Fé x Medo

O mundo em que vivemos está ficando loucamente louco. Cheio de medo e dúvidas. Eu estava assistindo um programa de TV no outro dia, e um homem que estava cumprindo o tempo na prisão estava falando sobre quanto pior o mundo era hoje do que quando era criança. Muitas vezes eu ouvi membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias dizerem isso, mas fiquei surpreso ao ouvir isso de alguém que estava cumprindo a prisão por violar a lei. A preocupação desse homem era sair a tempo de ajudar seu filho a passar na adolescência para evitar seguir o mesmo caminho que o pai. Isso me lembrou uma citação do presidente Thomas S. Monson, que disse:  

“Vivemos em um tempo de grande maldade. O que nos protegerá do pecado e do mal do mundo hoje?”

Essas respostas são encontradas no evangelho de Jesus Cristo. Mas há uma advertência. O presidente Dieter F. Uchtdorf disse:

“Uma das maneiras com que Satanás deseja que manipulemos os outros é enfatizando e até exagerando os males do mundo.” [1]

Estas citações aparentemente não relacionadas e contraditórias são, na verdade, duas partes para toda uma perspectiva sobre o curso do mundo de hoje. O Presidente Monson disse:

“Afirmo que um forte testemunho de nosso Salvador, Jesus Cristo, e de Seu evangelho vai nos ajudar a nos mantermos seguros.” [2]

Precisamos entender o que está acontecendo no mundo de hoje sem ficar atormentado com medo de ter que lidar com isso. Precisamos armar com o conhecimento do Evangelho e enfrentar o futuro com fé e não com medo. Então, como fazemos isso?

Primeiro precisamos entender para onde o mundo está indo e por que. Uma das razões pelas quais o nosso mundo está no caos é que mais pessoas estão perdendo suas bússolas morais. O Élder Dallin H. Oaks advertiu:

“É bom se preocupar com nossa base moral. Vivemos em um mundo em que cada vez mais pessoas de influência estão ensinando e agindo com a crença de que não há absoluto certo e errado, que toda autoridade e todas as regras de comportamento são escolhas feitas pelo homem que podem prevalecer sobre os mandamentos de Deus. Muitos até questionam se existe um deus.

A filosofia do relativismo moral, que sustenta que cada pessoa é livre para escolher o que é certo e errado, está se tornando o credo não oficial para muitos na América e em outras nações ocidentais. No nível extremo, os atos do mal que costumavam ser localizados e cobertos como uma fervura são legalizados e desfilados como uma bandeira. Persuadidos por esta filosofia, muitas das gerações emergentes – jovens e jovens adultos – estão envolvidas em prazeres egoístas, pintura pagã e piercing em várias partes do corpo, linguagem suja, vestuário revelador, pornografia, desonestidade e indulgência sexual degradante.

Na crença fundamental no certo e errado, há um contraste alarmante entre as gerações mais velhas e as mais novas. De acordo com os dados da pesquisa de duas décadas atrás, 79%  dos adultos americanos acreditavam que havia diretrizes claras sobre o que é bom e o mal que se aplicavam a todos, independentemente da situação. Em contrapartida, uma pesquisa mais recente sugere que três quartos  acreditam que a diferença entre certo e errado é relativa”. [3]

Este relativismo moral, onde a indulgência é louvada e a restrição é mal interpretada, é um fundamento instável sem opiniões absolutas, apenas. A próxima pergunta a responder é por que isso está acontecendo?

O Destino do Mundo

Embora haja várias respostas a esta questão, a resposta mais simples é que o mundo se dirige para a Segunda Vinda de Jesus Cristo e esses eventos são um cumprimento de profecias sobre nossos dias. Élder Oaks explicou:

“As escrituras estão repletas de referências sobre a Segunda Vinda, um acontecimento ansiosamente esperado pelos justos, mas que os iníquos temem ou rejeitam. Os fiéis de todas as épocas refletiram a respeito da sequência e do significado dos diversos eventos que foram profetizados, tanto os que ocorreriam antes, como aqueles que ocorreriam depois desse marco na história do mundo.

Quatro fatos são indiscutíveis para os santos dos últimos dias: (1) O Salvador retornará à Terra em poder e grande glória para reinar pessoalmente durante um milênio de retidão e paz. (2) Na época de Sua vinda, os iníquos serão destruídos e os justos ressuscitarão. (3) Ninguém sabe quando Ele virá, mas (4) os justos são instruídos a estudar os sinais da Segunda Vinda e a preparar-se para ela.” [4]

Estes sinais da Segunda Vinda estão ao nosso redor e parecem estar aumentando em frequência e intensidade.

O que os sinais apontam é uma escalada da guerra entre Deus e Satanás, bem e mal. O Élder Jeffrey R. Holland ensinou:

“Satanás, Lúcifer ou o pai das mentiras — chamem-no como quiserem — é real. Ele é a própria personificação do mal. Sua motivação é sempre maldosa, e ele entra em convulsão quando surge a luz redentora, só de pensarmos na verdade. Número dois: ele se opõe eternamente ao amor de Deus, à Expiação de Jesus Cristo e à obra de paz e salvação. Ele vai lutar contra essas coisas sempre que puder e onde puder. Ele sabe que será derrotado e expulso no final, mas está decidido a levar consigo tantos outros quanto lhe for possível.” [5]

Embora isso pareça sinistro, o conhecimento de quem é Satanás e o que ele está tentando fazer nos dá poder. O Élder Richard G. Scott disse:

“Apesar dos bolsões do mal, o mundo em geral é majestosamente belo, cheio de muitas pessoas boas e sinceras. Deus providenciou uma maneira de viver neste mundo e não ser contaminado pelas pressões degradantes que os agentes do mal espalham por ele.”

Um firme alicerce

O evangelho de Jesus Cristo fornece um fundamento seguro para navegar nesses tempos turbulentos e mudar as filosofias. O bispo Dean M. Davies ensinou:

“Nosso amoroso e bondoso Pai Celestial e Seu Filho prepararam planos, ferramentas e outros recursos para nosso uso, a fim de que possamos edificar e estruturar nossa vida para que se torne firme e inabalável. A planta é o plano de salvação, o grande plano de felicidade. O plano nos mostra uma clara visão e compreensão do princípio e do fim, bem como dos passos essenciais, incluindo as ordenanças, que são necessários para que cada filho do Pai possa retornar a Sua presença e habitar com Ele para sempre.

Fé, arrependimento, batismo, o dom do Espírito Santo e a perseverança até o fim fazem parte do “projeto arquitetônico” da vida. Essas coisas ajudam a formar os devidos blocos de construção que vão ancorar nossa vida à Expiação de Cristo. Elas moldam e firmam a estrutura de apoio da vida de uma pessoa. Depois, assim como as plantas arquitetônicas do templo têm especificações que fornecem instruções detalhadas sobre como formar e integrar componentes essenciais, a oração, a leitura das escrituras, o sacramento e as ordenanças essenciais do sacerdócio são as especificações que ajudam a integrar e unir a estrutura da vida.” [6]

Encontramos os blocos de construção para este fundamento nas palavras dos santos profetas de Deus encontrados não apenas nas escrituras, mas também nos dias modernos.

O fator de medo

Quando começamos a estabelecer as bases da nossa fé, é importante compreender o fator medo. O Presidente Uchtdorf disse:

“Vamos falar sobre o problema do medo. Afinal de contas, quem nunca foi compelido pelo medo a comer melhor, a usar o cinto de segurança, a fazer mais exercícios, a guardar dinheiro ou até a arrepender-se do pecado?

O medo pode de fato ter uma forte influência sobre nossas ações e nosso comportamento. Mas essa influência tende a ser temporária e superficial. O medo raramente tem o poder de mudar o coração e jamais nos transformará em pessoas que amam o que é certo e querem obedecer ao Pai Celestial.

As pessoas que têm medo podem dizer e fazer as coisas certas, mas elas não sentem o que é certo. Muitas vezes, elas se sentem impotentes e ficam ressentidas, até mesmo iradas. Com o passar do tempo, esses sentimentos levam à desconfiança, à oposição e à rebeldia.” [7]

Assim, o medo não é um fundamento da fé. Devemos entender o mundo, mas não temê-lo. Da mesma forma, devemos entender as verdades do evangelho e segui-las porque queremos, e não porque temos medo do que pode acontecer se não o fizermos. O Senhor não quer que nós o tememos, Ele quer que possamos ter fé Nele. Esse é o caminho dele. O Presidente Uchtdorf continuou:

“Quanto mais conheço o Pai Celestial, mais vejo como Ele inspira e guia Seus filhos. Ele não é um Deus furioso, vingativo e retaliador. Seu verdadeiro propósito — Sua obra e Sua glória — é nos guiar, exaltar e conduzir à Sua plenitude.

Deus descreveu a Si mesmo para Moisés como um Deus ‘misericordioso e piedoso, tardio em irar-se e grande em benevolência e verdade’.

O amor do Pai Celestial por nós, Seus filhos, vai muito além de nossa capacidade de compreensão.

Será que isso significa que Deus fecha os olhos ou faz vista grossa para as condutas contrárias aos Seus mandamentos? Não, com certeza não!

Mas Ele quer mudar mais do que o nosso comportamento. Ele quer mudar nossa própria natureza. Quer mudar nosso coração.” [8]

Amor – O melhor caminho

Deus quer mudar nossa própria natureza. Então, como Ele procura nos motivar? O Presidente Uchtdorf explicou:

“Nosso Pai Celestial busca motivar-nos com amor – e o amor é o que Ele busca em troca. É o primeiro e grande mandamento. Mas por que? Ele quer que seguremos a barra de ferro com firmeza, enfrentemos nossos medos e prossigamos com bravura no caminho estreito e apertado. Ele deseja isso para nós porque nos ama e porque esse é o caminho para a felicidade.

Então, como é que Deus motiva Seus filhos a segui-Lo em nossa época?

Ele Enviou Seu Filho!

Deus enviou Seu Filho Unigênito, Jesus Cristo, para nos mostrar o caminho certo.

Deus motiva por meio de persuasão, longanimidade, brandura, mansidão e amor não fingido.Deus está do nosso lado. Ele nos ama e, quando tropeçamos, Ele quer que levantemos, tentemos de novo e nos tornemos mais fortes.” [9]

Nosso Pai Celestial busca motivar-nos com amor – e o amor é o que Ele busca em troca. É o primeiro e grande mandamento. Mas por que? O Presidente Uchtdorf ensinou:

“Deus, o Pai Eterno, não nos deu esse primeiro grande mandamento porque precisa que O amemos. Seu poder e glória não diminuem se ignorarmos, negarmos ou até evitarmos Seu nome. Seu domínio e influência se estendem pelo tempo e espaço independentemente de nossa aceitação, aprovação ou admiração.

Não, Deus não precisa que O amemos. Mas, oh, como precisamos amar a Deus!

Pois aquilo que amamos determina aquilo que buscamos.

E aquilo que buscamos determina aquilo que pensamos e fazemos.

Aquilo que pensamos e fazemos determina quem somos… e em quem nos tornaremos.” [10]

E nosso objetivo deve ser tornar-se como nosso Pai Celestial, pois esse é Seu plano para nós.

Fundação do conhecimento

O amor é o motivador de Deus para nós, mas o conhecimento é a ferramenta para nos ajudar a entender o porquê. Os santos dos últimos dias acreditam que o plano de salvação de Deus nos ensina de onde viemos, por que estamos aqui e para onde vamos depois que morremos. Ele também nos ensina as ferramentas que o Pai Celestial nos deu para chegar onde Ele quer que nós cheguemos. Isso explica por que há um certo e um errado – e que diferença faz em nossas vidas. O Élder Robert D. Hales ensinou:

“Em um conselho pré-mortal, o Pai Celestial nos explicou seu plano de redenção. O plano baseava-se em doutrina, lei e princípios que sempre existiram. Aprendemos que se aceitássemos e seguíssemos o plano, seríamos obrigados a deixar voluntariamente a presença do nosso Pai e  sermos testados para mostrar se escolheríamos viver de acordo com suas leis e mandamentos. Nós nos alegramos com esta oportunidade e sustentamos o plano porque nos ofereceu o caminho para nos tornarmos como nosso Pai Celestial e herdar a vida eterna.

Mas o plano não estava sem risco: se escolhêssemos na mortalidade não viver de acordo com as leis eternas de Deus, receberíamos algo menos do que a vida eterna. O Pai sabia que tropeçaríamos e pecaríamos como aprendemos pela experiência na mortalidade, então Ele providenciou um Salvador para redimir do pecado todos os que se arrependendessem e curasse as feridas espirituais e emocionais daqueles que obedecessem.

Jesus Cristo era o filho amado, escolhido e predestinado do Pai desde o início. Ele sustentou o plano do Pai e se ofereceu para ser nosso Salvador, dizendo: ‘Aqui estou eu, envia-me’. Assim, Jesus foi nomeado pelo Pai para ser o único a viver uma vida sem pecado na mortalidade, expiar pelos nossos pecados e aflições, e ressuscitar para quebrar as barreiras da morte.” [11]

O poder de escolha

Um dos princípios básicos do plano de Deus para nós é o poder de escolher por nós mesmos. O Presidente Monson disse:

“Tenho pensado ultimamente a respeito das escolhas e suas consequências. Quase não se passa uma hora do dia sem que tenhamos de fazer algum tipo de escolha. Algumas são triviais, outras têm repercussões maiores. Algumas não vão fazer diferença no esquema eterno das coisas, mas outras farão toda a diferença.” [12]

Estamos aqui nesta vida, de fato, para aprender a escolher entre o bem eo mal. O Presidente Monson continuou:

“Sabemos que tínhamos o arbítrio antes de este mundo existir, e que Lúcifer tentou tirá-lo de nós. Ele não confiava no princípio do arbítrio, nem em nós; e defendeu uma salvação imposta. Alegava que, com a utilização de seu plano, nenhum de nós se perderia; mas aparentemente não reconheceu — ou talvez não se importasse — que, desse modo, ninguém se tornaria mais sábio, mais forte, mais compassivo ou mais grato, caso seu plano fosse implementado.

Nós que escolhemos o plano do Salvador sabíamos que embarcaríamos numa jornada arriscada e difícil, porque percorreríamos os caminhos do mundo nos quais poderíamos pecar e tropeçar, sendo afastados da presença do Pai. Mas o Primogênito em Espírito ofereceu-Se como sacrifício para expiar os pecados de todos. Por meio de sofrimento indescritível, Ele Se tornou o grande Redentor, o Salvador de toda a humanidade, possibilitando assim nosso retorno bem-sucedido à presença do Pai.” [13]

Seu Pai Celestial sabia que Lúcifer – que é Satanás – nos tentaria e nos tentaria a fazer escolhas erradas. Mas através de Seu Filho, Ele nos ofereceu um caminho de volta. Isso se chama arrependimento.

Arrependimento

Nosso Pai Celestial nos deu o dom do arrependimento. Mas o que é isso? O Élder Dale G. Renlund explicou:

“A palavra arrependimento indica a expressão ‘perceber depois’ e implica uma ‘mudança’. Em sueco, a palavra é omvänd, que significa simplesmente ‘voltar atrás’. O escritor cristão C. S. Lewis escreveu sobre a necessidade de mudança e o método para se obtê-la. Ele observou que o arrependimento envolve ‘ser colocado de volta no caminho correto. Uma soma errada pode ser corrigida’, disse ele, ‘mas só se voltarmos até encontrar o erro e trabalharmos novamente daquele ponto em diante, nunca simplesmente seguindo em frente’.Mudar o nosso comportamento e voltar para o ‘caminho correto’ são partes do arrependimento, mas isso não é tudo. O arrependimento real também inclui voltar nosso coração e nossa vontade para Deus e renunciar ao pecado.Conforme explicou Ezequiel, arrepender-se é se converter do (…) pecado, e praticar juízo e justiça, [restituir] (…) o penhor, (…) [e andar] nos estatutos da vida, e não [cometer] iniquidade.

Essa é, no entanto, uma descrição incompleta. Ela não identifica adequadamente o poder que torna possível o arrependimento, que é o sacrifício expiatório de nosso Salvador. O arrependimento verdadeiro deve envolver fé no Senhor Jesus Cristo, fé que Ele pode nos mudar, fé que Ele pode nos perdoar e fé que Ele nos ajudará a evitar mais erros.” [14]

O arrependimento, então, é uma escolha para mudar nossos corações e alinhar-se com o Salvador.

Nossa motivação

É aí que vem a importância da nossa motivação. Estamos fazendo as nossas escolhas com base no medo ou na fé? Estamos escolhendo obedecer os mandamentos de Deus porque o amamos? Estamos ignorando os mandamentos porque tememos o que os outros podem pensar de nós? O verdadeiro arrependimento exige que voltemos os nossos corações ao Salvador e aos Seus mandamentos. Que decidimos fazer o que é certo porque amamos Deus e queremos ser como Ele. Ao fazê-lo, nos tornamos um discípulo de Jesus Cristo. O Élder Hales ensinou:

“Muitas pessoas ouvem a palavra discípulo e acham que ela significa apenas ‘seguidor’. Mas o discipulado genuíno é uma condição de ser, o que sugere ser algo além de estudar e de aplicar uma lista de atributos individuais. Os discípulos vivem de modo que as características de Cristo estejam entrelaçadas nas fibras do seu ser, como um tapete espiritual.” [15]

À medida que nos tornamos mais cristãos em nosso comportamento e ações, nossa fé substitui nossos medos. O Presidente Uchtdorf disse:

“Portanto, não somos ignorantes no que diz respeito aos desafios do mundo e temos consciência das dificuldades de nossa época. Mas isso não significa que devemos sobrecarregar a nós mesmos ou aos outros com medo constante. Em vez de darmos ênfase à imensidão dos nossos problemas, não seria melhor nos concentrarmos na grandeza e bondade infinitas e no poder absoluto de nosso Deus, confiando Nele e preparando-nos com um coração alegre para o retorno de Jesus Cristo?” [16]

Quando nos concentramos em nos tornarmos mais como nosso Salvador, podemos ver o mundo – e nosso lugar nele – com fé e confiança em Deus.

Este artigo foi escrito por Lisa M e traduzido por Inaê Leandro. O artigo original pode ser lido aqui.