Um Santo dos Últimos Dias que teve um importante papel na ida do homem à Lua

Há cinquenta anos, Neil Armstrong colocou uma placa com os dizeres: “Aqui os homens do planeta Terra pisaram pela primeira vez na Lua em julho de 1969 d.C. Viemos em paz por toda a humanidade.” Então, Armstrong saiu do módulo lunar da Apollo 11, Eagle, e falou 11 palavras imortalizadas: Este é um pequeno passo para o homem, mas um grande salto para a humanidade.

Em 20 de julho de 1969, a exploração espacial chegou a novas alturas celestes quando Armstrong e Buzz Aldrin fizeram um passeio na lua. No Mar da Tranquilidade da lua, Aldrin colocou uma caixa na superfície da lua, um sismógrafo movido a energia solar que ainda hoje está lá.

O sismógrafo foi projetado pelo astronauta Santo dos Últimos Dias, Don Lind, que desempenhou um papel vital no primeiro pouso na Lua e em missões espaciais nas décadas seguintes.

Quando menino, Don Lind e suas irmãs subiam em árvores em sua vizinhança em Midvale, Utah, agitando os galhos e fingindo que estavam em uma espaçonave voando pelo universo. Naquela época, a viagem espacial era uma façanha só sonhada em histórias em quadrinhos e ficção científica. Foi só em mais de 20 anos que os primeiros homens se aventuraram no desconhecido e entraram no espaço no ano de 1961. Depois de ouvir as notícias, Lind — então um piloto da Marinha e Ph.D. em física nuclear de alta energia – sabia que ele havia encontrado seu chamado.

Lind era um pesquisador da NASA quando os Estados Unidos começaram a recrutar astronautas para missões espaciais. A experiência de Lind como piloto e cientista fez com que ele fosse perfeito para o programa e quando a Apollo 11 começou sua missão desafiadora, Lind, que estava encarregado das operações na superfície lunar, acompanhou meticulosamente o progresso dos astronautas da Missão de Controle da NASA. Caso qualquer imprevisto ocorresse quando Armstrong e Aldrin estivessem pela primeira vez na lua, Lind poderia guiá-los.

“Eu projetei todos os procedimentos e testei tudo”, disse Lind ao jornal The Salt Lake Tribune. “Eu era literalmente o especialista.”

Lind também ajudou a projetar os dois principais experimentos realizados naquela primeira aterrissagem lunar – os sismômetros construídos para detectar terremotos e um retrorrefletor de chapas metálicas – ambos explicariam os mistérios sobre a lua. O refletor de chapas metálicas desdobrado na lua permitiu que a NASA usasse lasers para medir a distância entre a superfície da Terra e a lua.

Sobre o sismógrafo, que revelou que a lua é uma massa sólida sem um interior derretido, Lind disse ao The Salt Lake Tribune: “Assim que se desdobrou e a luz do sol atingiu os painéis solares, os sinais começaram a ser registrados e transmitidos. Ele gravou [Aldrin’s] indo embora, subindo a escada do módulo lunar e o clique da porta quando ela se fechou. Funcionou lindamente!

E o sismógrafo ainda pode estar transmitindo do Mar da Tranquilidade hoje: “Provavelmente ainda está transmitindo”, disse Lind ao jornal The Salt Lake Tribune. “Eu não acho que alguém ainda esteja ouvindo.”

O voo espacial de Lind veio 16 anos depois, em 1985, quando ele embarcou no Challenger para uma jornada de oito dias para estudar a Aurora Australis.

  Durante essa missão, Lind realizou um feito histórico particularmente significativo para os Santos dos Últimos Dias: ele se tornou o primeiro homem a tomar o sacramento no espaço.

Enquanto Aldrin recebia a comunhão a bordo do módulo lunar Eagle e levava consigo suas escrituras na superfície da lua, Lind era o primeiro Santo dos Últimos Dias no espaço e o primeiro a tomar o sacramento lá.

Durante a conferência geral de outubro de 1985, Lind contou como explorar o celestial ajudou a aproximá-lo do céu:

“Alguns dos meus sentimentos pessoais foram muito espirituais … A primeira vez que tive um minuto para parar e apenas olhar para a terra, a beleza absoluta da cena trouxe lágrimas aos meus olhos … Agora, tente imaginar como foi para mim ter essa cena na minha frente e depois ter os fragmentos de meia dúzia de escrituras surgirem em minha mente. “Os céus proclamam a glória de Deus” (Salmos 19:1). Se você viu os céus, viu “Deus movendo-se em sua majestade e poder” (D&C 88:47). Tenho certeza de que você pode imaginar a proximidade que senti com meu Pai Celestial enquanto observava uma de suas belas criações. Eu estava realmente agitado por uma consciência crescente do que Ele fez por nós como o Criador de nossa terra. Essa foi uma das experiências mais emocionantes da minha vida.

“Outra experiência que é muito importante para mim, foi tomar o sacramento em órbita. Estávamos no espaço por uma semana inteira, então é claro que estávamos em um domingo. Nosso bispo me deu permissão para abençoar meu próprio sacramento. Foi um pouco incomum. Vocês, sacerdotes na platéia, podem considerar como seria tentar se ajoelhar na ausência de peso – você fica flutuando. Por privacidade, eu mantive meu serviço sacramental na minha estação de sono – algo como uma cabine de um navio. Ajoelhei-me em algo que  você consideraria ser o teto e apoiei meus ombros no meu saco de dormir para não flutuar. Foi uma experiência muito especial. Me lembrarei durante toda a minha vida daquela reunião sacramental e a renovação de meus convênios batismais por cima da Terra . Havia um pouco do sentimento especial que você normalmente sente somente quando vai ao templo “.

Esta é uma tradução do artigo publicado originalmente no site ldsliving.com com o título “Latter-day Saint Played Key Role Getting Men on the Moon + His Experiment That Is Still on the Moon Today”.

Relacionado:

Como Star Wars foi Influenciado por um santo dos últimos dias

| Inspiração

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *