A páscoa está chegando e muitos têm se perguntado se os santos dos últimos dias comemoram esse dia. Para aqueles que têm essa dúvida, a resposta é um sonoro sim, nós comemoramos a páscoa!

No entanto, a páscoa tem um significado muito espiritual para nós. Não é apenas um dia que trocamos chocolates. É um dia que verdadeiramente recordamos a ressurreição de Jesus Cristo.

O Élder Christophe Kawaya Bakajika, Setenta da Área África Sudeste escreveu sobre o que significa a páscoa para os santos dos últimos dias:

“O significado espiritual da Páscoa é centrado na morte, expiação e na ressurreição do nosso Senhor Jesus Cristo. Antigamente, pretendia-se comemorar a passagem do povo de Israel da escravidão para a liberdade. Naquela época, a festa da Páscoa era celebrada através da cerimônia, cujos rituais foram cumpridos com a morte e a ressurreição do nosso Senhor Jesus Cristo.

O profeta Amuleque profetizou que:

“Todo o significado da lei de Moisés era apontar o povo de Israel para o derradeiro, grande e último sacrifício de Jesus Cristo em Getsêmani e em Gólgota” (Alma 34:12–15).

De fato, para permitir que o povo de Israel saísse do Egito, o Senhor decretou a morte de todos os primogênitos dos homens, e todos os primogênitos dos animais (Êxodo 11:5). Ele ordenou que eles pusessem o sangue de um cordeiro do primeiro ano, sem defeito, em ambas as ombreiras e na verga da porta nas casas onde deveriam comer (Êxodo 12:5–7).

Ao refletirmos sobre a celebração da Páscoa, o poder do Espírito Santo pode nos ajudar a perceber o motivo da morte e da ressurreição de Jesus Cristo. Além disso, podemos perceber o impacto da ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos em todos os habitantes da Terra.

A primeira vez que Jesus Cristo celebrou a antiga Páscoa, ele manifestou o seu poder divino multiplicando os pães e os peixes (Marcos 6:30–43). Foi especialmente durante a segunda e a última Páscoa que o Senhor deu um significado mais completo a esta festa, instituindo a ordenação sacramental (Lucas 22:19–20).

Poucas horas depois de instituir a ordenação do sacramento, Jesus foi arbitrariamente preso, crucificado, e o seu corpo colocado em um novo sepulcro. (Mateus 27:58–60).

Muitas pessoas testificaram da ressurreição de Jesus Cristo. As escrituras nos dizem que depois do seu enterro, no início do primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o sepulcro. Elas encontraram a pedra do túmulo removida para o lado enquanto o corpo de Jesus não estava mais lá. Um anjo de Deus disse-lhes que Jesus havia ressuscitado como ele havia dito. Ele recomendou a elas que fossem imediatamente e informassem aos seus discípulos (Mateus 28:1–10; Marcos 16:1–12; João 20:11–18). Além disso, diante de uma grande multidão de pessoas na terra de Abundância, o Senhor Jesus Cristo mostrou-se a eles e pediu a cada um deles para meter as mãos no seu lado, para que eles pudessem apalpar as marcas dos cravos em suas mãos e em seus pés, para que eles soubessem que ele é Deus e foi morto pelos pecados do mundo (3 Néfi 11:14; versículos 1, 14–17; Alma 11:40–45).

Hoje, a Páscoa é a lembrança anual de que através da expiação e ressurreição do Senhor, podemos ser redimidos da escravidão espiritual (ver 2 Néfi 9:6–9; 2 Néfi 8; Mosias 13:35; 15:20; Alma 33:22; 40:3). É uma verdade absoluta.

Em relação a magnificência do sacrifício expiatório, que possibilitou a ressurreição, o profeta Gordon B. Hinckley (1910–2008) deu o seguinte testemunho:

“A magnífica expressão do Seu amor veio em Sua morte quando Ele deu a Sua vida como um sacrifício para todos os homens. Essa Expiação, forjada em dor inexprimível, tornou-se o maior evento da história, um ato de graça para o qual os homens não deram nada mas a qual, trouxe a garantia da Ressurreição a todos que tenham ou possam andar pela terra.” (“Na Mais Gloriosa das Épocas”, Conferência Geral de outubro de 1999).

Através da experiência espiritual do Presidente Gordon B. Hinckley, podemos perceber que:

A Páscoa é um símbolo da ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos. A ressurreição de Jesus Cristo, portanto, torna-se um testemunho irrefutável da imortalidade da alma.

Pelo seu ato de caridade, o nosso Senhor Jesus Cristo abriu o caminho da vida eterna a todos os que obedecem aos Seus mandamentos. O primogênito de Deus já se ofereceu como um sacrifício expiatório pelo bem de toda a humanidade. É uma verdade absoluta.

Por causa da ressurreição de Jesus Cristo, temos a esperança que, todos nós voltaremos na presença de Deus para sermos julgados.

Pela ressurreição de Jesus Cristo, nenhuma injustiça na condição mortal será permanente porque as exigências da justiça já foram satisfeitas por nós (Alma 34:15–16).

Referindo-se ao sacrifício expiatório de Jesus Cristo, o Presidente Russell M. Nelson declarou que:

“É o Salvador que nos livra da morte física e espiritual,Jesus é a fonte do nosso socorro, cura, perdão ou poder” (“Invocando o Poder de Jesus Cristo em Nossa Vida”, A Liahona, maio de 2017, p. 40).

A declaração do Apóstolo Russell M. Nelson denota a importância da missão do Salvador, como enfatizado pelo profeta Joseph Smith, que declarou enfaticamente que “os princípios fundamentais da nossa religião são o testemunho dos apóstolos e profetas, em relação a Jesus Cristo, que Ele morreu, foi enterrado, e ressuscitou no terceiro dia, e subiu ao céu; e todas as outras coisas que pertencem a nossa religião são apenas apêndices a isso” (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja: Joseph Smith [2007], p. 54).

Ao refletirmos sobre tudo referente a missão do Salvador e ao Seu sacrifício expiatório, percebemos que através da Expiação e ressurreição do Senhor, podemos ser redimidos da escravidão espiritual e estar preparados para seguir o caminho da vida eterna como família.”

“A Páscoa é um feriado cristão que comemora a Ressurreição de Jesus Cristo. Depois que Cristo morreu na cruz, Seu corpo foi colocado em um sepulcro, onde permaneceu separado de Seu espírito até Sua Ressurreição, quando Seu espírito e Seu corpo foram reunidos. Os santos dos últimos dias afirmam e testificam que Jesus Cristo ressuscitou e vive hoje com um corpo glorificado e aperfeiçoado de carne e ossos.”

Relacionado:

O que Cristo fez quando morreu na cruz? Ele foi ao Mundo Espiritual?