Após essa terceira visita [de Morôni], ele ascendeu ao céu, como antes; e outra vez fiquei meditando sobre a estranheza do que acabara de acontecer; quase imediatamente após o mensageiro celestial ter ascendido pela terceira vez, o galo cantou e vi que o dia se aproximava, de modo que as entrevistas deviam ter durado toda aquela noite.

Joseph Smith – História 1:47

Sempre achei essa parte da história um pouco intrigante. Por que Morôni visitou Joseph Smith três vezes para transmitir a mesma informação? Parece um detalhe aleatório para Joseph incluir em sua história. Mas como tenho ponderado sobre este assunto, comecei a notar um padrão nas escrituras. Você pode ser capaz de adicionar mais exemplos a esta lista, mas aqui está o que eu notei até agora.

A experiência de Pedro

Joseph não foi o único profeta a receber a mesma mensagem celestial três vezes consecutivas. Veja o que aconteceu ao apóstolo Pedro em Atos 10:

E [Pedro] viu o céu aberto, e que para ele descia um certo vaso, como um grande lençol atado pelas quatro pontas, e que era baixado para a terra, no qual havia de todos os animais quadrúpedes da terra, e feras, e répteis, e aves do céu.

E foi-lhe dirigida uma voz: Levanta-te, Pedro; mata e come. Porém Pedro disse: De modo nenhum, Senhor, porque nunca comi coisa alguma comum nem imunda. E uma segunda vez lhe disse a voz: Não faças tu comum ao que Deus purificou. E aconteceu isso por três vezes; e o vaso foi recolhido para o céu.

Atos 10: 11-16

De novo. Comunicação celestial, repetida três vezes. Pedro até re-afirma este aspecto de sua visão no capítulo seguinte:

E sucedeu isso por três vezes; e tudo foi recolhido ao céu.

A experiência dos nefitas

Antes do Cristo ressuscitado visitar os nefitas, Deus os chama três vezes.

E aconteceu que enquanto estavam assim conversando uns com os outros, ouviram uma voz que parecia vir do céu; e olharam em todas as direções, porque não entendiam a voz que ouviam; e não era uma voz áspera nem forte; entretanto, apesar de ser uma voz mansa, penetrava-lhes até o âmago, de modo que não havia parte de seu corpo que não tremesse; sim, penetrou-lhes na própria alma e fez-lhes arder o coração.

E aconteceu que tornaram a ouvir a voz e não a compreenderam. E novamente, pela terceira vez, ouviram a voz e aguçaram os ouvidos para escutá-la; e seus olhos estavam voltados para o lugar de onde vinha o som; e olhavam fixamente para o céu, de onde vinha o som.

E eis que na terceira vez compreenderam a voz que ouviram; e ela lhes dizia: Eis aqui meu Filho Amado, bem quem me comprazo e em quem glorifiquei meu nome — ouvi-o.

3 Néfi 11:3-7

Na experiência anterior (Pedro e a visão das bestas de quatro pés), vimos que, inicialmente, Pedro discorda da visão. “Não é assim, Senhor” foi a sua resposta inicial. Ele não entendeu. Como a visão foi repetida, espero que ele ganhou mais compreensão.

Da mesma forma, foi preciso três vezes para que os nefitas entendessem plenamente a voz de Deus emanando do céu.

Outra experiência de Pedro

O padrão “três vezes” aparece novamente em Atos quando Cristo ressuscitado aparece para os apóstolos nas margens do mar da Galileia. Quando Pedro reconhece Cristo, ele se joga de seu barco de pesca e nada para a costa. Os discípulos desfrutam de uma refeição a base de pão e peixe antes que Cristo tenha esta conversa com Pedro:

E depois de terem jantado, disse Jesus a Simão Pedro: Simão, filho de Jonas, amas-me mais do que estes? Disse-lhe ele: Sim, Senhor; tu sabes que te amo. Disse-lhe ele: Apascenta os meus cordeiros.

Tornou a dizer-lhe uma segunda vez: Simão, filho de Jonas, amas-me? Disse-lhe ele: Sim, Senhor; tu sabes que te amo. Disse-lhe ele: Apascenta as minhas ovelhas.

Disse-lhe uma terceira vez: Simão, filho de Jonas, amas-me? Simão entristeceu-se por lhe ter dito uma terceira vez: Amas-me? E disse-lhe: Senhor, tu sabes todas as coisas; tu sabes que eu te amo. Jesus disse-lhe: Apascenta as minhas ovelhas.

João 21:15-17

Além de exemplificar outro caso de “três vezes”, esta repetição também deve ter incomodado Pedro um pouco, pois ele pode ter lembrado as três vezes que negou o Salvador antes da crucificação.

À terceira vez é derradeira

Não sei bem por que é que três é o número mágico nestes cenários. Para os cristãos, “três” denota uma certa completude divina, mas o meu palpite é que a repetição foi usada nestes cenários simplesmente para fins práticos. Morôni estava dizendo algo muito importante. Ele queria ter a certeza que Joseph tinha entendido. No caso da visão de Pedro, a apresentação de Cristo aos nefitas, e a conversa de Pedro com o Salvador, o Senhor queria ter certeza de que Sua mensagem realmente tinha sido entendida.

Anteriormente, a minha resposta a esse versículo na história de Joseph Smith foi de confusão. Mas no contexto de outras visitas angélicas importantes das escrituras, é normal. De fato, de uma maneira simples, este pequeno detalhe até fortalece o meu testemunho da autenticidade da interação de Joseph com Morôni. Por sua vez, isso fortalece o meu testemunho do Livro de Mórmon e seu propósito primordial: “convencer os judeus e os gentios de que Jesus é o Cristo, o Deus Eterno.”

 

Fonte: Third Hour