Terapeuta responde: Ansiedade e depressão não são pecados (mas o arrependimento ainda ajuda)

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias forneceu recursos maravilhosos sobre a saúde mental nos últimos anos. Existe até uma seção inteira sobre saúde mental na Biblioteca do Evangelho e no site da Igreja. O conteúdo é excelente e encorajo você a dar uma olhada.

Os desafios relacionados à saúde mental variam bastante, mas entre os mais comuns estão a ansiedade e a depressão. Imagino que qualquer pessoa que esteja lendo este artigo provavelmente já sofreu ansiedade ou depressão ou conhece alguém que passou por esses desafios.

Os profissionais estimam que quase um em cada cinco indivíduos sofre de ansiedade, com a depressão afetando quase 7% da população adulta. Esses dados são consistentes com a minha experiência como psicólogo. Eu entrevistei milhares de pessoas durante toda a minha carreira, e a ansiedade e a depressão estão entre os desafios mais frequentes relacionados à saúde mental.

Uma das declarações do valioso material sobre saúde mental da Igreja que desejo explorar um pouco mais é a seguinte: “Não devemos pressupor instantaneamente que os desafios de saúde emocional sejam diretamente causados pelo pecado, ou que sejam uma fraqueza de caráter.” Esse é um conceito verdadeiro. Essa declaração indica que não devemos considerar que os problemas de saúde mental são causados diretamente pelo pecado.

“Diretamente” é uma palavra importante nesta frase. Se alguém está se envolvendo propositalmente em uma atividade ilegal e está sentindo ansiedade pela possibilidade de ser descoberto, o comportamento pecaminoso contribui diretamente para um problema de saúde mental. Mas na vasta maioria dos casos, a desobediência intencional dos mandamentos não é a causa. Então, o que causa sentimentos como ansiedade e depressão? Na maioria dos casos, essas emoções são produto do nosso pensamento.

Um exemplo das escrituras

Nos capítulos da guerra do Livro de Mórmon, há uma conversa tensa, por carta, entre Morôni, capitão dos exércitos nefitas, e Paorã, juiz supremo dos nefitas. O Capitão Morôni ficou desanimado porque os líderes nefitas não enviaram reforços para o seu exército que se tornava cada vez menor. No que parece ser uma explosão de raiva, Morôni escreve uma epístola bem direta a Paorã, na qual o acusa de negligência e imprudência.

Como diz a carta, Morôni achou que os líderes eram cúmplices dos lamanitas ou não tinham noção de como lutar uma guerra. Esta linha de pensamento o levou a ficar muito irritado, e como resultado, escreveu a carta cheia de críticas a Paorã, que é encontrada no capítulo 60 de Alma. Morôni ameaça a vida de Paorã e promete golpeá-lo o com a espada se ele não responder, enviando auxílio. Essa foi uma ameaça séria.

Que Morôni não sabia era que tinha havido uma insurreição em Zaraenla, fazendo com que Paorã fosse removido do poder. Paorã respondeu à carta de Morôni, informando o de sua situação e pedindo sua ajuda. Uma vez que Morôni recebeu a mensagem de Paorã, seus sentimentos mudaram imediatamente.

Em um momento, Morôni estava totalmente enfurecido e pronto para tirar a vida de Paorã em defesa da liberdade, agora era alguém que apoiava Paorã e que corria para ajudá-lo. O que foi que mudou os sentimentos de Morôni? Foi uma mudança em seu pensamento e em suas percepções. Seus pensamentos inicialmente moldaram Paorã como um vilão e digno de ser confrontado, e posteriormente perceberam que Paorã era um fiel amigo que precisava de sua ajuda.

Assim como os pensamentos de Morôni mudaram a medida que ele alinhou sua opinião e compreensão com a verdade, nós mudamos a maneira que pensamos, podemos mudar a maneira que sentimos sobre as coisas, incluindo assuntos relacionados com nossa saúde mental. Com isso em mente, os pensamentos que contribuem para a ansiedade e à depressão não são tipicamente relacionados ao pecado.

Não é pecado pensar que você é inútil, mesmo que seus pensamentos estejam o conduzindo aos sentimentos de depressão. Não é pecado acreditar que uma loja cheia de gente é perigosa mesmo que isso esteja contribuindo para mais sentimentos de ansiedade e pânico. Mas mesmo se estes pensamentos não forem pecados, não são também corretos.

Você não é inútil. Você é um filho de Deus com valor infinito e incontestável. E geralmente, as lojas cheias de gente não são exatamente perigosas – a maioria das pessoas conseguem terminar suas compras sem ter nenhum problema. À medida que ajustarmos nosso pensamento para ser mais consistente com a realidade e as verdades restauradas do evangelho, experimentaremos menos aflição emocional.

O Papel do Arrependimento

Se a ansiedade e a depressão não forem mesmo pecados, o arrependimento contribui ao lidar com determinados assuntos relacionados com nossa saúde mental? Bem, se esses assuntos e sentimentos forem o produto do comportamento pecaminoso, então a resposta está clara.

Se você for um Santo dos Últimos Dias e tiver ansiedade porque você está envolvido em um caso extraconjugal e está receoso de ser descoberto, pare imediatamente de fazer o que você está fazendo. Arrependa-se dessas ações pecaminosas e veja quais sentimentos resultam depois que voltar a viver de acordo com os convênios que fez.

Mas, e os casos em que um comportamento pecaminoso não está envolvido? Como pode o arrependimento pode ajudar? O segredo é expandir nossa compreensão do que realmente significa se arrepender.

O Presidente Russell M. Nelson declarou: “A palavra arrependimento no Novo Testamento Grego é metanoeo. O prefixo meta significa “mudar”. O sufixo noeo está relacionado às palavras gregas que significam “mente”, “conhecimento”, “espírito” e “respiração”.

Assim, quando Jesus pede que você e eu nos arrependamos, Ele está nos convidando a mudar nossa mente, nosso conhecimento, nosso espírito — e até mesmo o modo como respiramos. Ele nos pede que mudemos a maneira como amamos, pensamos, servimos, gastamos nosso tempo, tratamos nossa esposa, ensinamos nossos filhos e até mesmo como cuidamos de nosso corpo.”

O Presidente Nelson indica que o arrependimento é muito mais do que apenas pedir perdão depois de cometer pecado. Arrependimento é simplesmente o processo de mudança do homem ou mulher natural para o homem ou mulher de Cristo. A seção dos Tópicos do Evangelho no site da igreja mostra o seguinte:

“[O arrependimento] é muito mais do que apenas reconhecer os erros. É uma mudança na mente e no coração que nos dá uma nova perspectiva sobre Deus, sobre nós mesmos e sobre o mundo.”

Enquanto isso pode envolver a busca pelo perdão de pecados, também inclui a mudança de nosso pensamento, percepções, comportamentos, hábitos, e qualquer outra coisa que nos faz diferentes de Deus. O arrependimento não deve ser algo que fazemos raramente; o arrependimento é um evento que acontece a cada momento, que facilita toda a mudança para o melhor.

Considerando tudo isso, você pode ver como o arrependimento pode ajudar com problemas de saúde mental? O arrependimento nos ajuda a nos tornar menos ansiosos, menos deprimidos, alunos melhores, pais melhores, cônjuges melhores, amigos melhores, e qualquer outra coisa que você possa imaginar.

Este segundo princípio do evangelho de Jesus Cristo não é para ser economizado, mas para ser utilizado com grande frequência. Assim, o que podemos fazer para nos arrepender e ajudar a controlar problemas de saúde mental? Temos algumas sugestões:

  1. Alinhe a opinião com a verdade

Muito frequentemente, os pensamentos que contribuem com a depressão e a ansiedade (e outros problemas de saúde mental) são pensamentos imprecisos ou incorretos. Por exemplo, se acreditar ninguém ama você, isso pode conduzí-lo a sentimentos de desespero. Se fosse verdade que ninguém realmente o ama, então o sentimento de desespero seria infeliz, mas preciso.

Mas esse pensamento não é verdadeiro. É uma verdade do evangelho que nosso Pai Celestial e Seu Filho nos amam, não importando nossa circunstância, assim, nosso Pai Celestial ama você profundamente. Seu Salvador Jesus Cristo o ama. Imagino que se conhecesse o Presidente Nelson ou qualquer um de seus conselheiros, sentiria o amor deles por você também. E acima disso, para a maioria das pessoas, é bem provável que muitas pessoas presentes em sua vida o amam, mesmo que não saibam demonstrar muito bem.

Ao corrigir seus próprios pensamentos distorcidos, percebendo como é amado e digno de receber amor, você “muda de mente” como o Presidente Nelson disse. Seus sentimentos de depressão e de desespero dão lugar aos sentimentos de felicidade e de aceitação.

Esse processo de mudança é, na verdade, o arrependimento; é o processo de alinhar nossos pensamentos e crenças com aqueles ensinados pelo evangelho restaurado. Ao eliminar a distância entre nossa opinião e a verdade, experimentamos sentimentos mais felizes e mais positivos.

  1. Estar envolvido

Mudar requer ação intencional. O evangelho de Jesus Cristo é um evangelho de ação. Doutrina e Convênios 58:27-28 diz,

“Em verdade eu digo: Os homens devem ocupar-se zelosamente numa boa causa e fazer muitas coisas de sua livre e espontânea vontade e realizar muita retidão. Pois neles está o poder e nisso são seus próprios árbitros. E se os homens fizerem o bem, de modo algum perderão sua recompensa.”

O Presidente Nelson indicou que o arrependimento é um convite para mudar a maneira que nós fazemos as coisas. Fazer algo diferente do habitual é fundamental no gerenciamento de problemas de saúde mental, particularmente a ansiedade e a depressão. As pessoas que passam por desafios emocionais crônicos frequentemente se encontram presas em padrões de pensamentos e comportamentos negativos.

Por causa da maneira que nosso cérebro trabalha, estes padrões podem ser altamente resistentes à mudança. No entanto, eles podem ser alterados. Fazer algo consistentemente, mesmo se for simples, pode fazer uma grande diferença ao longo do tempo. Por exemplo, se você tem ansiedade, provavelmente está atormentado por dúvidas sobre certos assuntos. Você poderia dizer: “Eu nunca conseguiria orar em público. Eu surtaria.”

Se você repete isso todos os dias, reforçará esse pensamento e também a ansiedade que resulta dele. Mas e se disser a si mesmo, “Sou mais forte do que eu penso que sou, e me tornarei menos ansioso com o tempo.” Você pode não estar pronto para falar na frente de mil pessoas, mas com o tempo, você começará a se sentir mais confiante.

E se todos os dias você fizer algo fora da sua zona de conforto? Podia ser uma coisa muito simples no começo. Se você fizer isso todos os dias, com o tempo sua zona de conforto se expandirá e você se tornará mais corajoso. Mudar positivamente a forma como fazemos as coisas faz parte do arrependimento, e as pequenas etapas resultarão em um grande progresso ao longo do tempo.

Ansiedade e depressão não são pecados. Em muitos casos, buscar ajuda competente é algo crítico para se obter resultados positivos. Mas em cada caso, o processo abrangente e detalhado de arrependimento pode nos ajudar a nos tornar mais como nosso Pai Celestial e como nosso Salvador.

Arte: Kim Yongsung

O arrependimento pode nos ajudar a substituir sentimentos de dúvida e medo por confiança e paz. Grandes mudanças não precisam ser feitas de uma só vez, mas os pequenos movimentos que nos levam para frente todos os dias trarão resultados surpreendentes. Como Alma aconselhou seu filho Helamã, “Ora, podes supor que isto seja tolice de minha parte; mas eis que te digo que é por meio de coisas pequenas e simples que as grandes são realizadas” (Alma 37:6).

Fonte: LDS Living

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *