Quando Joseph Smith mostrou a verdadeira essência de seu caráter

Por muitas vezes em minha vida, tive dificuldades para entender as pessoas que fizeram parte da história da nossa Igreja—as falhas e fraquezas que vêm com as pessoas imperfeitas tentando estabelecer uma igreja e um evangelho perfeitos. Ao aprender mais sobre a complexa história da Igreja, percebi que se os detalhes de minha vida fossem analisados por historiadores e críticos, minhas falhas e erros poderiam ser escritos em muitos livros. Ninguém, exceto por Jesus Cristo, viveu uma vida sem culpa. Ainda bem que pertencemos a uma igreja cheia de pessoas imperfeitas, porque nenhum de nós poderia pertencer a uma igreja perfeita cheia de pessoas perfeitas.

Apesar do conforto que isso me traz, eu ainda muitas vezes estudo e exploro histórias do início do estabelecimento da Igreja para buscar respostas às minhas perguntas difíceis e ver o que elas podem me ensinar.

Uma história que me impressionou está em “Nosso Legado: Resumo da História de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.”

Você pode aprender muito sobre o caráter de uma pessoa pela forma como ela reage em tempos de dificuldade, sofrimento e confusão. Quando homens vieram buscar Joseph Smith e levá-lo à Carthage em 1844, o Profeta disse: “Vou como um cordeiro para o matadouro; mas estou calmo como uma manhã de verão” Ele conhecia a perigosa realidade de sua situação.

Foto: ChurchOfJesusChrist.org

Como Nosso Legado explica, “Em pelo menos dezenove ocasiões diferentes, começando em 1829, Joseph Smith disse aos santos que ele provavelmente não viveria esta vida em paz.”

Quando confrontado com esta realidade, com a perseguição e com a possibilidade de nunca mais voltar a ver a sua família, como é que Joseph Smith reagiu?

Nosso Legado compartilha um breve encontro com o Profeta a caminho de Carthage:

“Quando o Profeta estava de partida, B. Rogers, que trabalhara na fazenda de Joseph por mais de três anos, e dois outros meninos atravessaram os campos e sentaram-se numa cerca, esperando a passagem do amigo e líder. Joseph parou o cavalo ao lado dos meninos e disse aos homens da milícia que estavam com ele: “Cavalheiros, esta é a minha fazenda e estes são os meus meninos. Eles gostam de mim, e eu, deles”. Após apertar a mão de cada um, montou no cavalo e seguiu caminho para seu encontro com a morte.”

Acho interessante que, neste momento de agitação, o Profeta Joseph tenha sido gentil com aqueles que o prenderam, mostrando-lhes respeito, referindo-se a eles como cavalheiros. Além disso, Joseph Smith poderia facilmente ter sido distraído pelo tumulto, e em vez disso, ele compartilhou algumas palavras de conforto com aqueles meninos. Muitos durante aquela época não teriam notado isso.

Foto: Newsroom

Sobre o Profeta Joseph Smith, o Presidente Rusell M. Nelson observou:

“Eu estava ensinando uma palestra missionária a uma mulher da Grã-Bretanha. Eu estava ensinando sobre o Senhor Jesus Cristo e como Ele havia restaurado Seu evangelho por meio do Profeta Joseph Smith. Ela realmente gostou dos ensinamentos do evangelho, mas teve dificuldade em aceitar a Primeira Visão do Profeta. Ela disse que poderia acreditar na Restauração mais sinceramente se Deus o Pai e Seu Filho Jesus Cristo tivessem aparecido ao Arcebispo da Cantuária!

“Na verdade, o fato de que o Pai e o Filho aparecerem a um jovem desconhecido é um dos aspectos mais notáveis da Restauração. Joseph Smith não tinha que “desaprender” nada. Ele foi ensinado pessoalmente por Eles. Joseph também foi instruído por outros mensageiros celestiais, incluindo Morôni, João Batista, Pedro, Tiago, João, Moisés, Elias e Elias, o Profeta. “A missão de Joseph na mortalidade foi preordenada. Sua mente pura era receptiva. Mas, segundo os padrões mundanos, era improvável que Joseph vivesse tudo isso. E a tarefa de ser o profeta desta última dispensação parecia totalmente impossível. Este padrão é o que o Senhor tem usado repetidamente ao longo da história.”(“The Lord Uses the Unlikely to Accomplish the Impossible, Devocional da BYU-Idaho , 27 de janeiro de 2015)

Fonte: LDS Living

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *