A palavra “sacramento” vem do latim sacramentum e significa ritual sagrado. É um sinônimo para “ordenança”. Podemos usar a palavra sacramento para se referir as demais ordenanças do evangelho, tal como o sacramento do batismo. Mas isso não é comum na Igreja. Como a Ceia do Senhor é uma ordenança, e tem uma importância singular em nossa vida – tanto pela constância na participação, quanto pelos efeitos do cumprimento dos convênios associados – a Igreja, desde a Restauração, passou a se referir a Ceia do Senhor como o Sacramento.

Por que o sacramento e tão importante?

Essa é a mais importante pergunta, e por consequência, a mais vital resposta. Para mim, fica evidente a importância do sacramento em três distintas ocasiões nas escrituras.

Primeiro, o próprio Salvador, antes de realizar o sacrifício infinito e eterno que redimiria toda humanidade da morte física, e possibilitaria todos terem vida eterna, se o obedecessem, institui o sacramento. Ele claramente estava associado essa ordenança a sua Expiação. Sem sua carne e sem seu sangue não haveria salvação alguma.

Segundo, quando após o longo caminho na estrada de Emaús e uma saudável discussão das escrituras, é interessante notar que o Senhor não foi reconhecido se não quando partiu e abençoou o pão. Foi no momento do sacramento que aqueles bons discípulos souberam que Jesus era o Cristo, seu Senhor ressurreto.

Terceiro, quando Cristo estabeleceu o sacramento nas Américas, entre os nefitas, disse:

“E dou-vos um mandamento de que façais estas coisas. E fazendo sempre estas coisas, abençoados sois, porque estais edificados sobre a minha rocha. Mas todos aqueles dentre vós que fizerem mais ou menos do que isto não estão edificados sobre a minha rocha, mas edificados sobre um alicerce de areia; e quando as chuvas descerem e as inundações chegarem e os ventos soprarem e baterem contra eles, cairão; e as portas do inferno já estão abertas para recebê-los.” (3 Néfi 18:12-13)

adoração

Assim, se não participarmos do sacramento não estaremos estabelecidos na Rocha do Redentor, e consequentemente cairemos e estaremos sujeitos ao poder do maligno.

O sacramento, conforme descreveu o Élder Jeffrey R. Holland deve ser: “ uma verdadeira experiência espiritual, uma santa comunhão, uma renovação para a alma”. (Jeffrey R. Holland, Christ and the New Covenant: The Messianic Message of the Book of Mormon, 1997, pg. 283)

Na mesma linha, a Sister Cheryl A. Esplin, Segunda Conselheira na Presidência Geral da Primária, disse:

“O sacramento proporciona um momento de verdadeira experiência espiritual ao refletirmos a respeito do poder redentor e capacitador do Salvador por meio de Sua Expiação.” (Conferência Geral, Outubro de 2014)

O Presidente Dalllin H. Oaks ensinou ainda:

“Se participarmos devidamente, todas as semanas, da ordenança do sacramento, faremos jus a que se cumpra a promessa de ter “sempre [conosco] o Seu Espírito” (D&C 20:77). Esse Espírito é o alicerce de nosso testemunho. Ele presta testemunho do Pai e do Filho, faz-nos lembrar todas as coisas e nos conduz à verdade. É a bússola que nos guia pelo caminho. O Presidente Wilford Woodruff ensinou que o dom do Espírito Santo “é a maior dádiva que se pode conceder ao homem” (Deseret Weekly, 6 de abril de 1889, p. 451)” (Conferência Geral outubro de 2008)

Devido especialmente ao sacramento, a reunião sacramental se torna igualmente importante. Por isso, o Presidente Joseph Fielding Smith disse:

“No meu entender, a reunião sacramental é a mais sagrada, a mais santa de todas as reuniões da Igreja” (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja: Joseph Fielding Smith, 2013, pg 101).

O Élder Melvin J. Ballard sugeriu:

“Queremos que todo santo dos últimos dias vá à mesa do sacramento porque esse é o lugar para uma autoavaliação, para um autoexame, onde podemos aprender a corrigir nosso curso e endireitar nossa própria vida, harmonizando-nos com os ensinamentos da Igreja e com nossos irmãos e irmãs”. (Em Bryant S. Hinckley, Sermons and Missionary Services of Melvin Joseph Ballard, 1949, p. 150.)

Para concluir, cito o Elder Dale G. Renlund:

“Para nos achegarmos ao Salvador, devemos aumentar nossa fé Nele, fazer e cumprir convênios e ter o Espírito Santo conosco. Devemos também agir com fé, seguindo a orientação espiritual que recebemos. Todos esses elementos estão presentes no sacramento. Na verdade, a melhor forma que conheço de aproximar-nos de Deus é fazer uma preparação consciente e tomar o sacramento dignamente todas as semanas.” (Conferência Geral abril de 2016)

E pra você? Por que o sacramento é tão importante?