte de estar naquela cidade santa durante a Páscoa e aqueles dias santos.

No final, as velas foram apagadas. De uma vela junto ao altar, eventualmente todas as velas da capela foram acesas. Passamos uma única chama ao redor da sala até que havia dezenas de pequenas chamas brilhando no escuro.

À medida que aquela adoração terminava, cantávamos um hino de Páscoa e caminhávamos calmamente pela noite de Jerusalém, uma reverência tangível naquele ar fresco. Até essa altura da minha vida, tenho vergonha de dizer que nunca tinha assistido a outro serviço cristão para além dos santos dos últimos dias.

Eu tinha ido à sinagoga com meu amigo de infância que era judeu, mas nunca em outra igreja cristã, e senti o espírito de Deus tão forte. À medida que envelheço, aprendo por meio da experiência, que sempre e em qualquer lugar alguém fala de Cristo com amor e adoração, o Espírito Santo se apressa em testemunhar e testificar de Sua divindade.

As tradições que criamos ao longo do tempo

“Ó Jerusalém” – Greg Olsen

Tempos depois, quando vivíamos em Washington D.C., fui a uma vigília de Páscoa com um amigo na Igreja Trinity e tive o mesmo sentimento. Adorei o simbolismo de acender uma vela naquele dia à espera de que a luz do mundo se erguesse na manhã de Páscoa.

As nossas pequenas luzes eram gritos silenciosos num céu cheio de estrelas que sabíamos que Cristo vivia, que a Sua luz, como o sol da manhã, pode iluminar as nossas vidas e fragmentar qualquer escuridão.

Quando nos mudámos para Utah com a nossa jovem família, decidi criar a minha própria Vigília de Páscoa.

Fiz algumas lanternas com potes de vidro, e na véspera de Páscoa, acendemos as nossas velas e as penduramos numa árvore em nosso jardim. As chamas dançavam na brisa da noite, me sentei em nossa sala depois dos meus filhos terem ido para a cama e admirei maravilhada a nossa árvore e suas luzes.

Era a nossa pequena declaração ao mundo sobre o que acreditávamos.

Foi assim que começamos a construir as tradições da Semana Santa em nossa vida familiar. Ao longo dos anos, adicionamos novas práticas.

No domingo de Ramos fazemos uma árvore de Páscoa cortando alguns ramos de uma das nossas árvores. Penduramos pequenas imagens da vida do Salvador com fitas, uma ideia que aprendi com a escritora Ann Voskamp.

Na terça-feira ou quarta-feira caminhamos em torno do templo em memória da segunda limpeza do templo de Cristo e Suas instruções. Fazemos uma caminhada de Páscoa, que é como uma caça ao tesouro na natureza, onde você encontra itens que lembram a história da Páscoa.

Esta era a favorita dos meus filhos. Comemos uma refeição de Páscoa na quinta-feira Santa, fazemos pão de cruz na sexta-feira santa, e muitas outras coisas.

Também ouvimos a paixão de São Mateus e o musical “O Cordeiro de Deus” de Rob Gardner.

Agora, me permita explicar uma coisa sobre as nossas tradições. As coisas nunca correm como eu as imagino.

Normalmente, alguém fica desanimado ou fico sentada sozinha em nossa refeição da Páscoa, porque todos as crianças comeram a comida e depois fugiram, e o meu marido teve que trabalhar.

Tento ser flexível, adaptar as coisas, ou deixá-las de fora se forem difíceis de se fazer.

Porém, ao longo dos anos, alguns dos momentos de ensino mais doces e poderosos que tivemos com nossos filhos aconteceram durante a Semana Santa, ao tentarmos ajudá-los a entender os eventos que ocorreram durante a última semana da vida de Cristo, e o que Seu sacrifício significa para eles.

E você? Quais são as tradição da sua família durante a Semana Santa? O que você faz para compartilhar como foi a última semana de vida do Salvador na Terra? Compartilhe conosco nos comentários.

Fonte: Meridian Magazine

| Fé em Jesus Cristo

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *