Percebi que Deus não é um Papai Noel sobrenatural.

Grande parte da minha vida tentei não fazer parte da “Lista de crianças que não são boazinhas” de Deus. Fazia oração, lia as escrituras, ia à Igreja e verificava todas as caixas da minha suposta “lista de afazeres espirituais” em um esforço exaustivo para evitar ser o destinatário de algum tipo de carvão celestial. Mas, infelizmente (alerta de spoiler), nada disso jamais completamente me preencheu. Como mencionei anteriormente, havia sempre um sentimento lá no fundo de que eu era uma decepção, uma falha e que jamais seria capaz de atingir o nível de bondade que o “Papai Noel Deus” espera para ser elegível à lista de bons meninos e meninas.

Recentemente, os meus olhos começaram a abrir cada vez mais no que diz respeito à verdadeira natureza de Deus e Sua visão sobre mim, um de Seus filhos. Levei a sério esta citação do Élder Uchtdorf:

Quanto mais conheço o Pai Celestial, mais vejo como Ele inspira e guia Seus filhos. Ele não é um Deus furioso, vingativo e retaliador. Seu verdadeiro propósito — Sua obra e Sua glória — é nos guiar, exaltar e conduzir à Sua plenitude.

O Perfeito Amor Lança Fora o Temor” conferência geral de abril de 2017

Deus não é um espião onisciente que olha continuamente para baixo e registra cada passo em falso. Ele é o tipo de pai que participa— constantemente buscando formas de ajudar-nos e encorajar-nos.

Eu costumava acreditar que quando cometia um erro, Deus me deixaria de castigo. Imaginava-O dizendo: “Vou te deixar aqui por um tempo e quando você se organizar, vai merecer minha presença e minha ajuda de novo”.

Não. Totalmente errado. Seu amor e Sua presença estão sempre disponíveis a nós, não importa o que aconteça! Isso significa que quando sentimos que Ele é culpado pela distância que há entre nós e Ele, significa que fomos nós quem nos afastamos Dele. Como o bem conhecido autor C. S. Lewis disse uma vez em seu livro Cristianismo Puro e Simples , “embora nossos sentimentos vêm e vão, o amor de Deus por nós é imutável”.

O Élder Uchtdorf compartilhou este sentimento em um discurso de conferência Geral de outubro de 2009 intitulado “O amor de Deus”:

“Ele nos ama porque está infinitamente pleno de um amor santo, puro e indescritível. Somos importantes para Deus não por causa de nosso currículo profissional, mas por sermos Seus filhos. Ele ama todos nós, até mesmo aqueles que são imperfeitos, rejeitados, desastrados, sofridos ou angustiados.

Isso significa que, independentemente de nossa situação atual, há esperança para nós. Não importa qual seja nossa angústia, nosso sofrimento, nossos erros, nosso Pai Celestial é infinitamente compassivo e deseja que nos acheguemos a Ele, para que Ele possa achegar-Se a nós.”

Perceber o tipo de amor que Deus tem por nós tem sido um divisor de águas para mim. De verdade!

Quando descobri que Deus não usa meios de manipulação, mudei totalmente como interajo com os outros. Quer dizer, pense como seres humanos, fracos, ameaçam cortar relações para manipular um ao outro: Sem dúvida. “Bem, se você fazer isso comigo, não falarei mais com você.” Este tipo de tratamento é completamente ilógico, para não mencionar muito longe do divino.

O Élder John Groberg resumiu os resultados de compreender a verdadeira natureza de Deus:

“Quando entendemos quem é Deus, quem somos, como ele nos ama e qual é o seu plano para nós,, medo evapora. Quando chegarmos o menor vislumbre destas verdades, nossa preocupação sobre as coisas do mundo desaparece.

“O poder do amor de Deus,” de outubro de 2004 (grifo nosso)

Então, não é uma lista de verificação que vai mudá-lo no final das contas. Perceber e aceitar o amor de Deus para você, que é o que realmente fará com que você mude.

Isto é exatamente o que aconteceu com o povo do rei Benjamim.

Eles ouviram o rei benjamim ensinar que depois de “experimentar o amor de Deus”, estaremos “cheios do amor de Deus e [conservaremos] sempre a remissão de vossos pecados; e [cresceremos] no conhecimento da glória daquele que [nos] criou, ou seja, no conhecimento daquilo que é justo e verdadeiro” (Mosias 4:11-12).

E eles acreditaram.

O que aconteceu? Bem, quando eles abriram o coração para receber realmente o amor de Deus, eles passaram uma transformação incrível! Eles não só tinham o desejo de fazer o bem continuamente, mas experimentaram grande alegria (Mosias 5: 2-4)!

medo de namorar

Não sei sobre você, mas eu acho que há um monte de gente lá fora que procuram o mesmo tipo de incrível transformação espiritual que o povo do rei Benjamim passou e que não está feliz na vida. No entanto, em vez de construir um relacionamento com Deus e abrir o coração para receber o Seu amor, eles tentam encontrá-lo em uma lista de verificação de práticas religiosas que, no entanto bem-intencionada, pode na verdade desviar a atenção deles de encontrar uma verdadeira conexão com seu criador.

Mal sabe a maioria das pessoas que a fórmula é muito simples. Se resume a duas verdades simples encontradas no âmago da história sobre o rei Benjamim e seu povo:

Não precisamos transformar-nos para receber o amor de Deus.

Precisamos aceitar o amor de Deus e permitir que Ele transforme a gente.

Em última análise, Deus não mantém uma lista de filhos desobedientes e dos bonzinhos, como o Papai Noel.

Na lista consta quem Ele ama.

E adivinhem?

Estamos todos nela.

Fonte: MormonHub

Relacionado:

O Pai Celestial Não é o Responsável por Nossas Provações e Dificuldades