Placas de Ouro: O Resto da História

O World News Daily Report escreveu recentemente sobre arqueólogos da BYU que exploraram uma caverna escondida perto do Monte Cumora. O artigo dizia que eles se depararam não só com um altar e fuligem de tochas, como foram capazes de encontrar um conjunto de placas de ouro especuladas a estarem ligadas a Joseph Smith. A história gerou um grande interesse nas redes sociais e foi divulgado por vários santos dos últimos dias.

Só há um problema: A notícia é falsa. World News Daily Report é um site dedicado a enganar pessoas ingênuas para clicarem em suas manchetes sensacionalistas e confeccionadas.

Muitas histórias como esta têm circulado em toda a internet. A única coisa que muitas dessas histórias têm em comum é uma imagem de placas de ouro ou de metal. Independente do que uma pessoa acredite sobre a Igreja Mórmon, não há como negar que escrever em placas de metal tenha sido uma prática antiga muito comum.

Essas imagens são fotos reais da escrita antiga em placas de metal. Embora nenhuma escrita antiga tenha sido encontrada em placas de metal antes de Joseph Smith, desde a publicação do Livro de Mórmon, a antiga prática da escrita em folhas de metal tem sido repetidamente validada por achados arqueológicos.

 

Placas de Ouro

Embora não saibamos como exatamente as placas se pareciam, sabemos algumas coisas sobre elas.

As Verdadeiras Placas do Monte Cumora

Como Mórmons, a nossa história da igreja é muito especial para nós. O mundo sempre achou a nossa religião controversa, especialmente quando o assunto se trata das placas de ouro.

Acreditamos que Joseph Smith desenterrou-as no norte do estado de Nova York, na direção do Anjo Moroni. Elas (as placas de ouro) são um registro de imigrantes antigos que vieram para as Américas do Oriente Médio. O que sabemos sobre as placas veio das poucas pessoas que foram autorizadas a vê-las.

  • Elas tinham a aparência de ouro
  • Elas pesavam entre 40-60 libras (18 a 27 quilos)
  • Elas estavam unidas por três anéis de prata
  • Tinham oito polegadas (20 centímetros) de comprimento e sete polegadas (17 centímetros) de largura
  • As páginas eram finas o suficiente para farfalhar quando manuseadas
  • Metade do livro estava selado, sólido como madeira
Placas de Ouro

Exemplo de como as placas se parecem. Créditos do site LDS.org.

11 testemunhas masculinas deram seus testemunhos em defesa das placas. Mary Whitmer e Emma Smith foram as únicas mulheres que foram autorizados a vê-las. A descrição de Emma é, talvez, a mais florida de todas elas.

“Eles pareciam ser flexíveis como papel grosso, e farfalhavam com um som metálico quando as bordas eram movidas pelo polegar, como quando uma pessoa vira uma página com o dedo.” -Emma Smith

 

Placas de Ouro

Placas de ouro Etruscas. Créditos do site LDS.net

Placas de Ouro Etruscas do Tempo de Leí

Cerca de 70 anos atrás, um livro de ouro etrusco foi descoberto em uma tumba na Bulgária. Este país, como Israel, situa-se na região do Mediterrâneo. Espantosamente, o livro remonta ao mesmo período de tempo como quando Leí saiu de Jerusalém, no ano de 600 a.C., e provavelmente foi usado como um livro de orações.

Esse foi o primeiro livro antigo encontrado que se encaixam na descrição das Placas de Ouro. Sua descoberta nos diz várias coisas:

Encadernação era usada na prática naquela região em torno de 600 a.C.

Escrever em placas fez parte da cultura onde o Livro de Mórmon se originou.

A escrita em placas de ouro era provavelmente para preservar registros sagrados.

 

Placas do Oriente Médio

Placas do oriente médio. Créditos do site LDS.net.

Placas do Oriente Médio

Uma das descobertas religiosas mais recentes foi a descoberta de 70 livros de placas de chumbo, datadas entre 200 a.C. e 600 d.C. Elas foram encontradas por beduínos da Jordânia em cavernas que foram uma vez o lar de refugiados cristãos, depois da queda de Jerusalém.

Embora alguns considerem estas placas como o maior achado depois dos manuscritos do Mar Morto, sua legitimidade ainda não foi confirmada. Os arqueólogos estão debatendo se esses livros são forjados ou se são a “mais importante [descoberta] religiosa do passado”.

Jeff Chadwick, um professor da BYU, diz que eles poderiam ser apenas amuletos judaicos medievais e as chama de “tolices”.

Outros profissionais discordam. Alguns estão interessados na profunda ligação hebraico-cristã que os livros aparentam ter. Se essa conexão existir, então poderá haver uma pequena conexão com o Livro de Mórmon, que possui algumas semelhanças.

“Sim, faço um registro na língua de meu pai, que consiste no conhecimento dos judeus e na língua dos egípcios.” -Néfi

 

Placas da Meso América.

Placas da Meso América. Créditos do site LDS.net.

Placas na Meso América

Graças a Edward Thompson, um arqueólogo, o Museu Peabody de Harvard possui uma das melhores coleções mesoamericanas. Muitas poucas pessoas sabem que entre esses artefatos extraídos do México encontram-se placas de ouro. A maioria foi feita de uma liga de cobre e ouro, tendo hieróglifos maias e outros símbolos.

Não foram realizados maiores estudos referentes a essas placas, mas presume-se que elas não foram utilizadas para fins de manutenção de registros, como aconteceu com as Placas de Ouro.

Alguns apologistas SUD acreditam que há uma forte ligação entre a Meso América e O Livro de Mórmon. Eles inclusive pensam que, devido a tradição de escrever em ouro, Morôni tenha sido um escriba mesoamericano.

 

Nativos Americanos no Livro de Mórmon

Muitas histórias do nativo americano correlacionam-se com as contadas no Livro de Mórmon. Crédito do site LDS.net.

A História de um Nativo Americano

Em minha missão em Oklahoma eu tive a oportunidade de conhecer muitos nativos americanos. Eles me contavam histórias sobre seus grandes bisavós que, a menos de 200 anos atrás, foram forçados a se deslocar para o território de Oklahoma. O seu êxodo ficou conhecido como a Trilha das Lágrimas.

Teve uma vez em que a minha companheira e eu estávamos sentadas com um casal de americanos nativos mais velhos da nação Creek. Agora, é sabido que muitas histórias do nativo americano correlacionam-se com as contadas no Livro de Mórmon, e não seria diferente com esta história.

O casal contou-nos uma história sobre um profeta indígena de sua tribo. Seu trabalho era levar com ele e proteger duas placas sagradas com hieróglifos com aparência egípcia inscritos nelas. Ele era o único autorizado a lidar com essas placas.

Para sua proteção, ele sempre teve dois guardas, mas o êxodo foi um momento perigoso para o seu povo. Quando eles foram forçados a deixar suas casas, ele temia pela segurança das placas e assim as enterrou, com a intenção de voltar e recuperá-las mais tarde.

Um dia, no campo de migração em que eles habitavam, o Exército dos Estados Unidos propositadamente deu-lhes cobertores infectados com varíola. Isso causou a morte de muitos, incluindo o profeta. Hoje em dia, as placas provavelmente ainda estão enterradas no chão, quase esquecidas tanto pela tribo como, especialmente, o mundo.

Sem Necessidade de Evidências Físicas

Não importa quantas placas são desenterrados da terra, de ouro ou não, nada nos dirá que a história de nossa igreja é verdadeira. Nada, digo, que não seja a voz dentro de nós que diz: “É verdade.” É mais importante que nosso testemunho esteja gravado em nossos corações do que a descoberta de um conjunto de placas do Livro de Mórmon por arqueólogos nos dias de hoje.

Encorajo todos vocês a encontrar o seu próprio testemunho de Joseph Smith e das Placas de Ouro. Através de um estudo sincero e oração sobre O Livro de Mórmon e a história de Joseph Smith, eu sei que você vai obter um testemunho que irá fortalecê-lo o suficiente para superar as dúvidas do mundo e servir como uma evidência mais poderosa para você do que qualquer historiador, antropólogo, ou arqueólogo poderia dar-lhe.

Artigo escrito por Hadley Ana Sanchez no site LDS.net. Traduzido por Esdras Kutomi.