Você sabia que Joseph Smith se candidatou a Presidente dos EUA?

profetas mórmons

Joseph Smith é o Profeta da Restauração, pois ele foi o instrumento de Deus para trazer de volta verdades preciosas do evangelho que estavam perdidas. Sua vida foi um exemplo de retidão e de devoção ao Senhor e Salvador Jesus Cristo. Entretanto, Joseph Smith não era um profeta lunático – daqueles que ficam prevendo o iminente fim do mundo e usam roupas rusticas. Joseph era jovial, animado, estudioso e um ativo participante nas questões da comunidade.

A experiência de Joseph Smith na política começou com suas observações na juventude. Em 1805, quando Joseph nasceu, os Estados Unidos tinham proclamado a Independência apenas 29 anos atrás. Havia muitas ideias e conflitos políticos entre os americanos. Tais conflitos afetavam diretamente a vida de Joseph, sua família e também dos santos dos últimos dias. E essa foi uma das razões para Joseph se envolver ativamente em assuntos do tipo.

No final de 1843 o Profeta Joseph Smith tomou a decisão de concorrer a eleição presidencial de 1844.

“Ele escreveu para John C. Calhoun, Lewis Cass, Richard M. Johnson, Henry Clay e Martin Van Buren, os homens  mais freqüentemente mencionados como candidatos para o cargo de presidente dos Estados Unidos. Ele perguntou a cada homem qual seria sua posição com relação aos santos dos últimos dias, caso fosse eleito, especialmente com relação a ajudar a obter compensação pelas propriedades [dos membros da Igreja e da Igreja] perdidas em Missouri. Dos cinco, Cass, Clay e Calhoun responderam com uma carta, mas nenhum deles propôs o tipo de intervenção federal que o Profeta e os membros da Igreja desejavam. Parecia óbvio que não havia ninguém que os santos pudessem apoiar para a presidência. Por esse motivo, Joseph Smith reuniu-se com os Doze em 29 de janeiro de 1844 para considerar o curso das eleições daquele ano. Os irmãos apoiaram unanimemente a proposta de criarem sua própria chapa, com Joseph Smith como seu candidato à presidência.” [1]

Joseph Smith escreveu:

“Depois da conferência de abril realizaremos conferências gerais por toda a nação, e eu estarei presente em todas quantas me for possível. Digam ao povo que tivemos presidentes liberais e democratas demais; queremos um Presidente dos Estados Unidos. Se eu chegar à cadeira presidencial, protegerei o povo em seus direitos e liberdades.” [2]

Com a ajuda de William W. Phelps, John M Bernhisel e Thomas Bullock, que tinham bastante experiência política, Joseph resumiu suas ideias de uma campanha em um panfleto intitulado “Os Pontos de Vista do General Smith sobre o Poder e a Política do Governo dos Estados Unidos”, que foi publicado em 7 de fevereiro e enviado a cerca de duzentos líderes políticos do país. As propostas de Joseph visavam sensibilizar eleitores de ambos os partidos mais importantes.

 

Quais eram as propostas de Joseph Smith?

  • Joseph Smith defendia a abolição da prisão por débito [3]. Ele queria Anistiar muitas pessoas que estavam na prisão, estabelecendo sentenças de serviços públicos para os crimes menores, e queria transformar as penitenciárias em “seminários de aprendizado” porque a “severidade e a reclusão nunca farão tanto para reformar as tendências humanas quando a razão e a amizade” [4].
  • O profeta queria abolir a escravidão em 1850, pagando os donos de escravos com o lucro da venda de terras públicas [5].
  • Criar um banco nacional com filiais em cada estaca e território e fazer circular uma moeda padrão. Anexar o Texas e o Oregon [6].
  • Revisão dos nobres sentimentos do propósito do governo dos Estados Unidos expressos por Benjamin Franklin
    e nos discursos inaugurais de vários presidentes dos Estados Unidos. Isso incluía o fato de que o presidente Van Buren [7] havia começado a conduzir o país para longe dos conceitos básicos dos fundadores da nação norte-americana. A ideia de Joseph era “Eleger um presidente que não seja mais leal a seu partido do que à nação, mas um presidente dos Estados Unidos que seja sensível ao desejo da maioria do povo e que tenha poder soberano de governo.”
  • Reduzir o tamanho do Congresso em dois terços, com um representante por milhão de habitantes. Também reduzir a remuneração e o poder dos membros do congresso [8].
  • Abolir a corte marcial militar por deserção e tomar a honra como padrão de conduta.
  • Fazer mais economia no governo nacional e dos Estados.
  • Repelir o artigo IV seção 4 da Constituição, que exigia que o governo de um Estado solicitasse intervenção federal para suprimir violência interna, porque muitos governadores são eles próprios os agressores (a Expulsão do Missouri estava bem fresca na mente de Joseph).
  • Evitar “alianças embaraçosas” com potências estrangeiras.
  • O vice-presidente seria James Arlington Bennet. Porém, ele declinou o convite, e Sidney Rigdon, conselheiro do Profeta, tornou-se o candidato à vice.

 

Campanha e Morte do Profeta

Em 11 de março de 1844, uma reunião de conselho foi realizada em Nauvoo para organizar “o reino político de Deus em preparação para a segunda vinda de Cristo.”

“Sendo candidato a um alto cargo político, parecia haver chegado o tempo para dar início ao corpo que também serviria como comitê eleitoral para sua campanha. O conselho consistia de cerca de cinquenta membros, incluindo a maioria dos líderes da Igreja. Tornou-se conhecido como o Conselho dos Cinquenta. No final de abril, uma lista de élderes e suas incumbências relacionadas à campanha foi publicada no Nauvoo Neighbor. Também ficou decidido, numa convenção realizada no início de maio, em Nauvoo, a garantir a designação de delegados de vários estados para uma convenção nacional a ser realizada em Baltimore, Maryland, em julho para lançar a candidatura
de Joseph Smith à presidência dos Estados Unidos” [9].

Em maio de 1844, Joseph foi oficialmente indicado por uma convenção em Nauvoo, Illinois. Sua plataforma política pedia uma intervenção no governo em favor dos direitos religiosos e civis frente à perseguição. Ironicamente, Joseph e seu irmão foram mortos por uma turba em junho do mesmo ano, interrompendo definitivamente a trajetória de Joseph a um cargo político.

Joseph e seu irmão mais velho, Hyrum, foram assassinados a tiros em 27 de junho de 1844 por uma turba de 150 a 200 homens. Eles tinham sido presos em uma cadeia em Illinois sob falsas acusações de tumulto e traição após entregarem-se espontaneamente à lei. Joseph estava com 38 anos e Hyrum com 44.

 

Conclusão.

O que aconteceria se Joseph Smith não tivesse sido assassinado e concorre as eleições? E se ele vencesse as eleições presidenciais? Como isso afetaria os Estados Unidos? Como afetaria o mundo?

Essas respostas não podem ser dadas, pois Joseph Smith foi martirizado e sua proposta política foi com ele. Vários dos aspectos que ele indicava, contudo, para melhoria da nação, foram aproveitados anos mais tarde, como a história demostra.

Falando de Joseph Smith e de outros influentes pensadores da época, que procuram provocar mudanças drásticas na sociedade, um historiador disse: “Sem duvida, algumas dessas ideias reformistas pareciam inviáveis ou mesmo absurdas. É fácil zombar de tais visões. Mas então, é mais fácil labutar dia após dia convencidos de que o mundo deve funcionar porque… bem, sempre foi assim. Os que buscavam a perfeição sonhavam com a ousadia necessária para reconhecer que o mundo podia ser transformado com esforço e dedicação. As chamas da reforma se espalharam.” [10]

A influencia de Joseph, as chamas da restauração, espalharam-se muito mais do que no campo político. O Profeta, contudo, ao se candidatar, ensinou uma valiosa lição aos santos dos últimos dias e a todos os demais: que o envolvimento na política é adequado, que se deve procurar esclarecer seu ponto de vista e buscar reparação, que se deve procurar melhorar o mundo ao redor – e se deve pleitear por proteção e paz na nação.

 

___________

NOTAS

[1] História da Igreja na Plenitude dos Tempos, pg. 269

[2] History of the Church, 6:188.

[3] Muitos países hoje, inclusive o Brasil, aderiram o Pacto de São José da Costa Rica, de 22 de novembro de 1969, que proíbe a prisão civil por dívidas – exceto no caso de débito de natureza alimentar. Joseph Smith estava, portanto, 125 anos a frente de seu tempo!

[4] As prisões na época de Joseph Smith eram verdadeiros infernos. Pessoas eram confinadas em celas, trancadas em porões escuros “acorrentadas, despidas, fustigadas com varas e açoitadas para obedecer” Além disso pessoas com transtornos mentais eram colocadas juntas com criminosos. E em vários lugares o ambiente era insalubre. Ver mais em “Uma breve História dos Estados Unidos”, James West, L&PM, pg. 135. A ideia de pena reformadora – e não apenas punitiva, estava também muito a frente do tempo em que Joseph lançou essa ideia.

[5] A História dos Estados Unidos é cheia de conflitos étnicos-raciais. A questão da escravidão foi um dos fatores que levou a ordem de extermínio dos santos no Missouri, centenas de rixas políticas, dezenas de batalhas com centenas e mortos – e a Grande Guera Civil Americana, conhecida como Guerra da Secessão. Para resumir, os Estados sulinos nos Estados Unidos defendiam a escravidão – e os Estados do Norte não. Em 1863, com a Proclamação de Emancipação de Abraham Lincoln, deu um fim formal a escravidão – mas muitos anos se passaram até que ela estivesse completamente abolida, devido aos desafios culturais, econômicos e sociais que surgiram. Se Joseph tivesse sido eleito, ele teria emancipado os escravos 13 anos antes de Lincoln – o que talvez contivesse parte do problemas ou amenizasse a futura guerra (que Joseph mesmo previu em D&C 87 – leia mais sobre essa revelação aqui.)

[6] Para entender melhor as questões financeiras e territoriais do Estados Unidos naquela época recomendamos a leitura do livro “Uma breve História dos Estados Unidos”, James West, L&PM, capítulo 20 e 21.

[7]  “(…) seu governo foi caracterizado, em grande parte, pelas dificuldades econômicas do seu tempo, como o Pânico de 1837. Entre a sangrenta guerra, e a Aroostook Caroline Affair, as relações com a Grã-Bretanha e as suas colônias no Canadá também mostraram-se tensas. Querendo ou não, estes foram diretamente culpa dele; Van Buren perdeu as eleições depois de quatro anos.” (Wikipédia)

[8] Joseph Smith e os santos estavam bem informados nas desventuras e intrigas políticas. As rixas entre os deputados e senadores levam a constantes ameaças de guerras e a problemas econômicos. Joseph e seus companheiros devem ter imaginado que uma Câmara mais enxuta daria mais efetividade a governabilidade. Como, na época do Profeta, o voto excluía as mulheres, vários estrangeiros – e os escravos – a representatividade no Poder Legislativo e Executivo, ficava prejudicada. Além disso muitos aristocratas acabavam se tornando políticos para ter visibilidade e poder. Joseph Smith talvez estivesse tentando resolver esses problemas fazendo com que o cargo político fosse atrativo apenas para os que realmente desejavam melhorar a nação. Uma outra característica importante desta proposta é a representatividade por pessoa – algo que não acontecia naquela época – já que cinco escravos eram contabilizados como três, na contagem de habitantes. Joseph via mulheres, escravos, índios como filos de Deus – e estava consciente de que eles eram legítimos cidadãos, devendo ser contatos como os demais (os “brancos”).

[9] História da Igreja na Plenitude dos Tempos, pg. 270

[10] “Uma breve História dos Estados Unidos”, James West, L&PM, pg. 134

| Para refletir
Publicado por: Lucas Guerreiro
Escritor, Advogado, Membro da Comissão de Direito e Liberdade Religiosa da OAB/SP, Membro da J. Reuben Clark Law Society São Paulo. Fez Missão em Curitiba - Brasil. Gosta de desenhar, estudar filosofia, fotografar, viajar e assistir series de super-heróis.
Como Confiar em Deus Mesmo em Meio à Provações
beleza
Quero ser mais bonito. O Evangelho pode me ajudar?

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *