Presidente Grant conta sobre o sonho onde viu sua esposa no mundo espiritual

sonho Pres. Grant

Emocional e fisicamente exausto, o Presidente Heber J. Grant estava preocupado com seu filho de sete anos de idade que estava gravemente doente e com dores excruciantes. O Presidente Grant ficou aterrorizado com a idéia de perder outro filho, mas um sonho especial confortou seu coração partido, preparando-o para a dor que estava por vir.

Leia o relato desse sonho nas próprias palavras do Presidente Grant, encontradas no site lds.org :

“Fui abençoado com apenas dois filhos. Um deles morreu aos cinco anos de idade e o outro aos sete. Meu último filho morreu de uma doença do quadril. Eu tinha grandes esperanças de que ele viveria para pretar o Evangelho em casa e no exterior e ser uma honra para mim.

Uma hora antes dele morrer eu tive um sonho que sua mãe, que tinha falecido, veio para busca-lo, e com ela um mensageiro veio um mensageiro. Ela disse a este mensageiro para levar o menino enquanto eu estava dormindo, e no sonho agarrei meu filho, lutei por ele e finalmente consegui afastá-lo do mensageiro que tinha vindo para levá-lo e, ao fazê-lo, sonhei que tropecei e caí sobre ele…

Sonhei que caí sobre o quadril dolorido do meu filho e os terríveis gritos e angústias da criança me deixaram quase louco. Eu não aguentei e saí para fora da casa para não ouvir sua angústia. Sonhei que, ao sair de casa encontrei o irmão Joseph E. Taylor e contei sobre essas coisas.

Ele disse: ‘Bem, Heber, você sabe o que eu faria se minha mulher viesse para buscar um dos filhos dela? Eu não a impediria de deixa-la levar aquela criança embora. Se uma mãe que tivesse sido fiel passasse além do véu, ela saberia do sofrimento e da angústia que seu filho sofreria; ela saberia se aquela criança poderia viver como aleijada e se seria melhor ou mais sábio que essa criança fosse aliviada da tortura da vida; e quando você para pra pensar, irmão Grant, que a mãe daquele menino foi a que quase morreu de dor para lhe dar vida, ela é aquela que deveria ter o direito de levá-lo.

“Eu disse: ‘Eu acredito que você está certo, irmão Taylor, e se ela vier de novo, ela terá o menino sem qualquer protesto da minha parte’.

“Depois de chegar a essa conclusão, fui acordado por meu irmão, BF Grant, que estava conosco naquela noite, ajudando a vigiar o menino doente. Ele me chamou para a sala e me disse que meu filho estava morrendo. Entrei na sala da frente e sentei-me. Havia uma cadeira vazia entre eu e minha esposa que agora está morando, e senti a presença da falecida mãe daquele menino, sentada naquela cadeira. Não contei a ninguém o que senti, mas me virei para minha esposa viva e disse: “Você sente alguma coisa estranha?” Ela disse: “Sim, tenho certeza de que a mãe de Heber está sentada entre nós, esperando para levá-lo embora”.

“Agora, eu sou, naturalmente, um homem compreensivo. Fui criado como filho único, com todo o carinho que uma mãe poderia oferecer a um menino. Acredito que sou naturalmente carinhosa e simpática e que chorei meus amigos – lágrimas de alegria pelo sucesso e lágrimas de tristeza por seus infortúnios. Mas sentei-me no leito de morte do meu filho e o vi morrer sem derramar uma lágrima. Minha esposa viva, meu irmão e eu, naquela ocasião, experimentamos uma influência doce, pacífica e celestial em meu lar, tão grande quanto eu já experimentei em toda a minha vida ”(Improvement Era, junho de 1940, p. 330, 383). .)

Fonte: LdsLiving

Relacionado:

O Sonho Que Ensinou ao Élder Scott as Belezas do Plano de Salvação

 

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *