Quando um testemunha de Jeová tentou converter missionárias santos dos últimos dias

perguntas para os missionários

O relato a seguir é um trecho do livro Converted. No livro, Lee Nobleman detalha sua exposição à religião em seus anos quando era mais jovens, foi criado como membro da igreja episcopal, frequentava uma escola católica particular e aprendia com parentes judeus, bem como a história de como ele se tornou testemunha de Jeová.

Uma tarde ouvi uma batida na porta da frente. Quando abri, vi um par de missionários santos dos últimos dias com um sorriso grande no rosto parados ali. Convidei-os para entrar, mas não era o que chamaria de reunião cordial. Eles ensinaram, e eu firmemente refutei seus ensinamentos. Eles partiram, e nunca mais retornaram. Refletindo agora, sinto-me mal pelo que aconteceu. Mas eles haviam batido na porta de uma testemunha comprometida. Eu certamente não ia perder uma oportunidade de ensinar e testemunhar aos meus jovens, amigos mal informados.

Alguns meses depois, ouvi outra batida na porta. Desta vez fui saudado por missionárias, em vez de missionários. Descobri que eu morava em um apartamento que aparentemente tinha sido anteriormente ocupado por uma família de santos dos últimos dias menos ativa, e as missionárias estavam procurando por eles. Daí as duas visitas em uma janela tão curta de tempo.

Como aconteceu com os élderes, eu convidei as missionárias para entrar. Acho que fui um pouco mais comportado na segunda vez. Mais uma vez, nós conversamos, argumentamos e fomos em grande parte improdutivos. No entanto, elas voltaram e nós nos tornamos amigos. E, com o tempo, desenvolvi respeito pelos missionários e também pelos membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. E, mesmo que eu achasse que o seu conhecimento da Bíblia fosse muito carente, eu não poderia negar a bondade das pessoas que eu tinha conhecido.

Tenho que admitir que passei meses recebendo-as em minha casa discutindo sua religião, não porque eu estava procurando algo que eu sentia que estava faltando, mas realmente por duas outras razões. Primeiro, eu pensava que eu poderia convertê-las (claramente, elas estavam pensando a mesma coisa sobre mim!) Em segundo lugar, a literatura testemunha de Jeová muitas vezes fornece informações para seus membros sobre outras religiões; mas não havia quase nada na literatura sobre os “Mórmons”. Isso me pareceu estranho — muito estranho — e por isso fiquei curioso em saber um pouco mais sobre o que os santos dos últimos dias acreditam.

Quando um desafio a ser batizado se transformou em um fiasco

Você costuma ouvir de missionários que desafiam seus pesquisadores a serem batizados na primeira vez que se encontram. Esta não foi a abordagem que as missionárias usaram comigo. Pelo contrário, levaram as coisas muito lentamente. Nós mudamos metodicamente de uma lição para a próxima, e eu concordei com muito pouco do que elas compartilharam. Depois de meses ensinando e eu discordando, uma das missionárias me perguntou se eu “seguiria o exemplo de Jesus sendo batizado”. Eu caí na gargalhada porque a pergunta era absurda. Tão absurda, que pensei que fosse uma piada! Fiquei rindo por algum tempo até que eu percebi que eu era o único rindo. A Sister Bonny, que tinha feito a pergunta, estava chorando abertamente.

Eu rapidamente me desculpei e disse às irmãs que, embora eu as respeitasse muito, depois de falar com elas durante meses eu estava mais certo do que nunca que eu tinha a verdade. Seus esforços para me ensinar só me convenceram mais que minha igreja era verdadeira e a delas não era. Além disso, como eu poderia ser batizado quando não concordávamos em nada! A Sister Bonny pediu desculpa e correu para o banheiro. Sua companheira rapidamente seguiu depois, mas primeiro teve tempo para me dizer que eu era um “idiota”. Embora houvesse muito pouco que as irmãs haviam me ensinado que eu poderia concordar, infelizmente, elas estavam certas sobre isso, eu era um idiota!

Quando senti o Espírito pela primeira vez

Depois do que parecia ser uma eternidade, as duas missionárias saíram do banheiro, reuniram suas coisas e se prepararam para sair. Mas antes de partir, a Sister Bonny virou-se para mim e prestou testemunho. Sua companheira fez a mesma coisa. Eu estava absolutamente sobrecarregado! Eu tinha sido ativo na fé testemunha por cerca de 12 anos, mas posso dizer honestamente que aquela foi a primeira vez que me lembro de sentir o Espírito.

Veio com tal poder e certeza que eu não poderia negá-lo. Na verdade, eu estava maravilhado com a força e a certeza do testemunho das missionárias. E ainda, como essas moças poderiam ter tanta certeza quando lutavam tanto para sustentar da Bíblia a mais básica das doutrinas do santo dos últimos dias? Não fazia sentido para mim. E ainda, curiosamente, eu não tinha mais certeza de que eu tinha todas as respostas. Trinta minutos atrás eu sabia que eu estava certo e que elas estavam totalmente erradas. Agora eu estava na frente de meninas de 22 anos de idade, e eu sabia que elas sabiam mais do que eu.

Encontrar a humildade para finalmente escutar

As missionárias pegaram suas coisas e partiram; e eu imediatamente me encontrei fazendo uma séria busca de almas. Quantas coisas eu tinha demitido que eu agora precisava voltar e, pela primeira vez, sinceramente ouvir e considerar? Quantas coisas minha arrogância me impediu de ouvir? À medida que os pensamentos inundaram minha mente, eu tive que confessar que a Igreja, como uma religião internacional, estava ansiosamente engajada em trazer a verdade do evangelho a qualquer um que estivesse disposto a escutar. (Como testemunha, isso era algo de primordial importância para mim — e algo que eu em grande parte assumi que ninguém além das testemunhas estava fazendo.)

De repente, percebi que a mensagem dos santos dos últimos dias estava unida e clara — algo que a maioria das denominações cristãs não podia reivindicar. E, mais importante, as pessoas correspondiam a sua mensagem. Eles foram a epítome da descrição que Cristo deu de Seus fiéis seguidores. De repente eu sabia que precisava saber mais. Eu percebi que eu precisava calar a boca e ouvir; eu precisava realmente tentar entender o que elas estavam ensinando, em vez de apenas tentar refutar cada coisinha que elas diziam. Liguei para as irmãs e convidei-as de volta, perguntando se podíamos recomeçar. E nós assim fizemos.

Começamos do zero. Elas me ensinaram o que haviam me ensinado antes, mas eu realmente ouvia  desta vez não só com os ouvidos, mas também com o coração. Muitos meses se passaram, e eu finalmente entrei para A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Eu tenho que admitir, eu não queria. Suponho que a parte teimosa de mim ainda não quisesse reconhecer que por tantos anos eu acreditava em algo que não era verdade — e ensinei essa visão imprecisa do evangelho a muitas, muitas pessoas. Então eu lutei para me humilhar suficientemente para querer ser batizado, mas eu fiz isso por obediência ao meu Pai.

Minha vida antes e depois de minha conversão

Ao olhar para trás em minha vida antes de minha conversão para A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, sinto-me muito como Paulo deve ter se sentido na estrada para Damasco, determinado e certo até cego com pureza quase esmagadora. Para Paulo, essa pureza veio na forma do Senhor ressuscitado, mas para mim, ela veio na forma de um testemunho prestado por duas filhas valentes de nosso Deus.

Fonte: LDSLiving

Relacionado:

O que adoro sobre os católicos, batistas, testemunhas de Jeová, cientologistas e budistas

| Entretenimento

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *