O que o Salvador quis dizer com ‘não duvideis, não temais’

Depois de concordar sobre discursar em uma reunião sacramental, revi os meus diários de estudo do ano passado à procura de inspiração. Fiquei surpresa ao ver que a maioria de minhas impressões espirituais me apontavam para uma mensagem central:

“Buscai-me em cada pensamento; não duvideis, não temais.” (Doutrina e Convênios 6:36).

Embora o comprimento da escritura possa sugerir simplicidade, percebi que sua doutrina não é simples na prática. Na verdade, o Presidente Russell M. Nelson disse: “É necessário muito esforço mental para buscar o Salvador em cada pensamento. Mas, quando nos esforçamos, nossas dúvidas e nossos temores se vão.”

Buscar a Cristo para me ajudar a gerir todos os meus pensamentos e emoções exige muita prática — é difícil! Mas também é libertador. Estou me libertando da dúvida e da armadilha de acreditar que as coisas nunca irão melhorar.

Ao preparar meu discurso, percebi que poderia estar interpretando Doutrina e Convênios 6:36 de maneira errada. Eu costumava pensar que era um versículo com três mandamentos: 1)Buscai-me, 2) Não duvideis, e 3) Não temais. Mas agora vejo isso como um mandamento seguido de duas bênçãos. Talvez o Senhor esteja dizendo: Buscai-me em cada pensamento, e Eu te ajudarei a não duvidar e não temer.

Notei que pelo menos três maneiras específicas de buscar a Deus podem fazer uma diferença significativa em nossas vidas. E os frutos dessa diferença são bênçãos que eu acho que todos desejamos.

Busque a Deus para ter fé no futuro

Em maio, terminei a faculdade. Nos meses que antecederam a formatura, tive muitas conversas que foram mais ou menos assim:

Uma pessoa simpática: “Uau! Isto é tão emocionante! Mal posso esperar para ver o que aguarda você no futuro!”

Eu respondi assim: “Obrigada! Estou entusiasmada e grata por isto estar acontecendo.”

Mas por dentro estava assim: “Minha nossa, isto é assustador. O que vou fazer com a minha vida?”

A faculdade era difícil, mas tão boa, e temia que não houvesse nada para mim no futuro, a não ser o coronavírus. Orei muito para não me sentir tão assustada. Para ser tranquilizada. Para parar de temer e duvidar. E este breve trecho de um livro de Emily Freeman, que pertence a uma denominação cristã diferente, foi a minha resposta:

Diversas vezes, logo após Jesus realizar um milagre, ele deu algo simples a se fazer. Para o leproso, ele disse para não dizer a ninguém, mas vai, mostra-te ao sacerdote.” Para o paralítico, ele disse: “Levanta-te, e toma o teu leito, e vai para tua casa.” Para Jairo e sua esposa, depois de levantar sua filha dos mortos… ele não deu um sermão sobre dedicar suas vidas a ele… em vez disso, disse-lhes para lhe darem algo para comer.

Ao invés de um plano de vida, uma visão clara, ou uma lista de objetivos de cinco anos, o leproso, o paralítico, e Jairo e sua esposa receberam instruções claras de Jesus sobre o que fazer a seguir-e somente isso. Talvez ele saiba algo sobre o nosso vício pela clareza. Ele sabia que se conseguíssemos tirar-lhe um plano de cinco anos, aceitaríamos e seguiríamos o nosso caminho feliz.

Depois que Jesus fez milagres, ele deu o próximo passo a se fazer de maneira inconfundivelmente clara. Mas e para nós? Vamos pegar as sugestões de Jesus para nós, considerar o que significam e fazer o próximo passo agora. Não é o próximo grande passo. Não é o próximo passo impressionante. Apenas o próximo passo certo à nossa frente (ênfase adicionada).”

Você não ama isso? “O próximo passo certo” tornou-se um mantra na minha vida agora.

Há cerca de dois meses, comecei um novo emprego para ajudar a gerenciar a revista bimestral do LDS Living. Até agora, a parte mais estressante do trabalho para mim é ser paciente enquanto planejamos o conteúdo futuro e esperar que os artigos sejam satisfatórios.

Eu adoraria ter todo o conteúdo para os próximos cinco anos alinhados, e então eu poderia confortavelmente passar todo o tempo que eu quero fazendo as coisas de maneira perfeitas e nunca ter que me preocupar com um artigo.

Mas não funciona assim. Não pode funcionar assim. A maioria das histórias que vamos apresentar na revista ainda nem aconteceram!

Algumas vezes não fazemos o mesmo com as nossas vidas? Insistimos em planejar coisas que ainda não podemos planejar? Nós só podemos ir tão longe, como os jareditas em seus barcos e navios, “confiando-[nos] ao Senhor [nosso] Deus.” (ver Éter 6:4).

Buscar a Deus sobre o futuro me encorajou a viver como se minha vida fosse importante, como se eu tivesse algo que preciso realizar então é melhor eu seguir em frente, na verdade, é melhor eu me apressar, mas preciso fazer isso um dia de cada vez e ao lado de Cristo.

Busque a Deus para parar de se condenar por suas fraqueza

Ao buscar a Deus, podemos aprender a parar de nos condenar por nossa fraqueza e encontrar a confiança para continuar tentando.

Eu estava estudando Joseph Smith História no início deste mês e fui atingida por uma frase que eu nunca tinha notado antes. Mas primeiro, vou lembrar você do contexto. Quando Joseph tinha 14 anos, ele queria saber o que fazer para seguir a Deus de maneira correta.

Depois de lutar com a pergunta por um tempo, Joseph decidiu orar e perguntar diretamente a Deus o que fazer. Em resposta a essa oração, Joseph teve uma experiência milagrosa: Deus e Jesus Cristo apareceram a ele.

Eles explicaram que, no momento, o plano completo de como viver com Deus novamente não estava em nenhum lugar na Terra, mas que Joseph ajudaria a trazê-lo de volta.

Imagino que o Joseph tenha saído daquele bosque espantado com o que lhe tinha acontecido.

Mas passaram-se três anos e nada aconteceu. Três anos é uma eternidade para um adolescente! Eu nunca tinha imaginado no que o Joseph estaria sentindo e pensando durante esse tempo. Talvez entusiasmado no início? E então nervoso? E depois confuso?

Joseph nos conta em sua história pelo menos um pouco do que estava pensando depois desses três anos: “muitas vezes senti-me condenado por minhas fraquezas e imperfeições” (JSH 1:29).

Pobre Joseph. Talvez ele estivesse pensando se poderia realmente fazer o que Cristo lhe tinha dito. Talvez pensasse que Deus tinha mudado de ideia e encontrado outra pessoa para fazer o trabalho. Joseph não era bom o suficiente?

Felizmente, Joseph não se prendeu em seus medos. Em vez disso, ele buscou a Deus.

Joseph orou para saber seu “estado e posição perante ele.” Em resposta a essa oração, Joseph teve uma visão na qual um anjo lhe assegurou que Deus ainda o queria.

Deus ainda tinha uma obra para Joseph executar. Me pergunto se Joseph suspirou de alívio quando o anjo foi embora.

Fiquei impressionada com o exemplo de Joseph de buscar a Deus em face da dúvida sobre si mesmo, mas também pelo que buscar a Deus fez pela confiança de Joseph durante o resto de sua vida.

Só posso presumir que o Joseph se sentiu inadequado depois daquela experiência, mas não conheço um momento em que foi impedido por esses sentimentos.

Joseph parece parar de se preocupar tanto com suas fraquezas quando descobre que Deus é misericordioso e solícito, não duro e condenador.

Buscar a Deus em cada pensamento ensinou a Joseph como Deus é, e pode fazer o mesmo por nós.

Quando aprendemos que Deus é bom, podemos confiar que Ele nos use apesar das nossas fraquezas, e deixamos de nos preocupar tanto com elas.

Acredito que nos sentiremos mais confiantes em experimentar coisas novas ou assumir projetos difíceis porque sabemos que Deus, em toda a sua bondade, estará lá para nos ajudar.

Buscar a Deus nos ajudará a parar de nos preocupar com resultados e apenas tentar.

Busque a Deus para vencer o medo

Alguma vez você já sentou e pensou em quão bom será no céu? Essa é uma maravilhosa linha de meditação, se você gosta desse tipo de prática. Ao meditar, ponderei sobre esta citação do Presidente Nelson pelo menos umas cem vezes:

“Em um dia futuro, vocês vão se apresentar perante o Salvador. Será tão arrebatador que verterão lágrimas por estarem em Sua presença. Vão ter dificuldades para encontrar palavras para agradecer-Lhe por pagar por seus pecados, por perdoar-lhes de qualquer maldade com outros, por curá-los das injúrias e injustiças desta vida.

Vão Lhe agradecer por fortalecê-los para fazer o impossível, por transformar suas fraquezas em forças e por tornar possível viverem com Ele e com sua família para sempre. A identidade, a Expiação e os atributos Dele vão se tornar pessoais e reais para vocês.

Mas vocês não precisam esperar até que isso aconteça. Decidam ser um de Seus verdadeiros discípulos agora.  Sejam aqueles que O amam verdadeiramente, que realmente querem servir e liderar como Ele o fez.”

Aprendi que levar tempo para pensar em Cristo e no nosso futuro com Ele traz um poder muito real para superar pensamentos temerosos. Mas esse tempo com Cristo tem que ser intencional e diário.

Há alguns meses, li algumas páginas de um livro de uma artista que gosto muito todos os dias antes de dormir. E sabe de uma coisa? Me vi começando a pensar como ela, e até a falar como ela escreve. Esta experiência não foi necessariamente algo ruim, apenas me mostrou o quão poderosa repetição consistente é.

Se você quer que Cristo esteja em sua mente, você precisa pensar Nele.

Para os nossos medos fugirem, temos de os expulsar com lembranças diárias concentradas. Isso parece ser o que Mórmon diz a seu filho em Morôni 9:25 (ênfase adicionada):

“Sê fiel em Cristo, meu filho; e oxalá não te aflijam as coisas que te escrevi, a ponto de causar-te a morte, mas possa Cristo animar-te; e os seus sofrimentos e a sua morte e a manifestação do seu corpo a nossos pais e sua misericórdia e longanimidade e a esperança de sua glória e da vida eterna permaneçam em tua mente para sempre.”

Vindo de Mórmon isso significa muito! A vida de Mórmon estava cheia de desespero. Ele não conseguiu escapar. A maior parte da sua família estava morta, todos à sua volta eram maus, e ele teve de vagar pelo continente só para sobreviver. Em outras palavras, ele deve ter se tornado profissional em buscar a Deus para vencer o medo.

A instrução de Mórmon para seu filho é não deixar que seus medos causassem sua morte, mas sim pensar em tudo o que Cristo fez e “animar-se”.

Nós também podemos experimentar deste ânimo, mas requer mais do que uma oração rápida ou um versículo da escritura antes de dormir.

Para mim, normalmente é preciso mergulhar nas verdades do plano de salvação, silenciando as distrações e me concentrando somente naquilo.

Estas verdades não entra sem ser convidada por mim. Mas quando deixo a porta constantemente aberta, ela aparece. Às vezes devagar, às vezes com pressa.

Quando os medos pesarem sobre você, deixa que Cristo te eleve. A Liahona publicou um artigo que me fez amar ainda mais os exemplos de Mórmon e Morôni. Aqui está a minha parte favorita do artigo:

“Quando parece que chegamos ao limite, podemos nos consolar ao manter uma perspectiva eterna e cultivar uma fé semelhante à de Morôni. Se assim fizermos, temos a promessa de que “[poderemos] fazer todas as coisas que (…) são convenientes [a Cristo]” (Morôni 10:23). Podemos saber que o Pai Celestial está conosco. Podemos ter confiança de que Seu plano de felicidade nos proporcionará uma maneira de superar todas as tragédias que enfrentaremos na mortalidade. E podemos nos cercar da luz, da alegria e das bênçãos do evangelho restaurado de Jesus Cristo.”

Com uma perspectiva eterna, temos sempre uma razão para ter esperança. E podemos confiar que um dia todos seremos capazes de dizer: “como as coisas poderiam melhorar?

Eu realmente acredito que “todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus” ou, em outras palavras, para os que buscam a Deus (Romanos 8:28). Acredito que buscar a Deus em todos os pensamentos, não duvidar, não temer é um estilo de vida. E é algo pelo qual sou grata.

Fonte: LDS Living

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *