20 dicas para ajudar os jovens durante os “períodos difíceis” da adolescência

Ah a adolescência! As espinhas. As mudanças na voz. As mudanças no corpo.

Hoje em dia, nossos pré-adolescentes e adolescentes enfrentam os mesmos problemas e inseguranças que nós enfrentamos quando passamos por essa fase.

Seguem abaixo, 20 dicas para ajudar os seus filhos durante a etapa mais difícil da adolescência.

  1. O que eles sentem é real para eles.

É difícil de acreditar que as emoções dos seus filhos são reais? Sim, mas acredite. Elas são!

Laura Walker, uma professora da Universidade Brigham Young compartilhou:

“Os pais podem pensar que seus filhos adolescentes já sentiram quase todas as emoções desse mundo. No entanto, uma pesquisa sugere que adolescentes não experimentam mais emoções do que os adultos, porém as experimentam de maneiras mais extremas. Então, para um adulto pode parecer um grande drama, mas na verdade é muito real para o adolescente, e os pais não devem ignorar esses sentimentos. ”

  1. Lembrem-se que eles ainda estão desenvolvendo suas habilidades de raciocínio.

Vocês sabiam que a parte do cérebro responsável pelo raciocínio não se desenvolve totalmente até termos 25 anos?

O Dr. Keven R. Downs, um assistente social clínico afirma que:

“Adolescente sentem tudo o que nós adultos sentimos – amor, felicidade, tristeza, ansiedade, estresse. Mas eles não têm a habilidade lógica de lidar com todos esses sentimentos. Compare com o seguro de um carro: é mais caro quando você tem 18 anos e o custo cai drasticamente quando você completa 25. E isto acontece porque aos 18 anos, os jovens dirigem pela emoção, não pela lógica. Estou te falando – as empresas de seguro entendem do que fazem. ”

  1. Ajudem-os a trabalhar com as emoções e confusões.

Uma vez que vocês reconhecem os sentimentos, saibam o que esperar.

“Essas mudanças são físicas, hormonais e sociais – e elas acontecem todas ao mesmo tempo. Disse o Dr. Downs. “Seus filhos podem ter emoções que não entendem por se sentirem deslocados, por estarem com baixa autoestima, ou por ansiedade. ”

Mas qual é a emoção mais comum? A confusão.

O terapeuta familiar Dr.Triston Morgan diz:

“Eles não têm ideia do que está acontecendo. Tudo o que sabem é que estão desconfortáveis, e não gostam de se sentir assim.”

  1. Aceite o seu filho como ele é agora.

Qual é o maior problema dessa afirmação? Vê-la como um problema.

O Dr. Morgan diz:

“Faz parte da vida. Aceitem quem eles são e aceitem os problemas deles. Deem espaço a eles, deem tempo para que eles cresçam, desenvolvam e amadureçam. Não tentem força-los. Só sigam junto com eles. ”

  1. Desenvolvam paciência.

A Dr. Walker afirma:

“Paciência, paciência, paciência. Adolescentes não gostam de ser padronizados ou de não serem levados a sério, mesmo que às vezes de vontade de rir deles por causa de suas respostas emocionais.”

E se for difícil desenvolver paciência, lembrem-se de que não somos tão diferentes de nossos filhos.

A Dr. Walker continua:

“Isto me ajuda a relembrar que o Senhor provavelmente tem uma resposta similar as nossas angústias. No entanto, Ele sempre responde com amor e paciência.”

  1. Conversem com os seus filhos e façam perguntas francas.

Querem saber pelo que seus filhos estão passando? Perguntem a eles!

A Dr. Walker diz que:

“A melhor coisa que os pais podem fazer é encorajar seus filhos adolescentes a falar sobre suas emoções e expressá-las de maneira saudável. Também tente não exagerar. Se o seu filho te confidencia algo e você responde de maneira excessiva, existe uma grande chance de que essa será a última vez que ele te conta algo. ”

  1. Ajudem seus filhos a se sentirem seguros.

Se seu filho vai conversar com você, sua casa precisa ser onde o seu coração está.

A Dr. Walker aconselha:

“Façam de sua casa um porto seguro. É importante não sermos falso e excessivos em nossos elogios, os adolescentes percebem a diferença. Porém, é fundamental que eles saibam que quando chegarem em casa, serão amados e aceitos.”

  1. Escutem e validem os sentimentos.

É importante lembrar que vocês não serão capazes de “consertar” o que os seus filhos estão passando. “Simplesmente escutem e validem os sentimentos de seus filhos. Demonstrem empatia. Muitas vezes os filhos precisam sentir que seus pais os ouvem” afirma o Dr. Downs.

  1. Compartilhem suas próprias experiências.

Mesmo que para eles seja impossível vocês já terem passado pela adolescência, contem para seus filhos histórias sobre os seus próprios “períodos difíceis” em sua adolescência.

O Dr. Downs afirma:

“Os pais precisam compartilhar com seus filhos as próprias experiências que tiveram durante a adolescência. Ao descobrirem que vocês já tiverem problemas quando eram adolescentes e hoje estão felizes, eles entenderão que os problemas são temporários. ”

  1. Usem as palavras com cuidado.

Se os seus filhos estão tendo problemas com a aparência física, tomem cuidado com as palavras. Adolescentes são especialistas em se sentirem ofendidos.

“É incrível como os adolescentes se lembrarão de comentários negativos sobre aparência. Tenho alunos que se lembram de comentários de feitos por seus pais a 10 anos atrás!” diz Walker. E se vocês estão sempre falando sobre a aparência de outras pessoas, seus filhos não vão demorar para pensar o que vocês diriam sobre eles.”

  1. Sejam sensíveis com as características físicas de seus filhos.

Quando se tratar do peso de seus filhos, sejam mais do que cuidadosos com o jeito que falam sobre o assunto.

“Palavras ofensivas sobre o ganho de peso não farão nenhum favor a seus filhos. Eles podem se apegar a esses comentários por anos e isto pode afetar como se sentem com relação ao próprio corpo,” diz Downs. “É claro que quando envolve problemas de saúde, não é algo que se deve ser ignorado. Mas a maneira como vocês falam com seus filhos sobre o assunto precisa ser pensada, preparada e feita com cuidado.”

  1. Evitem comparações.

Não comparem seus filhos com os irmãos ou amigos.

O Dr. Downs afirma:

“Não fazer comparações é a melhor coisa que vocês fazem. Os seus filhos levarão essas comparações muito a sério e de maneira negativa. ”

  1. Enfatizem o que é positivo.

“Você ganha no que você foca” afirma Downs. “Colocar o foco no comportamento negativo de um adolescente os fará enxergar mais negatividade. Coloquem o foco no que é positivo e terão mais positividade. ”

Façam seus filhos reconhecerem seus dons e talentos.

“Peçam que seus filhos nomeiem seus pontos mais fortes. Peçam a eles que falem sobre o que os amigos gostam sobre eles,” diz Downs. “Quando esses traços são ditos em voz alta, eles têm mais impacto. É como prestar um testemunho – quando você fala pela primeira vez, começa a acreditar.”

  1. Os ajudem a entender que o mundo é maior do que os problemas deles.

O mundo não gira em torno de nossos filhos – entender isso, poderia ajuda-los a relaxar.

“Todos nós focamos mais em nossas falhas do que os outros, então ajude seus filhos a se perguntarem se eles notam os outros mais do que a si mesmos, ” diz Walker. “Uma vez que eles percebem que não se lembram o que a outra pessoa vestiu ontem, eles passam a perceber que os outros não estão tão focados neles como pensavam.”

  1. Conheça os amigos de seus filhos.

Vocês conhecem os amigos de seus filhos? Se não, larguem tudo e descubram quem eles são! “Jovens se espelham em seus amigos, então é imperativo que tenham um bom grupo de amigos, ” diz Morgan. “De muitas maneiras, esses amigos irão ajuda-los a cuidar de seus filhos.

  1. Perguntem sobre os amigos de seus filhos.

Depois que s conhecem os amigos de seus filhos, perguntem sobre eles. Seus filhos podem não falar sobre os problemas que enfrentam, mas podem estar mais dispostos a falar sobre os problemas dos amigos. E muito provavelmente eles estarão passando pelas mesmas coisas.

Às vezes, a maneira como os seus filhos falam sobre os amigos, revelam suas próprias inseguranças.

  1. Escolham as suas batalhas.

Sejam cuidadosos ao escolherem suas batalhas.

“Muitas vezes vejo pais brigando por causa de vestimenta ou estilo de cabelo,” diz Downs. “Se seus filhos estão se vestindo de uma certa maneira – que se adéqua aos padrões e valores de sua família – não chamem mais atenção para o assunto. Se não, ambos se frustrarão e não terão progresso. ”

  1. Saibam que vocês podem fazer a diferença.

Às vezes vocês se sentirão impotentes – e é assim mesmo. Mas não duvidem que podem fazer a diferença.

O maior equívoco sobre essas mudanças de humor e hormônios é pensar que não há nada que se possa fazer, “ diz Morgan. “Não é verdade. Causem impacto na vida deles através de boas experiências. Deem ênfase a isto.”

  1. Não levem para o lado pessoal.

Qual é o maior conselho para os pais? Não levem para o lado pessoal.

Morgan diz que:

“Esses jovens estão começando a se definir em seus contextos sociais, que não incluem somente a família, o que é um pouco chocante para os pais. É um sentimento de perda. Eles passam de querer aprovação e atenção dos pais para querer a aprovação dos amigos. Mas isso faz parte da vida. O maior erro que vocês podem cometer e levar para o lado pessoal.”

  1. Aproveitem o tempo juntos.

Apesar do nome a fase de ‘períodos difíceis’ pode ser um momento bom para os filhos e para os pais.

Downs diz que:

“É uma fase engraçada porque é o momento em que os filhos começam a fortalecer suas personalidades. Eles começam a notar o sexo oposto de maneira diferente, começam a descobrir no que acreditam. E muitos adolescentes se divertem com isso. Podem haver dificuldades e sentimentos incontroláveis de vergonha, mas eles são resilientes. E eles atravessam melhor essa fase quando vocês os ajudam a se apegarem as suas crenças e valores individuais. ”

Fonte: LDSLiving

Relacionado:

Os perigos do uso de metáforas ao ensinar os jovens sobre sexualidade

| Fortalecendo as Famílias

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *