O Élder Holland que eu conheço

Nota: Este artigo e as opiniões aqui descritas são uma tradução do texto escrito por Jeff Bennion, intitulado “The Elder Holland I Know” e publicado no site Public Square Magazine.

Aqueles familiarizados com a minha história sabem que tenho sido bastante aberto sobre a minha sexualidade por um bom tempo.

Estive na TV, fui citado em artigos de notícias, capítulos de livros, e apareci em vários podcasts com e sem a minha esposa.

Nem sempre foi assim, e quando comecei a considerar me envolver em coisas que abordam este assunto, fiquei muito apreensivo.

A primeira vez que o assunto surgiu, fui convidado para participar de um projeto onde eu iria divulgar publicamente minha experiência com atração pelo mesmo sexo para uma audiência nacional.

Então, soube que o Élder Holland estava envolvido no mesmo projeto. Alguns amigos mútuos se ofereceram para me colocar em contato com ele, para que eu pudesse obter seu conselho se minha participação no projeto era uma boa ideia. Eu disse sim e depois me esqueci.

Alguns dias depois, recebi uma daquelas ligações da sede da Igreja que faz o seu coração acelerar.

Pensei, “o que eu fiz agora?” A pessoa muito gentil na ligação apresentou-se como secretária do Élder Holland.

Foi então que me lembrei daqueles amigos que se ofereceram para me colocar em contato com ele, fiquei mais calmo, mas apenas um pouco. Eu iria conversar com um apóstolo!

Rapidamente coloquei minha esposa na ligação e a secretária dele passou a chamada ao Élder Holland.

Discutimos sobre a oportunidade. Ele deixou claro que a Igreja não exigia ou esperava que eu participasse daquele projeto.

Tudo o que eles pediram foi que eu continuasse a viver o evangelho e cuidar da minha família.

Mas ele também disse que, após ponderar em oração sobre as minhas circunstâncias individuais, se eu quisesse revelar algo tão pessoal ao mundo, ele iria apoiar minha decisão, se aquela fosse a minha escolha.

Cito esta experiência porque há muitos alegando que o Élder Holland não acredita que as pessoas devem revelar sua orientação sexual publicamente, ou que ele só quer que eles não se manifestem sobre o assunto.

Isto é categoricamente uma calúnia, não só no meu próprio caso, mas em vários outros que também conheço. Em cada caso, ele sempre é solidário e encorajador.

Enquanto estava ao telefone com ele, mencionei outra preocupação. Será que as minhas palavras seriam retiradas de contexto, editadas ou talvez eu dissesse algo insensível ou descuidado e trouxesse injúria sobre mim e sobre minha família?

O Élder Holland disse que tinha a mesma preocupação.

Ele brincou que se algumas coisas que ele dissesse fossem retiradas do contexto, ele poderia adorar com os metodistas antes que a semana acabasse.

Mas ele disse que, embora não quisesse falar por mim, em seu caso, ele estava disposto a correr o risco por causa de seu testemunho do evangelho restaurado.

(Pensando nisso agora, lembro-me da escritura em Jeremias 20:9: “mas foi no meu coração como fogo ardente, encerrado nos meus ossos; e fiquei fatigado de contê-lo, e não posso mais”.)

Depois desta semana, se as pessoas acreditarem no que algumas outras estão dizendo sobre ele, não tenho a certeza se os metodistas o aceitariam.

Em alguns dos sites mais acessados da Internet, é como se ele devesse ser exilado da sociedade e julgado por tentativa de homicídio.

Aquele telefonema não foi a minha primeira (nem a última) vez em que conversei com o Élder Holland, com quem econtrei diversas vezes desde 1988.

Ele foi meu professor do Livro de Mórmon na BYU, enquanto também era presidente da universidade.

Alguns meses depois, quando eu estava no Centro de Treinamento de Provo, ele visitou o local várias vezes como um setenta recém-chamado.

Holland

Nessas interações, fiquei impressionado com sua paixão pelo evangelho, seu forte testemunho e seu domínio evocativo da língua inglesa.

E acima de tudo, fiquei admirado com o amor e o cuidado que ele demonstrava por todos os que o rodeavam.

Tenho uma imagem na minha mente depois de todos estes anos. Eu estava andando pelo corredor do CTM e à minha direita, vi o Élder Holland, de joelhos, segurando a mão de uma mulher numa cadeira de rodas.

Ele a ouvia atentamente, ajoelhado para estar ao nível dos olhos dela, enquanto carinhosamente segurava sua mão.

Então, a certa altura, ele deu-lhe palmadinhas nas bochechas (como fez com o Élder Dube) e beijou-lhe a testa, dizendo-lhe que a amava.

Ao longo minhas interações subsequentes com ele, e ao observar as suas interações com os outros, percebi que este é o jeito dele.

Se alguma vez você tiver o inesquecível privilégio de conhecê-lo, ele irá olha-lo profundamente nos seus olhos. Ele pegará na sua mão com uma mão, e com a outra tocará no seu cotovelo ou ombro.

Fonte: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias – Foto retirada em novembro de 2018.

Conheço poucos homens que são tão bons com as palavras como ele, mas o que impressiona você quando o conhece é como ele presta muita atenção quando falamos e a inteligência das suas perguntas.

Um velho amigo meu revelou sua orientação sexual para ele, e o Élder Holland, que já apertava sua mão, o puxou para perto, e disse a ele com grande convicção, “nós precisamos de você na Igreja. Por favor, fique conosco! Nós o amamos. Não ouse nos deixar!”

Você pode ler sobre a ministração angelical do Élder Holland para a família Matis após o trágico suicídio de seu filho e irmão, Stuart, na parte Fred & Marilyn Matis do livro In Quiet Desperation.

Ele continua um querido amigo da família há anos. Alguns anos atrás, no final de uma reunião sacramental em que eu estava e o Élder Holland também, fui até ele e apertei-lhe a mão.

Apresentei-me dizendo que era “amigo do Fred e da Marilyn Matis, se é que me entende”.

“Oh!,” ele disse “sei exatamente o que você quer dizer!” E então ele me aproximou com seu braço livre e novamente com aquele olhar intenso e amoroso, disse-me o quanto ele me amava e apreciva minha permanência na Igreja.

Estas duas mentiras perniciosas sobre o Élder Holland – que ele não quer que as pessoas discutam publicamente a sua orientação sexual, e que ele tem pouco cuidado com pessoas como eu que ele nos quer fuzilados – parte o meu coração.

Os meus próprios olhos ficam cheios de lágrimas com a calúnia ultrajante contra um homem querido que observei, amei e interagi por mais de três décadas.

Tenho vergonha de confessar que, neste momento, não sinto amor em meu coração por aqueles que tão justamente denunciaram este homem.

Élder Holland, peço desculpa por isso. Neste momento estou aquém desse exemplo amoroso que tão maravilhosamente o define para mim ao longo destas várias décadas observando as suas palavras e ações inspiradoras.

Estou sobrecarregado de tristeza e raiva que pessoas que foram vítimas de mal-entendidos e rejeição, tão completa e cruelmente rejeitariam este bom homem.

Quantas vezes amigos, em circunstâncias semelhantes às minhas, esperavam que a Igreja falasse sobre isso mais abertamente, com mais frequência?

O Élder Holland fez isso, repetida e amorosamente durante décadas. Mas agora este homem deve ser condenado porque alguns não gostam da metáfora que usou?

O meu coração está arrasado. Não só é uma traição ao homem, pior, é uma traição aos próprios princípios que professamos defender.

Para pessoas como nós que foram tão incompreendidas, eu esperava que tivéssemos um pouco mais de cuidado para entender.

Para as pessoas que tantas vezes foram injustamente rejeitadas, espero que sejamos um pouco mais cuidadosos antes de rejeitarmos outra pessoa.

Em algumas décadas, depois de os ter visto mostrar o mesmo amor, aceitação e coragem que observei no Élder Holland, talvez eles ganhem o direito de aconselhá-lo nas escolhas de suas palavras.

cova

Por agora, parece que muitos não aprenderam nada e esqueceram tudo sobre este grande homem, que abençoou ricamente a minha vida e incontáveis outras.

Em momentos de graça, tive vislumbres do céu. Noutros momentos, como este, sinto que vislumbrei o inferno.

As escrituras falam do inferno com imagens como gemer e ranger de dentes. Elas dizem: “os ímpios são como o mar bravo, porque não se pode aquietar, e as suas águas lançam de si lama e lodo” (Isaías 57:20).

O adversário é conhecido como “o grande acusador”, mas um de seus atos mais nefastos é clonar sua natureza acusadora em outros, como Dan Ellsworth escreveu.

Infelizmente, já vimos isso acontecer muitas vezes desde o discurso do Élder Holland, mesmo entre aqueles que professam a fé cristã, enquanto não dão o passo básico de pedir a Deus para revelar o que Ele sente sobre o Élder Holland e sua mensagem.

Se eles tivessem feito esse esforço antes de somente atacar, seriam capazes de discernir a sabedoria e o amor nas observações do Élder Holland em vez de tirar conclusões descuidadas sobre o assunto e lançar acusações nas redes sociais.

| Para refletir, Popular

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *