Não percorremos nossos caminhos sozinhos

Somos estranhos numa terra estranha. Estamos tentando fazer uma viagem através de um território desconhecido com perigos ao longo do caminho.

Esquecemos completamente da nossa preparação com os entes queridos antes de começarmos a viagem. Estamos miseravelmente inconscientes dos anjos que nos acompanham.

Estamos em desacordo com muitos dos nossos companheiros de viagem. Estamos desesperamos para ter paz e triunfo no fim de nosso trabalho.

Mas não tem de ser assim. Na verdade, Deus não quer que seja assim.

Juntos, planejamos toda a viagem antes de começar. A nossa equipe, conhecida como família, fez planos específicos para cuidar uns dos outros.

Fizemos convênios entre nós e Deus. Nossos antepassados, às vezes conhecidos como anjos, estavam empenhados em nos ajudar. Deus forneceria revelações, tanto bíblicas quanto pessoais, para nos guiar.

No entanto, aqui estamos nós, muitas vezes nos sentindo completamente sós. No nosso esquecimento, nos sentimos bastante tristes. No entanto, Deus deu-nos pistas vitais para nos lembrar Dele e do seu glorioso plano:

As escrituras testificam que Deus preside um plano para refinar e redimir. Ele não pretende perder um único filho. Cada um de seus filhos receberá toda a glória que puderem suportar.

Nosso desconforto no mundo presente testemunha que somos estranhos aqui. Ansiamos estar com o Pai em glória. E, depois da nossa excursão educacional, ele irá levar-nos para casa.

Deus deu milhares de dicas e histórias para nos guiar e inspirar. Quando lemos as escrituras com uma lembrança de Sua glória, elas nos tranquilizam.

Deus envia incessantes flashes de luz ou insight através de ideias e inspirações. Ele continua a enviar dicas e encorajamentos.

Todos aqueles que foram antes de nós têm um convênio conosco e estão torcendo por nós. Se prestarmos atenção, podemos aprender com suas vidas, podemos sentir, e quase ouvir, Seus sussurros de encorajamento.

Podemos aprender com todas as pessoas que fizeram esta viagem antes de nós, mas principalmente com aqueles que estamos ligados por convênio. Eles deixaram pistas e marcadores para nós.

Podemos viajar com alegria cantando canções de louvores não apenas para nos lembrar, mas também para encorajar nossos companheiros de viagem.

Podemos ter a certeza de que Aquele que vai atrás de cordeiros perdidos e morreu para abrir o caminho para nós, nunca nos esquecerá. Não importa o quanto nos afastemos, Ele nos encontrará.

O trabalho de história da família é muito mais do que traçar a nossa árvore genealógica. Trata-se de conectar as gerações com os laços, lições e lembranças de todos os amigos com quem estamos ligados.

Trata-se de pôr em vigor o nosso plano pré-terreno. Trata-se de trabalhar em conjunto para levar todos os membros da família de volta à nossa casa celestial e para os braços dos entes queridos, incluindo o nosso Pai amado e o seu Filho Redentor.

“Irmãos, não prosseguiremos em tão grande causa? Ide avante e não para trás. Coragem, irmãos; e avante, avante para a vitória! Regozije-se vosso coração e muito se alegre. Prorrompa a Terra em canto. Entoem os mortos hinos de eterno louvor ao Rei Emanuel, que estabeleceu, antes da fundação do mundo, aquilo que nos permitiria redimi-los de sua prisão; pois os prisioneiros serão libertados.” (D&C 128:22)

Então, como envolvemos os nossos companheiros de convênio em nossa viagem?

1. Estudamos suas vidas, suas descobertas, suas lutas, seus diários e suas lições.

Aprendemos com eles, descobrindo e compartilhando suas histórias, suas lembranças, suas recordações. Fazemos deles parte das nossas vidas. Os amamos, admiramos e agradecemos.

Na nossa família, fazemos isso enchendo a nossa casa com fotos e lembranças dos nossos antepassados. Em qualquer cômodo e em cada canto está um amigo ancestral esperando com um sorriso.

2. Procuramos notar as suas palavras de encorajamento, as suas sutilezas ao longo do caminho.

À medida que conhecer os seus antepassados, você se sentirá conectado com eles. Em tempos difíceis, procurei conselhos de meu sábio e falecido pai. Ele me falou palavras de sabedoria em minha mente.

Em tempos de solidão, procurei a amizade do meu bisavô Ben. Ele tem sido meu companheiro e conselheiro. Em tempos de desânimo, procurei inspiração em meus amados avós. Eles têm sido meus amigos. Aqueles ao nosso lado são muito mais do que as fileiras de qualquer inimigo.

3. Nós os honramos pesquisando suas vidas e realizando ordenanças para eles.

Enquanto cuidam de nós, Deus nos deu esta gloriosa maneira de abençoá-los. Sentimos grande alegria enquanto fazemos as ordenanças do templo para os nossos antepassados.

4. Partilhamos as nossas descobertas e as nossas alegrias com os membros da família.

Ligamos os nossos filhos à sua nobre e rica herança. Nós ligamos seus corações por meio de histórias de bondade e palavras de afeto.

As histórias de nossa família criam as escrituras de nossa família: um registro das interações de Deus com a nossa família em particular. Alegramo-nos com as revelações que expandem a nossa visão do caminho e da eternidade.

5. Aguardamos com alegria a reunião de todos os viajantes mortais enquanto compartilhamos o amor em nossa família.

Aguardamos ansiosamente as histórias que irão partilhar e os laços que nos unem. Estamos ansiosos para nos juntarmos ao Pai Celestial em seu trabalho contínuo de tutoria e redenção de Seus filhos.

O trabalho de história da família não é um trabalho qualquer só para manter idosos fora das ruas. É o núcleo de unir corações uns com os outros e com Deus.

Ao reunirmos os recursos, organizá-los, transformá-los em histórias e encher nossas vidas com conexões com nossos familiares, encontramos mais energia para a viagem.

Há algo que podemos fazer em cada época de nossas vidas, e as recompensas por fazer essas coisas nos abençoarão aqui e na eternidade.

Fonte: Meridian Magazine

| Fortalecendo as Famílias

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *