A maternidade é uma parceria eterna com Deus | Mães de Fé

Este artigo faz parte da série “Mães de Fé”, onde homenageamos as incríveis mães que temos e falamos de sua fé em Deus e em Jesus Cristo

Em um mundo tão conturbado e imediatista, escolher ser mãe exige coragem. Mesmo uma mãe que seja membro da Igreja e com a ajuda do marido, pois a maternidade é complexa e divina, profunda e nobre. A irmã Sheri L. Dew ensinou:

“No mundo pré-mortal, quando o Pai descreveu nosso papel, imagino que ficamos maravilhadas ao saber que Ele nos abençoaria com uma responsabilidade tão sagrada e tão importante em Seu plano, e que nos concederia dons essenciais para que amássemos e conduzíssemos Seus filhos. Imagino que devemos ter gritado de alegria em parte por causa da elevada condição que Ele nos proporcionou em Seu reino. O mundo não nos dirá isso, mas o Espírito, sim.”

Eu sou advogada e escolhi me dedicar à maternidade. Tenho duas filhas, Bella de 4 anos, e Liz, com 2 anos. Trabalho em poucos processos para dar atenção às minhas filhas. E meu marido trabalha o dia todo e é o bispo em nossa ala. Ele me ajuda e dá todo o suporte para que eu me dedique à criação de nossas filhas. Ainda assim não é fácil pois é uma responsabilidade enorme ser mãe.

Acredito que a maternidade significa responsabilidade, abrir mão de algumas coisas em prol de um ser que precisa de amor, cuidado e atenção, e também é a maior e mais importante função que uma mulher pode exercer. A maternidade transforma uma mulher, pois podemos sentir um amor tão profundo e intenso pelos filhos que nos torna capazes de abdicar do nosso tempo, dinheiro, e outros desejos pessoais para cuidar deles.

Na verdade, a maternidade é um trabalho bem difícil, e muitas vezes pouco reconhecido, mas estamos cuidando dos filhos de Deus, então é um esforço que vale à pena.

A maternidade nos aproxima do Senhor

Aprendi que a maternidade é realmente uma parceria eterna com Deus, pois Ele confiou em mim para cuidar de Suas filhas. Depois que me tornei mãe pude perceber que preciso, cada vez mais, do Senhor, pois a responsabilidade é grande. Hoje reconheço que preciso muito de Sua ajuda e isso me aproximou mais Dele. Ele me dá forças e sabedoria para agir. Muitas vezes o Espírito Santo nos guiará quando a criança estiver doente, ou quando ela estiver sentindo algo que não consegue expressar.

Os desafios da maternidade

Cada fase é um desafio diferente. Com a minha primeira filha eu tive muitas dificuldades para amamentar. Além disso, eu fiquei deprimida e estressada porque não pensava em mim, só nela. Mal dava tempo de tomar banho, quem tem um recém-nascido em casa entende, e ficamos de lado. Aprendi, nessa época, que precisamos reservar um tempo para mim também porque eu preciso estar bem para a minha filha ficar bem. Se eu estiver bem eu vou ser mais paciente, ter mais ânimo e estarei mais feliz para entregar isso ao bebê também.

Atualmente, meus desafios são a seletividade na alimentação e equilibrar o tempo para fazer tudo que preciso fazer, como cuidar da casa, trabalhar de home office e ter tempo para mim e para a família.

O evangelho nos ajuda em nossos desafios

O Evangelho de Cristo nos ensina como equilibrar a vida, nos mostra o caminho que devemos seguir e, sobretudo, o amor que o Pai Celestial tem por cada um de nós. Não estamos esquecidos, e eu diria que, principalmente as mães, não estão esquecidas. O Senhor honra muito o trabalho das mães e nos abençoa grandemente, se O buscarmos. O Evangelho nos dá paz verdadeira e força. Quando os sentimentos de que “não sou capaz” ou de que “não consigo ser uma boa mãe” surgem, busco ler ou ouvir um discurso dos profetas e apóstolos, busco orientação no Evangelho. Somos mais capazes do que podemos imaginar e, frequentemente, esquecemos disso.

O Élder Jeffrey R. Holland disse:

“Mães, desfrutem intensamente esse papel que é unicamente de vocês, e pelo qual até mesmo os céus enviam anjos para zelarem por vocês e seus pequeninos. Vocês estão realizando o trabalho de salvação e portanto serão magnificadas, recompensadas e tornar-se-ão melhores e mais capazes do que jamais foram. (…)

Quero dizer às mães coletivamente, em nome do Senhor, que vocês são extraordinárias. Estão saindo-se muitíssimo bem. O próprio fato de terem recebido essa responsabilidade é a eterna prova da confiança que seu Pai Celestial deposita em vocês. Ele está abençoando-as e irá abençoá-las, mesmo — ou melhor, especialmente — quando seus dias e suas noites forem os mais difíceis. Confiem Nele. Confiem realmente Nele. Confiem Nele para sempre. E “prossigam com firmeza em Cristo, tendo um perfeito esplendor de esperança.”

Uma experiência marcante

Sempre quis ser mãe. Desde jovem eu já tinha definido que era o meu maior sonho. Até que, em junho de 2016, minha mãe foi internada devido à um derrame. Todos os dias eu ia visitá-la e tinha certeza que, em breve, ela estaria em casa novamente. Ao mesmo tempo minha menstruação estava atrasada. No dia que fiz o teste de farmácia, minha mãe piorou e entrou em coma. Minha cabeça estava à mil, com uma mistura de sentimentos.

Tinha acabado de descobrir que estava grávida, realizando o meu maior sonho, mas também estava triste por causa da minha mãe. Mesmo em coma, eu falei com ela e contei que ela seria vovó. Pedi para ela não me deixar pois eu, mais do que nunca, precisava dela. Naquele momento, saíram lágrimas de seus olhos e eu sabia que ela estava me ouvindo. Eu implorei para ela melhorar, mas em poucos dias ela faleceu.

Embora eu estivesse triste e aflita, eu tinha um ser em meu ventre que precisava de mim e que foi a minha força para superar minha perda. Recebi um anjo para eu cuidar, ensinar e, principalmente, amar. Lembro que conversei com meu bebê que eu daria o melhor de mim.

Felizmente eu tenho um marido e um pai extremamente presente, que me dá auxílio e força todos os dias, como também alivia um pouco a carga. Mesmo após um dia cheio de trabalho e com o chamado de bispo na igreja, ele ainda consegue demonstrar cuidado e atenção a todo momento por mim e por nossas filhas.

Hoje, quase 5 anos após o maior desafio da minha vida, eu sou mãe de duas meninas que me trazem mais cabelos brancos, mas muito mais amor e significado para minha existência. Hoje, eu percebo o quanto eu tenho da minha mãe em mim, e espero deixar em minhas filhas um pouco de mim também. Não uma mãe perfeita porque ela não existe, mas a mãe que elas precisam que eu seja, fazendo o meu melhor.

A maternidade deu muito mais propósito à minha vida, me ensinou que sou muito mais forte do que eu pensava, e, ao mesmo tempo, que eu preciso aprender muito mais do que imaginava. Se tem responsabilidade mais nobre e sagrada do que ser mãe, eu desconheço.

Conselho às mães

Se eu pudesse dar um conselho às mães, eu diria:

Quando decidir ser mãe, saiba que sua vida mudará para sempre. E vai ser muito melhor do que imaginava, mas também muito mais intensa e desafiadora. Costumo dizer que não dá para ser mãe e preguiçosa. Precisamos trabalhar duro, para cuidar, ensinar, ter paciência e amar.

Ore ao Senhor de todo o teu coração, sempre. Ore por você, por seus filhos, por sua família. E sinta o amor que Deus tem por cada uma de nós, individualmente. Talvez você se perca um pouco e esqueça quem você era antes de ser mãe. Mas, especialmente agora, use todos os seus dons e talentos e descubra novas habilidades que antes você nem sabia que tinha. E desfrute cada aprendizado dos seus filhos, sinta felicidade até nos desafios porque esse é o trabalho que dá mais retorno. Nada se compara com um “eu te amo, mamãe”.

Em um mundo que diz que não precisamos ser mães, que acredita que a maternidade pode ser deixada em segundo plano e que precisamos pensar mais em nossa carreira, devemos nos lembrar do discurso da irmã Sheri L. Dew:

“A Primeira Presidência há seis décadas, chamou a maternidade de “o mais elevado e santo serviço (…) assumido pela humanidade”.

Vocês já se perguntaram por que os profetas ensinaram a doutrina da maternidade — pois ela é uma doutrina — tão repetidamente? (…)

Satanás declarou guerra à maternidade. Ele sabe que a mão que embala o berço pode abalar seu império terreno. E sabe que sem mães dignas, que amem e conduzam a próxima geração, o reino de Deus irá fracassar.

Quando compreendemos a magnitude da maternidade, vemos claramente por que os profetas foram tão zelosos em relação ao papel mais sagrado da mulher.”

| Inspiração
Publicado por: Gabriela Gomes
Gabriela Gomes, é advogada, esposa do Jean, e mãe da Bella e da Liz. É do Rio de Janeiro, Ala Méier, membro da igreja há 16 anos e foi selada no templo de São Paulo em 2014. Serve atualmente como conselheira das Moças em sua ala.
Minha filha nasceu com deficiência múltipla, mas Deus preparou um...
Santa dos últimos dias dá à luz dentro do avião

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *