Paisagem

Imagem via lds.net.

Por Hadley Ana Sanchez

Somos um povo peculiar devido ao nosso comprometimento com a consagração. Dieter F. Uchtdorf, primeiro conselheiro na primeira presidência, contou uma história de um homem que sonhou que estava onde as pessoas de todo o mundo reuniram-se representando cada religião, e conheceu alguns membros de nossa igreja. Curioso, ele perguntou-lhes: “O que você exige de seus membros?”, e eles responderam:

“Nós não exigimos nada, mas o Senhor pede que consagremos tudo”.

Eles, então, passaram a explicar todo o trabalho que os membros faziam na Igreja de graça, listando muitas coisas! Confuso, o homem perguntou: “Por que alguém iria querer participar de tal igreja?”.

Membros praticantes da Igreja sabem o porquê: o amor a Cristo! Eles acreditam Nele e confiam que se segui-Lo eles conseguirão voltar a seu Pai Celestial.

Consagramos todos os meios para dedicar nosso tempo, talentos e, até mesmo, posses para a edificação do Reino de Deus aqui na Terra. Apesar de não viver a Lei da Consagração exatamente como os santos de Kirtland ou o povo de Enoque, ainda podemos nos beneficiar das bênçãos de praticá-la.

Élder Tad R. Callister deu uma palestra chamada “Tornar-se um Missionário Consagrado” no CTM (Centro de Treinamento Missionário) em 2008. Suas palavras enraizaram-se nos corações dos missionários em todo o mundo que leram sua palestra, tornando-se mais obedientemente dedicados na obra.

“E quanto a nós?!” exclama o membro comum, “não podemos nos tornar consagrados também?”.

Como eu posso me tornar um Membro Consagrado?

Família em Oração

De acordo com Élder Callister, para tornar-se alguém consagrado precisamos “deixar tudo no altar do sacrifício e não receber nada em troca”. Imagem via lds.net.

1. Seja Obediente

Mario Facione era um homem tal que desistiu de sua desobediência por causa do evangelho. Criado numa família mafiosa, ele aspirava nada mais do que especializar-se em liquidações do mercado negro. Então um dia ele encontrou os missionários, começou a ler O Livro de Mórmon, e converteu-se. Porém, de acordo com o seu bispo ele ainda estava servindo a dois mestres e não poderia ir ao Templo por causa disso.

Ele percebeu que a obediência exata não foi apenas para os missionários que lhe ensinaram, era para ele também e tinha que ser a estrutura de sua vida. No entanto, sua vida não poderia se encaixar nessa estrutura. Com isso em mente, que ele abandonou o crime, temendo por sua vida (ele sabia que “você não apenas deixa a máfia”), e estilo de vida criminosa.

Como Facione fez, um membro consagrado percebe que ele ou ela deve fazer tudo o que pode para viver plenamente o evangelho. Ao fazermos isso, bênçãos virão ao nosso caminho. Eventualmente, Facione tornou-se um oficiante do templo e autor de “Mafia to Mormon”.

Ao tornar-se obediente ele não apenas mudou suas ações; ele mudou seu coração, sua própria natureza. Nós não devemos apenas ser obedientes. Como Mario, devemos querer ser obedientes e sacrificar tudo por isso.

“Despoje-se do homem natural… disposto a submeter-se a tudo quanto o Senhor achar que lhe deva infligir assim como uma criança se submete a seu pai” (Mosias 3:19).

2. Não duvide nem tema

Pioneiro atravessando Rio Congelado

Imagem via lds.net.

“Duvide de suas duvidas antes de duvidar de sua fé” – Dieter F. Uchtdorf

No início da história da Igreja, os pioneiros superaram inúmeros medos. Tentem imaginar a mente de um desses bravos homens ou mulheres que fizeram a viagem para o Ocidente. Haveria membros da família que nunca mais seriam vistos novamente. Doença e morte ocorreriam. E, em geral, o desconhecido.

Duvidando de suas próprias intenções, o pensamento “isso realmente vale a pena?” mais do que provável atravessou a mente de muitos pioneiros suportando tais tribulações. No entanto, eles entenderam a importância de deixar seus medos e dúvidas.

John Tanner entendeu este conceito também. Ele era um converso à igreja nos primeiros dias e financiou muitos esforços da igreja. Quando ele estava comprometido com o batismo, sendo portador de deficiência, ele quase desistiu, ele temia sua morte. Ele duvidou de sua própria força; suas próprias habilidades. No entanto, seu desejo de consagrar sua vida a Deus foi mais forte. Ele reuniu sua fé e lançou fora o medo e foi batizado.

Em 1856 três rapazes de dezoito anos de idade, perceberam que consagração significava reter nada ao enfrentar o gelado rio Sweetwater. Eles estavam lá para resgatar os membros da Companhia de Carrinhos de mão Martin do sofrimento. Reunindo coragem e fé, eles lançaram fora o medo e levaram quase todos os membros através do rio. Seus esforços salvaram a companhia, mas a exposição tirou suas próprias vidas.

Desistir de nossos medos e dúvidas é algo que é mais fácil dizer do que fazer. Questões legítimas e preocupações parecem ficar no caminho de dar nosso tudo, tornando consagrado. Nossos medos são muitas vezes envoltos em desculpas, justificação e falta de fé que nos impedem de agir. Se realmente acreditamos no que estamos fazendo, então nada irá nos parar.

3. Rejeite as tentações

Smartphone

Imagem via lds.net.

Uma jovem SUD anonimamente compartilhou sua história de superação da pornografia. Justificando que não iria causar muito estrago ela tornou-se viciada e desobediente aos outros mandamentos.

“os apetites e tentações a que a carne está sujeita, se assim o permitirmos, podem sobrepujar e dominar o espírito” – D. Todd Christofferson

Depois de lutar com isso por alguns anos, ela procurou a ajuda de seu bispo para colocar essa paixão romântica sobre a mesa. Como resultado, ela se tornou uma pessoa mais feliz.

Deus nos conhece por dentro e por fora, Ele conhece especialmente nossos pensamentos e ações. Dele, nada podemos esconder. Ele entende a nossa natureza carnal, mas Ele deseja que superemos. Ao superar, provamos nossa vontade de consagrar a nós mesmos a Ele.

“Vou seguir as inclinações do homem natural ou vou ceder aos sussurros do Santo Espírito e me despojar do homem natural, tornando-me santo por meio da Expiação de Cristo, o Senhor?” – David A. Bednar

Superar a tentação leva tempo, dedicação e um coração disposto. Nossa mentalidade e ações nem sempre irão mudar durante a noite. Pouco a pouco, levará a pequenas e grandes mudanças em nossas vidas que temos de estar abertos. Ao aceitarmos essas mudanças, vamos fortalecer nosso relacionamento com Deus e se tornar mais consagrados.

4. Seja Humilde

Homem orando - Oração

Imagem via lds.net.

A humildade é um sinal de força espiritual. Uma pessoa humilde não é propensa a ciúmes, não justifica suas ações, não é defensivo, rapidamente confessa seus pecados, e se arrepende. Esse é um atributo de Cristo e pode ser difícil para muitos de nós agir assim. É muito mais fácil para nós agirmos sobre o oposto da humildade: o orgulho.

“O orgulho é um pecado condenatório na verdadeira acepção do termo. Ele limita ou impede o progresso” – Ezra Taft Benson

Uma pessoa com uma história escriturística que se viu enredada pelo orgulho era Alma, o filho. Como muitos jovens de hoje, ele se rebelou contra seu pai e Deus. Ele não iria atender a qualquer conselho ou corrigir seus caminhos. Sua falta de consagração a Deus e à Igreja suspendeu não só o seu próprio progresso espiritual, mas o de outros membros da igreja também.

Foi preciso que um anjo do Senhor atormentasse espiritualmente por três dias para que Alma percebe-se seu erro e se tornasse humilde. Humildade, em outras palavras, é deixar de lado orgulho. Alma o fez por estar arrependido, confessando os seus pecados, e trabalhando o resto de sua vida para Deus e para a edificação de Sua igreja.

Quando somos humildes, estamos constantemente perguntando a nós mesmos, e, especialmente, aos outros -“o que posso fazer para tornar-me melhor?” Ao fazer esta pergunta e acatar o conselho ou repreensão que se seguirem, abrimos as portas para o nosso progresso e aumentamos a nossa capacidade de doar mais de nós mesmos a Deus. Desobediência ou rebelião só ficarão no nosso caminho.

5. Seja Positivo

Família em passeio

Imagem via lds.net.

“Não podemos mudar o rumo do vento, mas podemos ajustar as velas. A fim de termos o máximo de felicidade, paz e satisfação, escolhamos uma atitude positiva”. – Thomas S. Monson

Stephanie Nielson teve 80% de seu corpo queimado num acidente de avião em 2008. Seu acidente trouxe vários desafios para ela. Não só sentia uma carga de dor, comos ela já não parecia à mesma. Sua pele era supersensível. Foi difícil sair em público. Até mesmo arrumar o cabelo de suas filhas tornou-se difícil para ela.

Embora os eventos tivessem sido duros com ela, como Monson sugeriu, ela ajustou suas velas ao voltar-se para um blog. O blog a ajudou a permanecer positiva apesar de todos os seus desafios. Através de seu blog e voltando-se para Deus, ela foi capaz de ver a beleza na vida e é capaz de olhar para o mundo com positividade.

“Eu estou vivendo uma bela vida apesar da dor e desafios”

Tendo uma atitude positiva e visão da vida, estamos testificando de uma verdade muito importante para o nosso próximo, entes queridos e o mundo: o evangelho é felicidade. Como dizem as escrituras, quando fielmente temos “bom ânimo”, temendo nada, Cristo está conosco. Por sua vez, nós estamos com Ele, e é um dos propósitos e bênçãos da consagração: estar com Cristo.

6. Eleve o nível

Jogador Basketball

Imagem via lds.net.

Um membro consagrado não é preguiçoso; ele ou ela não desperdiça seu tempo. No final do dia, não lamenta nada. Não tem pensamentos de “eu poderia ter feito isto ou aquilo.” Todas as tarefas são realizadas, suportar apesar das dificuldades. Eles não desistem. Isso é o que aumentar o nível significativamente.

Jimmer Fredette, o ex-jogador de basquete da BYU, fez exatamente isso. Basquete sempre foi sua paixão, mas ele queria mais do que ser apenas um bom jogador de ensino médio. Ele aceitou um contrato feito por seu irmão TJ, comprometendo-se a “fazer os sacrifícios necessários” para alcançar seu objetivo de jogar na NBA.

Para Fredette, as práticas da equipe não foram o suficiente para ele cumprir o contrato. Ele levou para os corredores da igreja para fazer treinos de basquete. Ele até foi para uma prisão local para jogar com os presos. Todo o seu trabalho duro e dedicação o levaram a jogar para a BYU e ser convocado para a NBA. Jimmer nos mostra tudo o que vai acima e além de fazer os sacrifícios necessários e que o trabalho duro compensa.

No evangelho de Jesus Cristo, como nós também “fazer os sacrifícios necessários”, vale a pena, se não se render e se manter em curso e perseverar até o fim.

“Deveis, pois, prosseguir com firmeza em Cristo, tendo um perfeito esplendor de esperança e amor a Deus e a todos os homens. Portanto, se assim prosseguirdes, banqueteando-vos com a palavra de Cristo, e perseverardes até o fim, eis que assim diz o Pai: Tereis vida eterna.” (2 Néfi 31:20)

7. Sirva os outros

Mulher servindo - Serviço

Imagem via lds.net.

Nós não deveríamos apenas servir quando somos instruídos, mas quando vemos a necessidade e agimos por impulsos e intuições para alcançar. Isso é como o Salvador serviu e em nossa jornada rumo à consagração, que é uma das melhores coisas que podemos fazer para nos tornarmos como Ele.

“Primeiro observar, depois servir”. Linda K. Burton

Quando eu tinha quatro anos de idade meu maior exemplo de serviço foi a minha irmã recém conversa de 17 anos de idade. Embora eu tenha poucas memórias daquela época com ela, todas giram em torno de serviço. Muitas vezes ela viu as necessidades dos outros e procurou cumpri-las.

Durante os meses de inverno, ela iria fazer uma sopa ou guisado e levá-lo a uma viúva idosa na rua. Ela iria identificar uma família local em necessidade e certifique-se de que na manhã de Natal eles iriam encontrar presentes em sua porta. Várias vezes eu me encontrei no hospital com ela para fazer nada além de falar com as pessoas e entregar flores que tínhamos colhido nos campos.

Todos os dias, como nós abrimos nossos olhos para a oportunidade, podemos ver as necessidades dos outros. Não importa quão pequeno ou grande a necessidade, podemos agir em seu nome. Nós não precisamos fazer algo grandioso. Muitas vezes a maior diferença na vida de alguém vem do menor ato de serviço.

“Porque quando o fazeis ao menor destes, a mim o fazeis.” (D&C 42:38)

 

 Artigo original em LDS.net. Traduzido por Hannah Dias.