Conselheira matrimonial santo dos últimos dias fala sobre intimidade no casamento

intimidade

Nos últimos 15 anos, eu tenho aconselhado indivíduos, casais e famílias. Em cada uma destas situações minha vida tem sido grandemente abençoada e me sinto maravilhada com a capacidade de nosso espírito de se curar, crescer, se desenvolver e guiar. Durante esta época, eu tenho observado alguns temas que tem sido expressado repetidamente por indivíduo e casais. Um tema sobre o qual eu gostaria de falar hoje é o tema da intimidade sexual.

Frequentemente, indivíduos compartilharam comigo que suas diferentes perspectivas e expectativas sobre a intimidade sexual levou a discórdia em seus casamentos e suas vidas. Embora eu tenha uma perspectiva clínica bem maior agora, no começo de minha carreira eu não conseguia parar de pensar de onde esta confusão vinha. Como este conceito da intimidade sexual entre um homem e uma mulher se tornou tão bagunçado, apesar de ser doutrinário e fundamental para um casamento forte, belo e eficaz?

o amor

Ensinando minha filha antes de seu casamento

Atualmente, depois de 15 anos ajudando casais a resolverem suas dificuldades sobre intimidade sexual, eu posso dizer que eu tenho uma boa ideia de onde a confusão começa. Esta confusão começa com a falta de comunicação direta, aberta, e honesta sobre o relacionamento sexual apropriado. Em uma cultura baseada na fé nós temos uma grande habilidade em ensinar princípios morais e de onde os bebês vêm, mas nós paramos aí. Talvez estes ensinamentos eram efetivos 50 anos atrás, mas hoje, em um mundo cheio de mensagens mundanas e falsas sobre o sexo, isto não é suficiente.

Como pais, líderes, e famílias, nós precisamos dar um passo a mais. Para ajudar a ilustrar meu ponto, deixe-me compartilhar uma história pessoal onde eu ajudei minha filha e meu genro a se prepararem para as relações íntimas sexuais.

Alguns anos atrás, minha filha maravilhosa estava noiva. Minha filha estava ativa na Igreja, tinha servido uma missão honrosa, e foi ensinada todas as lições morais possíveis em sua juventude. Seguindo sua fé, ela escolheu esperar até o casamento para ter relações sexuais.

Conforme o casamento de Kari se aproximava, eu pensava em todos os meus anos de aconselhamento matrimonial e cheguei à conclusão que eu aconselharia Kari sobre sua intimidade sexual ainda mais assim ela estaria preparada para desfrutar de uma experiência sexual bela e íntima. Então, eu disse a minha filha: “Você e eu vamos ter uma conversa antes de seu casamento, e esta conversa será diferente das outras conversas sobre sexualidade que tivemos nos últimos anos.” Algumas semanas antes de seu casamento, eu a convidei para passar de carro e ir em um jantar. Eu queria ter certeza que ela não escaparia da conversa dizendo: “Ah mãe, eu já sei disso.”

Como sua mãe, uma conselheira matrimonial, e uma mulher madura eu disse a ela:

“Eu sei que você aprecia a moralidade. Eu sei que você entende o que são atos sexuais. Eu sei que você está madura e pronta para se casar. Agora, eu quero que você saiba como abraçar sua sexualidade como uma mulher, como experienciar desejos íntimos sexuais como uma mulher, como permitir que você se sinta como uma mulher durante a intimidade sexual com o seu futuro marido, e a entender o quão maravilhoso é a intimidade sexual entre marido e mulher.

Eu quero que você saiba o quanto os desejos sexuais dentro do casamento são corretos e belos e que uma mulher precisa de relações sexuais tanto quanto um homem. Eu também quero que você saiba que as relações sexuais que você e Ryan terão não serão nada como os filmes, e as vezes irá parecer esquisito, novo, emocionante, confuso e até mesmo apropriadamente erótico. Todos estes sentimentos são corretos dentro dos limites do casamento, e juntos, se vocês estiverem ambos dispostos a explorar o que vocês apreciam durante a intimidade sexual (tanto em atos sexuais quando prazeres sexuais) vocês desenvolverão um vínculo que fortalecerá os alicerces de seu casamento. Este alicerce ajudará você e Ryan a sentirem-se mais próximos um do outro do que qualquer outra forma.”

Bem, eu posso dizer que o rosto de minha filha ficou em diversos tons de vermelho durante nossa conversa. Tenho certeza que sua vermelhidão não foi por causa de sua falta de maturidade e sim do choque de ouvir sua mão falar tão abertamente e diretamente sobre estes tópicos de formas tão pessoais. Depois que acabamos de conversar, eu disse:

“Agora tem outra pessoa que eu preciso conversas que estará envolvida nesta experiência de sua vida.” Tendo conhecido Ryan, seu noivo, eu sabia que havia uma chance muito grande que ninguém conversaria com ele da mesma forma que eu conversei com Kari. Então eu disse: “Eu vou ter uma conversa semelhante com o Ryan.” Tenho certeza que quando Kari comentou com ele sobre o tipo de conversa que eu queria ter ele deve ter pensado “Quem ela pensa que é? Cara, eu espero que ela mude de ideia.” O interessante é que, depois de ter avisado Kari sobre o que eu queria fazer, a presença de Ryan em nosso lar diminuiu drasticamente.

perguntas para fazer antes do casamento

Conversando com o meu futuro genro sobre intimidade sexual

Finalmente, o dia chegou quando Ryan estava em minha casa e não conseguiria escapar. Então, para cativar sua atenção eu disse, “Oi, Ryan, vamos caminha um pouco lá fora.” Ele concordou relutantemente. Eu estou certa que naquele momento ele pensou “Minha nossa, o que esta mulher está planejando?” Durante a caminhada eu disse para Ryan que sexualidade é tão importante para Kari quando é para ele, mas por ser uma mulher, ele buscará engajar em relações íntimas que buscam mais uma conexão emocional do que física. Eu ajudei Ryan a entender que se ele quisesse começar sua relação íntima com um alicerce sólido, a noite de núpcias precisaria ser sobre a Kari.

Eu disse: “Confie em mim Ryan. Você vai se sentir mais pronto do que nunca para a noite de núpcias, mas Kari vai precisar da sua ajuda para se sentir segura, conectada, cuidada e animada. Somente se conseguir fazê-la sentir-se assim você despertará nela qualquer desejo de querer de intimidade sexual. Então eu separei um tempo para explicar a ele a anatomia feminina.

Eu expliquei que uma mulher precisa ser tocada em certas áreas para ajudá-la a chegar ao clímax e que ele precisava estar confortável em perguntar a Kari o que ela gostou ou não e se ela está confortável para tentar juntos. Eu também o ajudei a entender que a intimidade sexual é um processo de aprendizado e que ele e Kari precisariam respeitar um ao outro e aprender juntos. Eu também deixei bem claro que ele nunca deveria forçá-la a fazer nada na cama que ela não estivesse confortável em fazer, e vice e versa. Tendo dito isso eu acrescentei: “Mas vocês dois precisam estar dispostos a explorar seu relacionamento sexual.”

Para concluir, eu expliquei que pornografia nunca será apropriado no quarto de um casal. Eu também acrescentei, “Ryan, se você já viu pornografia alguma vez, você precisa saber que o que foi mostrado não é o correto entre os filhos do Pai Celestial e é degradante para as mulheres e para você.” Ryan concordou e disse que ele nunca tinha visto pornografia, e eu me senti grata por isso.

Ryan, assim como Kari, ficou em mais tons de vermelho do que eu podia contar, e eu estou certa que ele estava tentando descobrir como fugir daquela situação cada vez que eu parava para recompor meus pensamentos. Sorte minha, ele nunca encontrou uma maneira de fugir. Nós terminamos nossa conversa e Ryan rapidamente foi encontrar Kari, provavelmente para contar para ela que sua mãe estava ficando doida, de uma maneira bem-educada.

Depois de sua lua de mel, Ryan me agradeceu pela conversa que eu tive com ele e disse que foi um dos melhores presentes que eu poderia tê-lo dado. Hoje, Kari e Ryan tem um relacionamento íntimo muito positivo.

Ensinando os jovens mais do que moralidade

Nós fazemos um ótimo trabalhar para ajudar os jovens a entender princípios morais. No mundo de hoje, entretanto, ensinar princípios morais não é o suficiente. Hoje, nós também precisamos ensinar nossos jovens de acordo com sua idade, sobre a sexualidade prematura, sobre como a sexualidade prematura pode mudar a intimidade para eles, como pornografia afeta a habilidade de se conectar no casamento, e o mais importante, precisamos ajudar os jovens adultos que estão próximos de se casar sobre sexualidade pessoal, necessidade sexuais, sentimentos sexuais, deles e de seus cônjuges.

Precisamos ajudar as mulheres a entender que a intimidade sexual é tão importante para elas quanto é para os homens, e precisamos ajudar os homens a entender como ajudar sua esposa a sentir-se segura e desejosa de participar em intimidade sexual.

A intimidade sexual é um princípio eterno, e um que deve ser um belo processo de aprendizado nessa vida e uma jornada na exaltação. Da mesma forma que dedicamos tempo para diversos conceitos do evangelho como professores e alunos, que possamos ter uma comunicação aberta e honesta com nossos jovens e cônjuges sobre intimidade sexual.

Fonte: LDSLiving

Relacionado:

Carta aos jovens mórmons sobre sexo e o que eles precisam entender

| Fortalecendo as Famílias

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *