Há algo estranho acontecendo em Utah. O estado encontra-se em duas listas diferentes de “10 mais” que você pode ter visto ou ouvido falar. Segundo com a pesquisa Gallup mais recente, Utah é um dos 10 estados mais felizes do país.  No entanto, Utah também está em outra lista alarmante de “10 mais” — a de suicídio.

Ao falar sobre esta questão delicada, não podemos nos esquecer dessa realidade — adolescentes reais com sonhos e esperanças, amigos, vizinhos e famílias reais— estão morrendo pelas próprias mãos a um ritmo alarmante no estado de Utah.

O cérebro e a complexidade

A ciência sabe há muito tempo que a depressão e o suicídio são questões complexas e holísticas.  E por holística quer dizer que há que uma rede de fatores que contribuem juntos para se manifestar como depressão. Antes a depressão era vista como um desequilíbrio químico no cérebro. No entanto, no The American Journal of Psychiatry, Kenneth Kendler disse:

Caçamos explicações neuropatológicas grandes e simples para transtornos psiquiátricos e não encontramos. Caçamos explicações neuroquímicas grandes e simples para transtornos psiquiátricos e não encontramos. Caçamos explicações genéticas grandes e simples para transtornos psiquiátricos e não encontramos.

As respostas simples não são úteis porque não são honestas. As altas e crescentes taxas de suicídio adolescente em Utah não podem ser inteiramente culpa da Igreja Mórmon. Seria como culpar um metro cúbico de água por um alagamento inteiro. A depressão e o suicídio são os efeitos de muitos fatores inter-relacionados. Então vamos analisar alguns desses fatores e estabelecer uma base sólida para que uma conversa produtiva possa acontecer.

Cascatas de causas correlacionadas

Primeiro, vamos falar sobre correlação e causa. É difícil determinar o que é uma causa definitiva e o que é simplesmente uma correlação. Muitos desses fatores listados abaixo podem ser apenas correlatos e alguns podem ser definitivos e contribuir para as causas. O mais importante a lembrar é que esses fatores são como ondas numa piscina que refletem, refratam e interagem uns com os outros.

Além disso, tentei encontrar muitas fontes quanto possível, mas ficou bastante irritante com o passar do tempo consultar o Google para pesquisar sobre as muitas facetas da depressão. Então me perdoe se não cito todas as fontes. E este artigo não tem a pretensão de ser um inventário abrangente de todos os fatores que contribuem. Não estou escrevendo um livro.

Sociais

As contribuições sociais são as facetas da nossa sociedade em que vivemos. Alguns dos maiores fatores de risco para depressão na nossa sociedade são a violência sob a forma de assédio moral, abuso, guerra, etc. Também devemos treinar os olhos para identificar os fatores que podem influenciar os adolescentes mais do que os adultos. Portanto, o assédio moral (social e pela Internet) e o abuso de todos os tipos são notáveis.  O uso das mídias sociais é outro fator que é quase óbvio.  Ele tem sido consistentemente o ligados com a depressão.

O argumento geral destas causas sociais é que vivemos em uma sociedade onde muitas vezes tratamos uns aos outros de modo inadequado. Deve ser a nossa tarefa, então, ser mais gentis na maneira de interagimos com nossos amigos e vizinhos. Todo mundo tem algo difícil acontecendo na vida. Nunca é uma má ideia agir com compaixão quando nos aproximamos um do outro.

Psicológicos

Estes fatores são aqueles que residem dentro dos limites da nossa própria mente. Como é que falamos conosco em nossa mente? É com força e desdém? Estamos propensos a ter processos de pensamento autodestrutivo que espiralam em desespero e sem esperança? De vez em quando isso acontece comigo. Sou mestre em cair em espiral para o abismo existencial.

Como percebemos o nosso próprio comportamento? Todos temos hábitos pouco saudáveis que usamos para lidar com o estresse da vida. Mas o que fazemos com esses hábitos? Se é um hábito de pornografia, você se odeia por isso? Percebe que sua mente está doente ou viciada para sempre? Um estudo feito na BYU mostra que simplesmente perceber nosso comportamento de certa forma pode induzir ansiedade problemática e problemas de relacionamento. Esse mesmo efeito pode ser o resultado de qualquer um dos nossos hábitos, mentais ou comportamentais.

Meditação é, de longe, uma das melhores coisas que pode fazer para a mente. Tem um impacto fenomenal na depressão e ansiedade e é a maré em que flutuam todos os barcos. Se você sofre de episódios depressivos, tente começar uma prática de meditação.

Médicos

Este é um quebra-cabeça. Mas também tão óbvio que raramente consideramos — muitos dos remédio com receita que tomamos para problemas não relacionados com a depressão têm problemas de saúde, ansiedade, depressão ou pensamentos suicidas como efeito colateral. Se você toma remédios com receita, leia os efeitos colaterais.

A lição que tiramos disso é que precisamos estar atentos, mas não podemos parar de tomar os remédios, principalmente. Principalmente os antidepressivos, pois deixar de tomá-los bruscamente pode ser perigoso. Mas precisamos estar cientes de tudo o que pode afetar o nosso estado de espírito. Talvez existam remédios ou tratamentos alternativos que têm efeitos colaterais mínimos. É importante que tomemos medicamentos com sabedoria e que sejamos totalmente informados sobre os efeitos.

depressão

Ambientais

As causas ambientais são aqueles fatores que são aspectos dos lugares em que vivemos nossa vida ou das coisas que comemos.

Um efeito depressivo notável é exercido pela poluição do ar  na população. Na verdade, este estudo sugere que a exposição prolongada à poluição do ar pode aumentar as chances de tomar  antidepressivos.

Mais recentemente houve um estudo que ligou a alta altitude e o ar rarefeito com a depressão em ratos fêmeas, o que sugere que uma ligação semelhante podia ser encontrada em seres humanos.

Algo que não pensamos é na poluição sonora . Vivemos em sociedades muito barulhentas e raramente, se alguma vez, experimentamos o silêncio natural. Seja vinda da TV, nossa música ou a rua onde moramos, a poluição sonora está associada com ansiedade e depressão.

Também, existem muitos fatores científicos por trás da relação entre a nossa dieta e nosso estado mental. , Você é o que você come e a má nutrição está cada vez mais ligada à depressão e ansiedade. As dietas ricas em carnes processadas, grãos refinados, açúcar e leite, com baixa ingestão de frutas e vegetais, aumentam o risco de depressão.

Como sociedade, também jamais estivemos tão longe da natureza. Passamos o dia inteiro em áreas internas e não tomamos  sol o suficiente.

A lição aqui é estar mais consciente do nosso entorno. Iniciar um jardim ou plantar alguma coisa. Em vez de ficar mexendo no telefone durante sua pausa, saia um pouco e olhe para as nuvens, tome um ar.. Seja mais consciente dos efeitos que determinados alimentos têm. Passou mal durante a noite? O que você comeu durante o dia? Faça um diário alimentar de alimentos que lhe fazem se sentir bem e alimentos que não fazem. Cultive seu próprio ambiente e cerque-se com as coisas que fazem você se sentir pleno e bem.

inteligência

Religião e Espiritualidade

Este é estranho. Religião e espiritualidade deveriam ser o bálsamo que alivia a dor da alma. Mas por experiência própria sei que ela pode ser uma espada de dois gumes. Com o mesmo traçado que nos cura, pode nos ferir profundamente. E se houver anormalmente elevadas taxas de depressão e suicídio em Utah, então seria irresponsável não falar sobre o efeito da religião sobre nosso estado mental. Como muitos dos fatores acima, tais como alimentos, sociedade ou medicina, a religião também pode ser um antidepressivo e fazer muito para nos curar. Tudo depende do tipo de relação que temos com a comida, medicina, sociedade ou religião.

Complexidade significa esperança

Para mim, complexidade e nuance na conversa da média de depressão esperança. Se existem muitos pequenos fatores que contribuem para minha depressão, então não parece uma tarefa tão intransponível começar a fazer pequenas coisas para aliviar a carga. As maiores montanhas do mundo são escaladas por seres humanos que dão pequenos passos. Esta complexidade mostra que cada percurso individual dentro e fora da depressão vai ser trabalhado exclusivamente a um indivíduo. Se a medicação não está funcionando para você, então ainda existe a esperança de encontrar a combinação certa de outras opções. A cura é possível.

Fonte: MormonHub

Relacionado:

Precisamos nos Unir para Combater o Suicídio e a Depressão