Quem são as ovelhas perdidas de que Jesus falou?

Para aproveitar essa semana que antecede a Páscoa, vamos conversar sobre uma das parábolas mais compartilhadas no mundo, dada por Jesus quando ele estava sendo criticado pelos fariseus por se associar com pessoas que eles consideravam indignas em Lucas 15:2-7,

“E os fariseus e os escribas murmuravam, dizendo: Este recebe pecadores, e come com eles. E ele lhes propôs esta parábola, dizendo: Que homem dentre vós, tendo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa as noventa e nove ano deserto, e não vai após a perdida até que venha a achá-la? E achando-a, a põe sobre seus ombros, cheio de júbilo; E chegando à casa, convoca os amigos e vizinhos, dizendo-lhes: Alegrai-vos comigo, porque já achei a minha ovelha perdida. Digo-vos que assim haverá mais alegria no céu por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento.”

Quando ouvimos esta história, quem imaginamos? Quem deixou o Bom Pastor para trás e quem é que Ele foi encontrar?

Muitas vezes, conversas e artigos que discutem esta parábola falam sobre membros inativos da Igreja, crianças desobedientes, ou aqueles que estão ativamente descontentes.

Só após ler diversas vezes, percebi que sempre imaginei que a ovelha perdida sou eu.

Eu tenho estado ativa na Igreja toda a minha vida, sempre me esforcei para assistir às reuniões onde quer que no mundo eu me encontrei, mesmo quando isso significava encarar o desdém do meu professor do ensino médio que zombou quando eu disse que não ficaria o nosso grupo de viagem na manhã de domingo para ir à igreja e ele disse, “Diga Olá a Deus por mim!” enquanto saia em um dia chuvoso para descobrir onde a ala de Edimburgo ficava.

Em um discurso intitulado Ele Vai Colocar Você sobre os Ombros e Carregá-lo para Casa, o Élder Dieter F. Uchtdorf compartilhou sua experiência de infância angustiante vendo o céu noturno iluminar-se com o bombardeio que estava caindo em sua terra natal, a Alemanha, durante a guerra. Ele disse

“Perto de onde minha família morava, ficava a cidade de Dresden. Seus moradores testemunharam talvez mil vezes o que eu tinha visto. Incêndios incontroláveis, causados por milhares de toneladas de explosivos, alastraram-se por toda a Dresden, destruindo mais de 90% da cidade e deixando para trás apenas ruínas e cinzas.

Em pouquíssimo tempo, a cidade que outrora era denominada “Caixa de Joias” deixou de existir. Erich Kästner, escritor alemão, escreveu o seguinte sobre essa destruição: “Em mil anos foi sua beleza construída, em uma única noite ela foi totalmente destruída”.

Na minha infância, eu não conseguia imaginar como a destruição de uma guerra que meu próprio povo começara poderia jamais ser superada. O mundo ao nosso redor parecia totalmente desolado e sem qualquer futuro.”

Chorei ao ler este breve relato e, em particular, a avaliação do autor alemão. De certa forma, nós—como filhos espirituais da promessa que viveram muito antes desta permanência mortal, não somos diferentes de Dresden.

Em mil anos foi construída a nossa beleza e, ao nascer, foi completamente esquecida, pois tínhamos que aprender do zero, num pequeno e novo corpo e num mundo caído que nos traria alegria, mas que também não podia deixar de nos desapontar.

Nós somos, como Paulo disse em sua epístola aos Hebreus, “estranhos e peregrinos na terra” e muitas vezes sentimos o abismo entre o antigo anseio por tudo o que poderíamos e deveríamos ser e a realidade mortal, natural do homem, do que muitas vezes somos.

A lacuna deixa-nos frustrados e, talvez à procura de conforto, somos propensos a vaguear. Senhor, eu sinto.

O que precisa ser feito? O Senhor nos assegurou que deixaria os noventa e nove para nos buscar, mas nós simplesmente nos sentamos e esperamos enquanto isso?

O Élder Uchtdorf também diz o seguinte:

“Embora nosso amoroso Pai Celestial deseje que todos os Seus filhos retornem à Sua presença, Ele não vai obrigar ninguém a ir para o céu.  Deus não vai resgatar-nos contra nossa vontade. Então, o que precisamos fazer? Eu convite é simples:

‘Convertei-vos a mim’

‘Vinde a mim.’

‘Achegai-vos a mim e achegar-me-ei a vós.’

É assim que mostramos a Ele que desejamos ser resgatados. Exige um pouco de fé. Mas não se desespere.  Se não conseguir ter fé agora, comece com esperança.”

Então, como nos aproximamos dele? Como, embora vagueemos, podemos garantir que a nossa caminhada nos aproximará do destino eterno que buscamos?

“Obediência”, diz o Élder Uchtdorf, “é a fonte de vida da fé”. “É pela obediência que acrescentamos luz à nossa alma.”

A obediência é muitas vezes mal entendida. Fazer-nos obedientes não é o objetivo final do Senhor, mas um meio para Seus finais felizes.

Ele é o nosso criador e ele sabe melhor do que nunca, o que podemos fazer para nos tornarmos a melhor e mais feliz versão de nós mesmos.

Os mandamentos são como um manual – direto do fabricante – para o funcionamento ideal de nossas almas.

A estrutura desses mandamentos pode nos dar uma direção para encontrar o nosso caminho de volta a Ele, mesmo quando nos sentimos longe do Espírito ou sabemos que estamos vivendo abaixo de nossos privilégios em termos de revelação, esperamos ser dignos de recebe-la.

Lembro-me de uma passagem de Cartas de um diabo a seu aprendiz, de C. S. Lewis, quando um diabo experiente aconselha seu sobrinho sobre os processos e procedimentos de desviar o homem e diz:

“Não te deixes enganar, Vermebile. A nossa causa nunca está mais em perigo do que quando um humano, que já não deseja, mas ainda pretende, fazer a vontade do nosso inimigo, olha em volta para um universo do qual cada traço dele parece ter desaparecido, e pergunta por que ele foi abandonado, e ainda obedece.”

Às vezes olhamos para o nosso universo e não O vemos, mas não é porque Ele não está lá. Nós somos aqueles que vagueiam.

Contudo, Ele deixou as noventa e nove ovelhas para vir à nossa procura e a obediência é a maneira de garantirmos que seremos encontrados.

O Élder Uchtdorf voltou a Dresden 70 anos depois de ter sido destruída e disse que mais uma vez “a cidade voltou a ser uma ‘Caixa de Joias’. As ruínas foram removidas, e a cidade está restaurada e até aperfeiçoada.

falará

Da mesma forma, a vida nesta terra não irá nos deixar aos pedaços sem que possamos ter a oportunidade de sermos restaurados.

O Senhor tem uma visão para nós, maior ainda do que a visão que temos para nós mesmos e Ele tirará os tijolos que fazem com que nos sintamos dispersos e indignos e nos transformará em algo ainda maior do que antes, se permitirmos.

E as noventa e nove que Ele deixou para vir à nossa procura? Quem são elas?

Cristo diz que são “noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento” e o que isso significa para mim é que não há noventa e nove.

Em toda a história do mundo, se você procurar em todas as idades e populações, você não encontrará noventa e nove pessoas que não tinham a necessidade de arrependimento.

Todos nós somos as ovelhas perdidas.

E todos nós estamos sendo procurados com fervor pelo Bom Pastor.

Fonte: Meridian Magazine

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *