Terapeuta responde: Por que certos desafios persistem?

Recebi recentemente um e-mail de um amigo à procura de conselhos. Ele relatou como ele foi diagnosticado com depressão severa por várias décadas. Ao longo desse tempo, ele foi a aconselhamentos, leu livros de autoajuda, tomou medicação antidepressiva, e fez o seu melhor para manter seus convênios.

Mesmo assim,  seus sentimentos de depressão nunca foram completamente resolvidos ou diminuíram. Então, há cerca de cinco anos, ele foi diagnosticado com uma doença crónica no sistema nervoso que aumentou seu sofrimento e diminuiu sua esperança.

Embora todos os dias ele tente seguir em frente com fé e gratidão, fica cada vez mais difícil à medida que sua situação se deteriora. Tenho empatia por sua situação. Pensando em seu caso, percebi que ele não estava sozinho.

Conheço pessoalmente muitos indivíduos que sofrem com problemas persistentes. Apesar dos seus melhores esforços, não são capazes de superar plenamente os seus desafios.

Ao refletir sobre uma experiência pessoal, tive mais certeza desse conceito. Há alguns anos, sofri uma lesão debilitante nas costas. Foi tão grave que houve momentos em que eu não podia andar sem a ajuda de uma bengala.

Por meio de terapias dolorosas, consegui me recuperar completamente em cerca de dois meses. No entanto, tenho uma amiga que tem uma lesão nas costas semelhante à que eu tinha. O estado dela tem-se prolongado durante anos. Ela passou por várias cirurgias que não trouxeram alívio suficiente.

Por causa de sua dor crônica, ela tem sido incapaz de trabalhar em sua profissão e conta com a ajuda do governo. Ela é fiel, gentil e anseia por servir quando puder.

Por que a minha lesão foi curada enquanto a condição dela persiste? Pode-se argumentar que esta situação é inerentemente injusta. Eu tenderia a concordar.

Justiça contra Misericórdia

No mundo de hoje, é fácil acreditar que estamos em uma situação de injustiça. Somos regularmente expostos às vidas artificialmente aperfeiçoadas nas redes sociais.

Vemos a maioria de seus sucessos e felicidade, enquanto sabemos muito pouco sobre seus desafios. Em contraste, nós enfrentamos nossos próprios fracassos e fraqueza em comparação às circunstâncias de nossos amigos.

Isto pode levar a uma visão distorcida das coisas, levando-nos a sentir que os outros são injustamente abençoados enquanto somos injustamente sobrecarregados. Outras vezes, não há qualquer distorção, e as nossas situações são simplesmente piores do que as dos outros.

Alguns desfrutam de segurança financeira enquanto vivemos de salário em salário. Alguns têm uma saúde muito boa enquanto sofremos de condições crônicas. É muito fácil olhar para estas circunstâncias e reclamar que não é justo.

Ao considerar a suas situações em relação aos outros, ouço muitas vezes as pessoas dizerem “eu só quero que as coisas sejam justas”. Só quero o que mereço.” A última coisa que queremos é o que merecemos.

Conseguir o que merecemos é a essência da Justiça. A justiça é inflexível e é sempre paga. Se a justiça fosse a regra dominante, só teríamos direito ao que ganhamos e seríamos obrigados a satisfazer todas as dívidas em que incorremos.

Na nossa fraqueza, os nossos miseráveis esforços renderiam muito pouco. Nós também empilharíamos dívida após dívida através do pecado e outras escolhas pobres.

“Obter o que merecemos” resultaria numa vida de sofrimento, morte sem ressurreição, e uma última remessa para a perdição eterna.

O Salvador, na Sua misericórdia, interveio por nós. Através da sua magnífica Expiação, Ele pagou todas as nossas dívidas. Ele satisfez plenamente as exigências da Justiça, para que a misericórdia pudesse prevalecer. Podemos ter o que não merecemos.

Recebemos abundantes bênçãos por simples atos de obediência. Seremos ressuscitados, apesar da nossa incapacidade absoluta de merecer ou fazer isto sozinhos.

A misericórdia é a antítese da Justiça. É completamente injusta.

Não era justo para Jesus Cristo pagar um custo incalculável por uma dívida que nunca foi Sua. Não é justo para Ele compartilhar livremente o que comprou por um preço tão caro. Não é justo. É misericordioso.

O fardo é a bênção

Quando se trata de nossos fardos pessoais, em Sua misericórdia, nosso Pai amoroso e Seu Filho Amado permitem que as nossas provações continuem. Eles entendem o propósito desta vida, o crescimento que precisamos ter e a natureza essencial da adversidade neste processo.

Esse foi o plano desde o início: “E estava entre eles um que era semelhante a Deus; e ele disse aos que se achavam com ele: Desceremos, pois há espaço lá, e tomaremos destes materiais, e faremos uma terra onde estes possam habitar; E assim os provaremos para ver se farão todas as coisas que o Senhor seu Deus lhes ordenar” (Abraão 3:24-25).

Ser “provado” é ser testado. Os testes são tão eficazes quanto rigorosos. Nosso Pai no céu poderia escolher dar apenas testes fáceis, onde pouco esforço resultaria em marcas de passagem. Mas o que isso provaria?

As provações acontecem quando nos deparamos com desafios consideráveis. Quanto maior for o desafio, maior será o esforço necessário para vencer.

Quando alguém consegue enfrentar a verdadeira dificuldade, isso constrói o caráter e revela a verdadeira natureza de seu comprometimento.

O Élder David A. Bednar contou uma vez sobre um amigo que comprou uma caminhonete de tração de quatro rodas. O amigo foi com sua caminhonete até uma área com muita neve para cortar lenha.

Ao chegar ao seu destino, a caminhonete  ficou preso na neve profunda e não se movia. Ele pensou que podia fazer algo sobre a caminhonete depois, por isso cortou a madeira como planeado e encheu a caminhonete com a carga pesada.

Após terminar, ele deu partida sua caminhonete novamente para ver se ele iria sair do lugar. Ele descobriu que com o peso adicional da lenha, a caminhonete tinha uma nova tração (força) e foi capaz de sair da neve e voltar para casa.

O Élder Bednar observou que sem o aumento da carga, seu amigo teria ficado preso. Da mesma forma, nossos desafios na vida nos dão a oportunidade de provar a nós mesmos, ganhar força, e tornar-se mais como o Salvador à medida que seguimos nossa vida.

Alívio para nossos fardos

Claro que o nosso Pai Celestial pode aliviar qualquer um dos nossos fardos a qualquer momento. Não acredito que Ele se sinta feliz ao nos ver sofrer, mas Ele sabe que o fardo fornece o peso necessário para permitir o progresso.

Ao falar do sofrimento do Salvador, Isaías escreveu eloquentemente: “Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. Porém ele foi ferido pelas nossas transgressões, e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados… Porém ao Senhor agradou moê-lo” (Isaías 53:4-5, 10).

Agradou ao Senhor tê-lo machucado. Acho que isso significa que o nosso Pai Celestial sabia as bênçãos que viriam de tal sofrimento. Ele conhecia o número incontável de seus filhos que seriam redimidos através daquela terrível provação.

Quando o Salvador, lamentavelmente, disse: “Aba, Pai, todas as coisas te são possíveis; afasta de mim este cálice; porém não seja o que eu quero, mas o que tu queres.” (Marcos 14:36), imagino que o Pai Celestial queria nada mais do que intervir, salvar o Seu Unigênito, e poupá-Lo de uma dor tão terrível.

Contudo, sabendo o benefício que aquilo traria, Ele suportou. O Salvador também resistiu, e todos nós nos tornamos os beneficiários não-merecedores deste evento incrível.

Acredito que uma situação semelhante se desenrola regularmente na vida de todos os que lidam com suas dificuldades. Cada um de nós carrega uma espécie de fardo crónico. Todos pedimos alívio.

Nosso Deus misericordioso envia conforto e apoio, mas na maioria das vezes Ele não alivia o fardo. Ele conhece as bênçãos que virão do julgamento. Ele conhece o crescimento que adquirimos à medida que persistimos fielmente.

Ele sabe que alcançar “à medida da estatura completa de Cristo” (Efésios 4:13) requer muitas das mesmas coisas que o próprio Salvador fez para se tornar como Ele é. Requer esforço, sofrimento, fé, persistência e confiança implacável em tempos de dificuldade.

Por causa disso, o Senhor nem sempre alivia nossos fardos. Acredito sinceramente que, num dia próximo, iremos refletir sobre as nossas provações e tribulações com enorme gratidão.

Quando pudermos vê-las como veículos que nos levaram a resultados surpreendentes, nos perguntaremos por que nunca duvidamos. O fardo é a bênção.

Que Deus o abençoe a medida que procurar entender a natureza e o propósito de seus fardos e desafios. Que você os veja como bênçãos para te ajudar a seguir em frente.

Que você ganhe força à medida que os puxa e os empurra sobre um terreno acidentado, sempre com os olhos fitos em sua terra prometida. Que todos nós tenhamos a experiência final, prevista por C. S. Lewis, “[Mortais] digamos de algum sofrimento temporal, ‘nenhuma felicidade futura pode compensá-la’, não sabendo que o céu, uma vez alcançado, trabalhará para trás e transformará mesmo essa agonia em glória. Os Bem-aventurados dirão: ‘nunca vivemos em lugar algum, a não ser no céu.'”

Fonte: LDS Living

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *