A maioria dos aficionados SUD em ficção científica estão conscientes de que a amada série de televisão Battlestar Galactica foi fortemente influenciada pela teologia santo dos últimos dias. Criado por um membro da Igreja ativo (o falecido Glen A. Larson), Battlestar Galactica continha muitos elementos reconhecíveis de sua fé, inclusive o casamento eterno e um conselho de 12. Mas poderia haver alguns elementos SUD em Star Wars?

Claro, qualquer discussão sobre conexões santo dos últimos dias em Star Wars tem que começar com a velha lenda de que Yoda foi modelado após o profeta SUD Spencer W. Kimball, que era razoavelmente similar em aparência e maneirismo.

Embora a comparação provavelmente começou como uma brincadeira, a especulação ganhou força entre os membros ao longo dos anos. No entanto, a hipótese foi categoricamente negada por pessoas que trabalharam no filme – a verdadeira inspiração para Yoda era Albert Einstein. É também amplamente documentado que Lucas buscou inspiração em várias filosofias e tradições religiosas ao fazer os filmes, incluindo o zoroastrismo, Taoísmo, Budismo, maniqueísmo e estoicismo.

Pode ser uma surpresa maior saber que, embora o criador de Star Wars, George Lucas, se denomina como um budista metodista, seu produtor, Gary Kurtz, é um santo dos últimos dias praticante. E apesar de não ter o mesmo reconhecimento que George Lucas, Kurtz é uma lenda do cinema. Ele produziu American Graffiti em 1973, Star Wars e sua sequência The Empire Strikes Back, em 1977 e 1980, The Dark Crystal em 1982 e Return to Oz em 1985. Por seu trabalho em Star Wars e American Graffiti, ele foi nomeado para o Oscar de Melhor Filme.

E, embora a franquia Star Wars tenha sido influenciada por uma variedade de filosofias e tradições religiosas, ela contém várias semelhanças com a teologia de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, que provavelmente foram influenciadas pela formação religiosa de Kurtz. Eis algumas que se destacaram:

A Força

Talvez a maior semelhança seja com a Força. Obi-wan Kenobi disse que a Força “é o que dá a um Jedi seu poder. É um campo de energia criado por todas as coisas vivas. Ela nos envolve e nos penetra; Ela une a galáxia”. Compare essa declaração com a que foi feita pelo Presidente Gordon B. Hinckley sobre o sacerdócio (outro profeta que parece o Yoda – especialmente com a bengala) em 1984: “Não existe poder igual na Terra. Sua autoridade se estende para além da vida, ultrapassando o véu da morte rumo a eternidades à frente. É eterno em suas consequências.”

Santos dos Últimos Dias acreditam que o sacerdócio era o poder pelo qual a Terra e os céus foram criados, e, portanto, um detentor desse sacerdócio tem poder para curar os enfermos, ressuscitar os mortos, e até mesmo mover montanhas. Considerando o papel central que a Força tem no universo de Star Wars, não é difícil ver como a exposição de Kurtz ao sacerdócio pode ter influenciado a sua criação.

Potencial para grandeza

Star Wars, assim como faz a teologia dos santos dos últimos dias, retrata a humanidade como infinitamente maior do que o mundo caído em que vivemos. “Seres luminosos nós somos”, disse Yoda, “não esta matéria bruta”. Claro, um princípio central dos ensinamentos da Igreja diz que não só Deus foi homem como nós uma vez, mas que, por meio de nosso Salvador Jesus Cristo, bem como nossa própria fé e desejo, podemos eventualmente tornar-nos seres divinos. Como o profeta Lorenzo Snow disse a famosa frase: “Como o homem é, Deus já foi. Como Deus é hoje, o homem pode ser”.

Presidente Dieter F. Uchtdorf falou recentemente ao destino divino do homem:

“Parece haver algo dentro de nós que resiste aos finais”, disse ele. “Por que isso acontece? Porque somos feitos da matéria da eternidade. Somos seres eternos, filhos do Deus Todo-Poderoso, cujo nome é Infinito e que nos promete bênçãos eternas. Os finais não são o nosso destino”.

Medo Vs. Fé

Apesar de ser encontrado em um episódio que não foi produzido por Gary Kurtz, há uma famosa citação de Yoda: “O medo é o caminho para o lado escuro. Medo leva à raiva. Raiva leva ao ódio. Ódio leva ao sofrimento …” Não atender a esse conselho famoso levou (ALERTA DE SPOILER) a queda de Anakin Skywalker e a criação de Darth Vader. No entanto, ouvir a esse conselho fez com que seu filho, Luke, no último episódio, subjugasse o mal.

Ouvimos muitas vezes na Igreja de que a fé é a antítese do medo. Basta lembrar a história de Pedro caminhando sobre a água! Élder Quentin L. Cook, disse em um discurso da conferência de 2007:

“Quando decidimos seguir a Cristo com fé em vez de, por temor, tomar outro caminho, recebemos a bênção que é a consequência de nossa escolha”. Como o Élder Cook disse, nós vimos as consequências de medo, raiva e ódio em nosso mundo atual. Mas se podemos escolher ter fé e lutar pelo bem, eventualmente, Satanás não terá mais poder sobre nós.

O Conselho Jedi

Mas não para por aqui. Os Jedis recebem treinamento especial e instrução em “templos”. Eles também são liderados por um conselho de doze Jedis mais experientes. Esses membros se reúnem com frequência e também muitas vezes viajam pela galáxia, trabalhando juntos para o bem e lutando contra o cruel Lorde Sith que usa a mentira para encontrar adeptos, mesmo nos círculos sociais próximos dos Jedis. Parece familiar?

E, embora as semelhanças específicas entre os santos dos últimos dias e Star Wars continuem e continuem ao longo da série, a semelhança abrangente com o Cristianismo é a batalha entre o bem e o mal, onde o bem, no final, triunfará.

 Artigo original em LDSLiving.com.