Como permitir que a religião beneficie sua saúde mental

Este artigo foi originalmente escrito por Daniel K Judd, que é professor de escrituras antigas e reitor da Faculdade de Educação Religiosa da BYU

Quando entendemos a relação entre a graça de Cristo e nossas próprias boas obras, a religião pode influenciar positivamente nossas vidas.

Durante meu primeiro semestre como estudante de graduação em 1981, li um artigo do Dr. Allen E. Bergin, professor da Universidade Brigham Young, que incluía uma declaração do Dr. Albert Ellis afirmando que a religião tinha um efeito negativo na saúde mental:

“Religiosidade é em muitos aspectos, equivalente ao pensamento irracional e à perturbação emocional. …A solução terapêutica elegante para os problemas emocionais é ser pouco religioso [pois] quanto menos religiosos forem, mais emocionalmente saudáveis ​​serão.”

Embora inicialmente eu tenha ficado surpreso com esta declaração, também fiquei impressionado com a maneira profissional e respeitosa com que o Dr. Bergin respondeu aos argumentos do Dr. Ellis.

Em vez de simplesmente descartar as afirmações de seu colega psicólogo, a resposta do Dr. Bergin incluiu estudos empíricos, argumentos filosóficos e evidências clínicas que eu achei ” espiritualmente fortalecedoras” e “intelectualmente ampliadoras”.

Nos meses e anos seguintes, estudei quase tudo que pude encontrar sobre a relação entre religião e saúde mental. Senti que havia encontrado a paixão acadêmica, clínica, educacional e pastoral que ocuparia grande parte de minha vida.

Uma questão controversa

Há muito tempo a relação entre religião e saúde mental é uma questão controversa entre profissionais de saúde mental e acadêmicos, e também entre líderes religiosos e leigos.

Embora muitos acadêmicos e médicos continuem a criticar a religião, há outros, no passado e no presente, que descobriram por meio de pesquisas que a crença e a prática religiosa são uma influência positiva na vida de indivíduos, famílias e comunidades.

William James, um médico e professor de Harvard, que é considerado por muitos como o pai da psicologia americana, foi um dos primeiros estudiosos a defender o lado positivo desse debate quando, em um livro publicado em 1902, ele concluiu:

“Nós e Deus temos negócios um com o outro; e ao permitirmos a Sua influência nosso destino mais profundo é cumprido. O universo e as partes dele que constituem o nosso ser pessoal mudam genuinamente para pior ou para melhor na proporção em que cada um de nós cumpre ou foge aos mandamentos de Deus”.

A pesquisa que fiz nos últimos 40 anos inclui estudos sobre a saúde mental de muitas religiões desde o início do século 20 até os dias atuais.

Enquanto eu peneirava milhares de ensaios anedóticos, relatórios de mídia, postagens em blogs, discursos religiosos, publicações apologéticas e polêmicas, passei a maior parte do meu tempo em revistas acadêmicas e trabalhando com indivíduos e famílias em ambientes educacionais, clínicos e pastorais.

Com poucas exceções, minhas revisões da pesquisa acadêmica resultaram em um escasso apoio às afirmações negativas de que a religião facilita a doença mental.

Embora a pesquisa também inclua contradições, exceções e ambiguidades, o corpo maior da pesquisa acadêmica apoia a conclusão de que a crença religiosa, especialmente a prática religiosa pessoal, auxilia a saúde mental, a coesão conjugal e a estabilidade familiar.

Essas relações positivas entre religião e saúde mental são encontradas na pesquisa que foi feita em cada uma das tradições religiosas que estudei – catolicismo, protestantismo, islamismo, judaísmo e outras religiões, incluindo a Igreja Adventista do Sétimo Dia, Testemunhas de Jeová, Bahá’í, e o movimento Hare Krishna.

Dos 540 estudos que atenderam aos critérios específicos da minha pesquisa inicial, 51% relataram que a religião estava positivamente associada à saúde mental, 16% indicaram uma relação negativa, 28% indicaram neutralidade e 5% produziram resultados mistos.

Uma pesquisa sobre os santos dos últimos dias

Como santo dos últimos dias, tive a satisfação de descobrir que os resultados das pesquisas de estudos sobre os membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias e a saúde mental durante o mesmo período relatado acima são extremamente positivos.

Quase dois terços dos resultados da pesquisa (71%) indicaram uma relação positiva, enquanto 4% indicaram uma relação negativa, 24% foram neutros e 1% foi misto.

Meus colegas e eu estamos atualmente empenhados em uma revisão da literatura acadêmica que atualizará a pesquisa sobre os santos dos últimos dias e a saúde mental até 2021 que parece apoiar essas mesmas tendências.

O corpo geral de pesquisas do início do século 20 até o momento, apoia a conclusão de que os santos dos últimos dias que vivem suas vidas de acordo com os ensinamentos de sua crença, sentem mais bem-estar, mais estabilidade conjugal e familiar, menos delinquência, menos depressão, menos ansiedade, menos suicídio e menos abuso de substâncias do que aqueles que não o fazem.

Compreendendo a graça de Cristo

Além dos resultados positivos de saúde mental relatados por aqueles que estão ativamente engajados em sua religião, também observei algumas crenças e práticas religiosas que podem contribuir para os problemas de saúde mental que são exclusivos de pessoas religiosas.

Por exemplo, como presidente de missão na Missão Gana Acra, observei que alguns de meus missionários mais fiéis sofriam com ansiedade e depressão.

Alguns estavam até experimentando o que eu sabia, por causa de meu treinamento clínico, ser “escrupulosidade”, o que muitas vezes inclui uma necessidade compulsiva de confessar até mesmo as menores transgressões que normalmente teriam sido algo que eles poderiam ter resolvido entre eles e Deus.

Durante uma entrevista com um desses missionários, observei algumas semelhanças entre as ansiedades desse jovem missionário e algumas das mesmas preocupações expressas por Martinho Lutero, o reformador protestante do século 16.

Na declaração a seguir, Lutero descreve suas experiências em um mosteiro agostiniano durante seu treinamento para se tornar um padre, em paralelo com as experiências de alguns de meus missionários:

“Quando eu era monge, fiz um grande esforço para viver de acordo com os requisitos da regra monástica. Costumava confessar e recitar todos os meus pecados, mas sempre com contrição prévia; Costumava me confessar e cumpria fielmente as penitências designadas. No entanto, minha consciência nunca alcançou a certeza, mas sempre esteve em dúvida e dizia:

Você não fez isso corretamente. Você não estava arrependido o suficiente. Você omitiu isso em sua confissão. Portanto, quanto mais eu tentava curar minha consciência incerta, fraca e perturbada com as tradições humanas, mais incerta, fraca e perturbada eu continuamente o fazia. Desta forma, ao observar as tradições humanas, eu as transgredi ainda mais; e por seguir a retidão da ordem monástica, eu nunca fui capaz de alcançá-la”.

Por experiência pessoal, profissional e pastoral sei que muitos santos dos últimos dias podem se identificar com esses mesmos sentimentos de ansiedade e desespero.

Alguns dos missionários para os quais ministrei receberam ajuda ao trabalhar com profissionais de saúde mental.

Porém, todos foram fortalecidos primeiro por entender o que Lutero acabou descobrindo sobre a graça de Jesus Cristo e o lugar apropriado para as boas obras, e então viver de acordo com o que aprenderam.

Motivados pelas necessidades que vi nas pessoas, dois de meus colegas e eu planejamos o que se tornaria a primeira pesquisa empírica já feita com os santos dos últimos dias sobre a relação entre suas experiências com a graça de Cristo, boas obras e saúde mental.

Este estudo foi publicado recentemente no Journal of Psychology and Spirituality.

Acima de tudo

A fé em Cristo é essencial quando enfrentamos aflições de qualquer tipo, mas mesmo os mais justos e fiéis entre nós podem passar por sofrimento mental e emocional.

Tenho observado que uma família solidária, líderes inspirados, bons amigos, médicos habilidosos, medicina moderna, conselheiros competentes e o trabalho árduo dos indivíduos envolvidos desempenham papéis importantes no processo de cura.

Acima de tudo, os fatores mais importantes para superar aflições emocionais e transtornos mentais são descobrir, renovar e manter um relacionamento significativo com Deus, seguir Sua orientação e receber as bênçãos redentoras e capacitadoras da Expiação de Jesus Cristo.

Ele pode curar aqueles que estão “aflitos de qualquer forma” (3 Néfi 17:9). Oro para que cada um de nós um dia volte para o nosso Pai Celestial, tendo recebido a graça de Cristo, tendo aprendido como ter paz nesta vida e encontrar a vida eterna no mundo vindouro.

Fonte: LDS Living

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *