O que todas as mães de adolescentes devem saber sobre a pornografia

Este artigo é uma tradução de “What Every Mother of Teenage Boys Should Know about Pornography“, publicado na Meridian Magazine. O nome da autora não foi divulgado para preservar sua privacidade.

Eu tenho um número de filhos grande o suficiente para que quando o meu mais novo sair de casa eu terei sido a mãe de meninos adolescentes por vinte anos.

Um destes rapazes lutou muito com pornografia. Como parte de sua jornada, participei de grupos de apoio para mães de crianças viciadas em pornografia. Como mãe, e como participante, vi como este vício pode ser devastador para as mães.

Somos mães que fazem o melhor para criar um ambiente saudável em casa, que estabelecem normas para que o que seja assistido na televisão seja apropriado, que leem todos os conselhos sobre como lidar com perguntas sobre sexualidade e tentam vencer o próprio desconforto para ajudar os filhos a estar confortáveis com o seu corpo e impulsos.

No entanto, pode ser absolutamente difícil descobrir que nosso doce menino (ou menina) entrou no cruel e viciante mundo sexualidade objetivada. Sentimos que falhamos com os nossos filhos, falhamos com a sociedade, falhamos com o Senhor.

Nós duvidamos de cada interação que tivemos com nossos filhos sobre intimidade, duvidamos de nossa decisão de filtrar o conteúdo da internet (ou não), que programas de tv vimos ou não.

Principalmente, lutamos para entender como alguém que amamos poderia ter se afastado de nosso abraço maternal e seguido em direção a imagens e vídeos que achamos repugnantes e perturbadores.

E nos perguntamos se haveria algo que poderíamos ter dito, um exemplo que poderíamos ter dado, que teria impedido nossos queridos filhos de percorrer esse caminho perigoso e viciante.

Compartilharei com vocês uma história e espero oferecer-lhes conforto.

Minha preparação

Quando estava grávida do meu quinto filho, um menino, algo estranho aconteceu. Sou uma mulher perfeitamente normal, tive alguns namorados no ensino médio e nem sempre fui muito certinha.

Nunca fiz nada realmente sério, mas tive algumas conversas com o meu bispo, e tive que fazer algum esforço para desenvolver um testemunho de castidade e trabalhar para ser totalmente digna de ir ao templo.

Eu assumi que eu entendia o que meus meninos (ainda naquela época nenhum era adolescente) iria passar em seus próprios anos de ensino médio.

Senti que podia sabiamente, e com o peso da experiência, guiá-los através do labirinto da puberdade, em seus primeiros amores e desejos.

Mas no início da quinta gravidez, senti uma mudança poderosa no meu corpo e na minha mente. À medida que o bebé crescia, a minha libido também crescia.

Foi divertido, e até engraçado, no início… fiz piadas com o meu marido que me sentia uma adolescente, e rimos ao falar sobre uma segunda lua-de-mel.

Com o passar do tempo, a pequena “faísca” extra transformou-se numa fogueira. O meu marido, que pensava que isto era um bom efeito secundário do início da gravidez, ficou frustrado com a minha abordagem cada vez mais obstinada ao nosso casamento.

Distraí-me das minhas responsabilidades em casa, perturbei o meu sono, e os meus sentimentos ameaçaram tomar conta da minha vida.

Se eu não fosse uma mulher casada, posso afirmar sem dúvida que nunca teria passado por aquela gravidez sem quebrar a lei da castidade.

Não porque eu não tivesse um testemunho, e não porque não tentei, orei, me distraí, li escrituras, pense sobre como meus pensamentos esmagadores estavam me levando longe de minhas responsabilidades sagradas para com meus filhos e meu chamado, mas porque algo sobre a minha resposta hormonal a esta gravidez estava sendo maior do que eu.

Senti-me como se andasse à deriva num rio turbulento, mal sobrevivia, mal conseguia evitar me afogar.

Questionamentos e aprendizados

Nunca imaginei que uma mulher adulta pudesse sentir-se assim, e me afastei da minha família e dos amigos, completamente incapaz de expressar a ninguém o poder esmagador e assustador do que eu sentia.

Eu não conseguia pensar em nenhuma maneira de falar sobre o que estava acontecendo comigo sem que as pessoas pensassem que eu era “suja”.

Mas eu não tinha feito nada de errado! Eu não era o culpada, e no entanto, a minha mente se encheu de pensamentos e o meu corpo de sentimentos que eu não podia controlar.

Depois do bebê nascer, este estranho e indesejado efeito secundário desapareceu. Foi, sem dúvida, algum tipo de reação hormonal à gravidez. Mas saí daquela experiência como uma mulher diferente.

Um dia, vendo-me tão oprimida por pensamentos e sentimentos sexuais que não podia cuidar dos meus filhos e tive que me trancar no meu quarto e esperar que a onda passasse, eu tinha orado a Deus para tirar aquilo de mim.

Perguntei-lhe porque no mundo, depois de 5 gravidezes sem incidentes, aquilo estava a acontecendo comigo. A resposta que recebi foi que eu “precisava saber como era”.

Uma responsabilidade sagrada

Mães, já se passaram muitos anos, mas senti-me inspirada hoje a escrever isto para vocês. Quero que saibam que passei pelo que alguns dos nossos filhos estão sentindo quando são jovens e as seus hormônios estão à flor da pele.

Obviamente, não é o mesmo para todos, mas pelo menos para alguns deles, os efeitos dos hormônios são esmagadoras.

Claro, alguns adolescentes podem simplesmente tomar a decisão de satisfazer os seus piores impulsos, mas outros (e suspeito, a maioria dos que foram criados no evangelho) não estão sendo fracos e indulgentes, tanto quanto enfrentando uma luta tremendamente injusta

A maioria de nós, como mulheres, nunca estará sujeita às enormes ondas de testosterona que os nossos rapazes experimentam, e por isso não entendo como se podem envolver em tais coisas.

Porém, já passei por isso, e aprendi que é pior do que poderia jamais imaginar.

Eles não são responsáveis pelo rio que os arrasta, e ainda assim eles se sentem envergonhados de pedir ajuda porque pensam que serão considerados “sujos”.

Mães, cuidar dos nossos filhos é a nossa responsabilidade mais sagrada. Somos obrigados a fazer o que pudermos para proteger os nossos filhos dos males da pornografia e da experimentação sexual.

Uma época diferente

mídias sociais

Temos o chamado sagrado para demonstrar um modo de vida diferente, melhor e mais puro, mas também precisamos entender que estamos vivendo uma nova fase da mortalidade.

Vivemos em um mundo onde Satanás reuniu suas forças, alavancou toda a aprendizagem e ciência que as mentes mortais acumularam, tudo para escravizar jovens homens e mulheres na pornografia.

A pornografia é projetada para ser viciante. E ainda pior, toda a nossa cultura moderna foi lenta mas deliberadamente corroída, na medida em que muitas coisas que teriam sido consideradas pornográficas nas gerações anteriores, estão agora disponíveis na tv aberta.

Nossos antepassados passaram a adolescência fazendo trabalhos braçais duros de manhã à noite, lendo livros clássicos e a Bíblia, desgastando seus surtos hormonais com exercício e ignorância.

Nossos filhos passam a adolescência sentados em mesas, olhando para celulares, tendo poucas responsabilidades e rodeados de tentações sexuais de todos os tipos possíveis, e uma indústria pornográfica desenvolvida por mentes poderosas com o propósito expresso de atrair e enganar os jovens.

Os jovens com vício em pornografia não são piores do que seus antepassados, eles são meramente colocados em uma situação desastrosamente difícil.

Por mais limpos e puros que façamos nossos lares, nossos filhos (e filhas) podem ter acesso à pornografia no celular de um amigo, em um carro, na escola, ou mesmo na Igreja (confie em mim sobre isso).

Podemos ensinar-lhes o que fazer em situações como essa, mas algumas dessas crianças também estarão lidando com hormônios avassaladores e podem ser submersas por eles, apesar de seus ensinamentos e seus próprios esforços honestos.

O alcance, a sofisticação e o poder manipulador daqueles que criam e promovem a pornografia é um dos exércitos mais poderosos que Satanás já acumulou.

Mães, nós somos capazes

Mães, por favor, compreendam que o envolvimento na pornografia não significa necessariamente que o seu filho é sujo, fraco, ou rejeita os seus ensinamentos. Ele pode ter lutado com toda a sua força contra impulsos que se provaram demasiado fortes para ele.

E saiba que se seu filho tiver problemas com isso, você não é um fracasso. Somos as primeiras mulheres na história a criar crianças na era da internet.

Não quero sugerir que não podemos proteger os nossos filhos da pornografia e de outros males.

Podemos, devemos, e muitas vezes fazemos. Só quero dizer que estamos enfrentando uma luta mais dura do que as nossas mães e avós enfrentaram. E mesmo que façamos tudo certo, os efeitos da pornografia não são os mesmos para todos.

Alguns têm uma luta muito mais difícil do que outros. E todos têm uma luta mais dura do que qualquer geração de meninos (ou meninas) em toda a história do mundo até o momento.

O jovem que enfrenta problemas com o vício em pornografia não é uma pessoa ruim, ele é jovem, inexperiente, e está preso em um rio que é muito forte para ele.

Você não pode ajudá-lo se estiver muito sobrecarregada pela culpa, decepção ou nojo.

É o seguinte, as mães da Igreja de Jesus Cristo foram escolhidas e preparadas para este dia. Se somos chamados para cuidar de crianças que lutam contra seus próprios corpos e as vastas forças do diabo, é porque podemos fazê-lo.

Podemos ser o espaço seguro para os nossos filhos. Podemos mostrar-lhes compaixão por suas lutas, apoiá-los quando se sentem desesperados, e testemunhar do poder da Expiação.

Não podemos fazer muito sobre a praga da pornografia ou os efeitos físicos dos hormônios, mas podemos ser mães para os nossos filhos.

A boa notícia é que somos as mães dos últimos dias, sabemos como esta história acaba.

Satanás e os seus servos têm poder sobre esta Terra, com certeza, e podem aprisionar temporariamente aqueles que são inconscientes ou hormonalmente vulneráveis.

Contudo, sabemos que o diabo vai perder! Temos um Salvador, e enquanto não desistirmos, estaremos do lado Dele no final.

Fonte: Meridian Magazine

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *