O que podemos aprender com as tradições lamanitas?

“Acreditando na tradição de seus pais, que é esta — Acreditavam que haviam sido expulsos da terra de Jerusalém por causa da iniquidade de seus pais e que haviam sido injustiçados por seus irmãos no deserto; e que também haviam sido injustiçados enquanto atravessavam o mar; E também que haviam sido injustiçados na terra de sua primeira herança, depois de haverem atravessado o mar… porque diziam que Néfi tirara de suas mãos o governo do povo; e porque partiu para o deserto, e levou os registros que estavam gravados nas placas de latão; porque diziam que ele os havia roubado.”

Mosias 10:12-16

Saber

À medida que os leitores passam pelas batalhas, muitas vezes sangrentas, entre os nefitas e os lamanitas, pode ser difícil entender quais motivos levaram estes dois povos a um conflito tão frequente, culminando com o fim de toda a nação nefita. Cada guerra entre esses grupos provavelmente teve suas próprias causas imediatas dentro de seu contexto histórico, cultural, político e econômico. No fundo, a guerra contínua foi impulsionada por grandes diferenças ideológicas entre os nefitas e os lamanitas, que se originavam na divergência de suas visões sobre suas histórias de origem compartilhada.

O Livro de Mórmon representa principalmente o ponto de vista nefita: Leí foi um profeta inspirado, que levou sua família para fora de Jerusalém pouco antes dela ser destruída e uma terra prometida foi escolhida para sua posteridade. Néfi, como o filho fiel e obediente, foi escolhido pelo Senhor para ser o governante e mestre sobre a família e povo depois que Leí faleceu. Com a ajuda do Senhor, Néfi repetidamente e milagrosamente realizou feitos impressionantes—tais como a obtenção das placas de latão, o uso da Liahona para obter comida, e até mesmo construir e navegar um navio através dos oceanos—que demonstrou seu status como o herdeiro adequado de Leí, apesar de ser o mais novo dos filhos de Leí que nasceram em Jerusalém.

Lamã e Lemuel, infelizmente, viam as coisas de forma diferente e transmitiam uma tradição que perpetuava a sua perspectiva sobre esses eventos. O entendimento completo de seu ponto de vista é impossível, uma vez que nenhum registro lamanita está diretamente disponível nos dias de hoje, mas a tradição lamanita, resumida a partir da perspectiva nefita, está em pelo menos cinco lugares no Livro de Mórmon (ver 1 Néfi 16:35-38; 17:17-22; Mosias 10:12-17; Alma 20:10, 13; 54:16-17, 20-24).

Com base nestas sugestões, Lamã e Lemuel evidentemente concordaram com os “judeus em Jerusalém”, acreditando que o povo de Jerusalém estava vivendo corretamente a lei de Moisés e rejeitaram a veracidade das revelações de Leí e Néfi. Em sua visão, observou Richard L. Bushman, “eles estavam vivendo uma vida prazerosa no meio de seus tesouros e coisas preciosas na terra de Jerusalém”, e Leí, apoiado por Néfi, “os afastou desses prazeres e os sujeitou ao perigo, aflição e fome.” No deserto, “eles aumentaram sua raiva com tempo, sempre que os eventos traziam suas queixas originais à tona: que eles foram feitos para sofrer privações por causa das tentativas de Néfi de governá-los.”

Assim, Lamã e Lemuel acreditavam que eles foram erroneamente “expulsos da terra de Jerusalém, por causa das iniquidades” de Leí, que eles foram “injustiçados no deserto” e “injustiçados durante a travessia em direção à terra prometida” e “injustiçados enquanto estavam na terra da primeira herança” por Néfi, porque ele “tinha tomado de suas mãos o direito de governar as pessoas”, e ele “roubou os registros que estavam das placas de latão” (Mosias 10:12-16). “De sua perspectiva”, observou Randal A. Wright, “eles sentiam que tinham muitas evidências que comprovavam suas queixas. Eles podiam olhar seus filhos nos olhos e acreditar que estavam dizendo a verdade enquanto falavam das iniquidades de Leí e Néfi.”

O porquê

Tão sinceramente quanto Lamã e Lemuel e seus descendentes podem ter tido essas opiniões, Bushman observou que não podemos “justificar os lamanitas… A história lamanita seria uma história amarga, de um povo obcecado com um sentido perpétuo de privação e injustiçados desde o início e injustiçados para sempre, vivendo por vingança, com sangue nas suas espadas.” Wright acrescentou: “Lamã e seus muitos descendentes passaram a vida inteira focados no que perderam e prestaram pouca atenção ao fato de que eles tinham sido abençoados com infinitamente mais do que todas as riquezas deixadas em Jerusalém.”

No entanto, é importante entender o ponto de vista lamanita, mesmo que essa perspectiva seja útil e historicamente desamparada. Na verdade, quando Wright sentou-se para pesquisar o ponto de vista lamanita no Livro de Mórmon, “acabou por ser uma das coisas mais esclarecedoras” que ele já tinha encontrado. Wright tirou várias lições deste exercício, como:

  • Se as crianças são ensinadas a odiar uns aos outros, fica difícil mudar essas opiniões.
  • Um líder justo ou iníquo pode começar tradições que duram por gerações.
  • Muitas vezes nos concentramos tanto no que as outras pessoas têm que esquecemos o que temos.

Bushman também argumentou que há valor em aprender sobre o ponto de vista lamanita. “Uma vez que a forma como escrevemos a história está intimamente ligada aos valores culturais básicos, na recuperação da perspectiva lamanita, obtemos uma visão mais clara das duas culturas e, ao que parece, uma compreensão mais profunda da religião nefita.”

De acordo com Bushman, a “história lamanita”, ensina aos leitores sobre “as terríveis consequências de desentendimentos do passado.” Bushman disse:

Os lamanitas compreenderam erroneamente o seu passado e interpretaram muito mal o seu propósito. A sua história ensinou-lhes que eles tinham sido injustiçados e que o seu destino era corrigir esse erro por meio de uma guerra implacável contra os nefitas. A tradição incorreta de seus pais foi a causa da energia mal empregada, do sofrimento incalculável, e dos rios de sangue derramados.

Jovens Guerreiros de Helamã

Juntamente com isso, a contínua história entre os nefitas e lamanitas revela que, embora “podemos realmente ter que nos defender com força” às vezes, “a defesa nem sempre acabará com as guerras.” Os lamanitas sempre voltavam com força, até eliminarem todos os nefitas completamente. Em vez disso, Bushman apontou para os filhos de Mosias, que partiram para convencer os lamanitas da falsidade de suas tradições, ao convertê-los ao evangelho de Jesus Cristo (Alma 17:9; 24:7; 25:6). Embora reconhecer que sua missão “não terminou permanentemente as guerras lamanitas”, Bushman observou que “os filhos de Mosias mostraram como alcançar a paz —por meio da conversão a Cristo e à história correta da fundação daquela nação.”

Da mesma forma, nos tempos modernos, preservar e proteger uma visão correta do passado é crucial. Manter e consultar os registros contemporâneos de eventos originais são passos necessários para transmitir uma compreensão precisa do passado. Além disso, reconhecer e cultivar o Espírito de Deus dá vida à história de qualquer nação ou povo. Porque, como Alma aprendeu com o seu serviço dedicado, “a pregação da palavra surtia um efeito mais poderoso sobre a mente do povo do que a espada” (Alma 31:5). Na verdade, a chave para uma paz mundial duradoura é encontrada no evangelho de Jesus Cristo.

Fonte: Book Of Mormon Central

Relacionado:

O poder de libertação: Por que Néfi matou Labão?

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *