“Por favor, abençoe que as duas novas manchas que aparecem nos exames do cérebro da mamãe não sejam câncer”.

Essa frase mais recente das orações do meu filho de oito anos aperta meu coração, mas também me faz questionar a fé.

Viver com câncer de estágio IV é uma batalha constante de escolher seguir em frente na minha própria fé. Apenas quando penso que a fé é inabalável, ouvir essas orações me faz pensar:

Será que a realidade de que essa doença pode algum dia levar minha vida, desafia a fé dos meus três filhos, que oram constantemente para que sua mãe não morra de câncer?

revelação pessoal

Orações e Fé

Ensinei-lhes que Deus os ama e ouve suas orações, mesmo quando as respostas não são exatamente o que eles esperam?

Eles sabem que ter fé que a mãe será curada deve incluir ter a fé de que tudo bem se ela não for, de que Deus ainda está no comando e tem um plano para nossa família?

Eu tenho lutado com estas questões, especialmente quando não estou completamente certa de onde meus próprios pensamentos me levarão. Tenho fé em um Pai Celestial amoroso e em um Salvador que morreu para que eu pudesse retornar a Ele. Eu conheço o poder de curar milagres. No entanto, parte de mim sente que estou abandonando minha fé para ser curada sempre que meus pensamentos oscilam entre acreditar que vou me manter saudável e me preparar para a eventual notícia de que os médicos um dia não conseguirão impedir que o câncer assuma o controle. Eu bato em mim mesma, pensando que talvez minha fé não seja forte o suficiente para o grande milagre, o que meus filhos defendem em suas orações. Talvez eu seja uma pessoa “de pouca fé”, e é por isso que o câncer continua voltando. (Mateus 8:26)

Então, lembro-me de uma história que o Élder David A. Bednar contou:

Ao ministrar a um jovem casal, que sofria com um diagnóstico devastador de câncer, o Élder Bednar perguntou:

“Você tem fé para não ser curado? Se é da vontade do Pai Celestial que você seja transferido pela morte em sua juventude para o mundo espiritual para continuar seu ministério, você tem fé para se submeter à Sua vontade e não ser curado?”

Quando li isso pela primeira vez, há cinco anos, imediatamente relacionei com minha situação.

Recentemente, porém, algo novo surgiu em mim, “um princípio que se aplica a todo discípulo dedicado: a forte fé no Salvador está submissamente aceitando Sua vontade e tempo em nossas vidas – mesmo que o resultado não seja o que esperávamos ou queríamos”.

Aceitar quando as orações não são respondidas

Aqui está. Algum conforto em relação à minha grande questão de fé – Quando entendo e aceito que o resultado das orações que todos esperamos não seja a vontade de Deus, estou realmente desenvolvendo uma fé maior. Na verdade, essa é uma parte enorme da compreensão de provações e tribulações e de aprender a se submeter à vontade do Pai e não encolher.

As escrituras são cheias de relatos daqueles que entendem que a vida é cheia de escolhas que podem acabar tendo um resultado difícil, mas continuam a avançar.

Ester sabia que sua vida estava em perigo, mas ainda se preparava para ir ao rei.

Sadraque, Mesaque e Abednego explicaram ao rei Nabucodonosor que Deus tinha o poder de libertá-los, mas Ele poderia optar por não usar esse poder. Eles então testificaram que, se Deus não os livrasse de sua fornalha ardente, eles não se afastariam.

O próprio Salvador orou para perguntar se o cálice poderia passar, sabendo que a oração era uma chance remota. Ele continuou e terminou seu trabalho.

Livro de Mórmon

Os filhos do povo de Amon, que estavam lutando para preservar suas vidas e liberdade, voltaram-se para o Senhor:

“Portanto, elevamos a alma a Deus em oração, para que ele nos fortalecesse e livrasse das mãos de nossos inimigos; sim, e que também nos desse força para conservar nossas cidades e nossas terras e nossos bens, para sustento de nosso povo. Sim, e aconteceu que o Senhor nosso Deus nos deu a certeza de que nos livraria; sim, de tal modo que nos encheu a alma de paz e concedeu-nos grande fé e fez com que tivéssemos esperança nele para nossa libertação”. (Alma 58:10-11)

Esta passagem se destacou para mim recentemente, enquanto eu continuava lutando para preservar minha própria vida. Os médicos descobriram recentemente duas pequenas manchas no meu cérebro, após mais de um ano em diminuição. Alguns dias depois desta descoberta, li esses versículos. De repente, fui tomada pelo calor do espírito e lágrimas rolaram pelas minhas bochechas. No início, meus filhos olharam para cima de seus livros para ver se algo estava errado.

“Por que você está chorando, mãe?”

“Algo está errado?”

“Você está bem?”

“Eu estou bem. Eu amo o que essas palavras estão me ensinando. O que isso diz é importante para mim”.

Continuei a ler, apesar das lágrimas e a atenção deles estava focada.

Depois de terminar o capítulo, expliquei:

“Essas orações não são  apenas sobre tirar as coisas ruins e assustadoras. As pessoas pediram força para a luta, sabendo que as lutas podem ser perdidas. Talvez seja como se o Pai Celestial estivesse nos abençoando, mesmo quando o câncer voltar”.

Deus está no comando. Ele quer que tenhamos fé em Seu plano e que estejamos dispostos a nos submeter, mesmo quando nossas orações não puderem ser respondidas como esperávamos que fossem. Quando a fé é suficiente, podemos ser curados, mas a cura nem sempre significa que as provações serão tiradas. Uma vez que entendamos isso e escolhemos continuar, a cura vem – mesmo que essa cura seja somente através da força para suportar, ou maior fé, paz e esperança nos planos de Deus.

Fonte: AggilandMormons

Relacionado:

Quando é necessário ter fé para NÃO ser curado