9 de novembro de 1989, o dia em que o muro de Berlim caiu, tem um lugar especial no coração das pessoas em todo o mundo. E é um dia em que o Élder Dieter F. Uchtdorf sempre comemora, já que possui um pedaço do Muro de Berlim que está em seu escritório, de acordo com um post do Facebook do membro do Quórum dos Doze Apóstolos no sábado. É um dia para lembrar algo que ele chama de “grande milagre”.” Este ano, 9 de novembro marca o 30º aniversário da queda do Muro de Berlim.

O muro de Berlim significava que “os santos dos últimos dias sofreram por décadas porque sua fé era vista como americana. A Stasi, a polícia secreta da Alemanha Oriental, infiltrava-se nas reuniões e seguia os líderes mórmons, incluindo em visitas do Presidente David O. McKay e do futuro presidente da Igreja, Thomas S. Monson,” de acordo com o que escreveu Tad Walch para o Deseret.com em 2014. “Alguns deixaram a Igreja a mando do governo, do contrário, não poderiam ir para a faculdade, encontrar um emprego melhor, ou obter um apartamento ou carro. Os mantimentos da igreja eram escassos.”

Apesar destas dificuldades, houve também alguns milagres mesmo com a existência muro, incluindo a construção do Templo de Freiberg Alemanha e a concessão de missionários para a Alemanha Oriental em 1988, o que levou a 650 batismos no primeiro ano da existência da missão da Alemanha de Dresden.

Mas em 9 de novembro de 1989, no meio da Guerra Fria, o muro caiu inesperadamente e de repente. Embora o evento tenha sido celebrado, levou tempo (11 meses) para a Alemanha Oriental e Ocidental chegarem a um acordo sobre a unidade, que aconteceu em 3 de outubro de 1990. Assim, no dia 3 de outubro, a Alemanha comemora o “Dia da Unidade”, de acordo com o post de Elder Uchtdorf no Facebook.

“Desde o Dia da Unidade, estive ponderando sobre a unidade”, escreveu ele. “Lembro-me de 1989, quando as pessoas de cada lado do muro começaram a se encontrarem. Tínhamos sonhos, anseios e esperanças semelhantes para as nossas vidas. Claro que também tínhamos as nossas diferenças, mas os nossos valores intrínsecos e objetivos eram semelhantes. Encontramos formas de nos concentrarmos nas semelhanças que tínhamos em vez das diferenças.”

Em seu post, Elder Uchtdorf explica que temos uma necessidade deste tipo de unidade em nossos relacionamentos agora, relacionamentos que podem ter paredes figurativas em torno deles. O Salvador nos ensina a derrubar estas paredes.

“Tentamos ser mais complacentes, mais gentis, mais compreensivos, mais solidários uns com os outros”, escreve Elder Uchtdorf. “Se cometemos erros (e com certeza vamos errar), temos o dom do arrependimento para corrigir nossos relacionamentos pessoais e nosso relacionamento com Deus. Lembre-se, por causa do sacrifício do Salvador podemos experimentar o milagre da unidade em todos os relacionamentos que temos nesta vida.”

Fonte: LDS Living