Curar o racismo por meio de Jesus Cristo

Nota: Esta é uma tradução de um artigo escrito por Tarik D. LaCour e postado em Footnotes do Hume

Fui designado para falar sobre o tópico “Curar o racismo por meio de Jesus Cristo”. Antes de começar, gostaria de dizer que estou tão apreensivo em dar este discurso quanto você em ouvi-lo.

Como um santo dos últimos dias que por circunstâncias biológicas é negro, não acho o tema do racismo muito interessante. Coisas interessantes são tópicos como cosmologia, neurociência e futebol. (Sim, você ouviu corretamente.)

O racismo é um assunto do qual todos nós sabemos a resposta. É errado e precisa ser combatido e rejeitado em todas os seus aspectos.

No entanto, como o racismo é um problema tanto na sociedade quanto na Igreja, ele precisa ser abordado com franqueza e honestidade. Oro para que o Espírito Santo seja meu companheiro ao abordar esse assunto.

Antes de falar sobre racismo, é necessário definir nossos termos cuidadosamente para que possamos falar a mesma língua.

Isso é difícil porque não existe uma definição universalmente aceita de racismo. É como a pornografia, por exemplo, onde você sabe quando vê, mas defini-la é quase impossível porque você corre o risco de deixar algo de fora ou de tornar o conceito tão amplo que pode significar qualquer coisa.

Com isso em mente, quando digo racismo, quero dizer o seguinte: comportamento que mantém inimizade entre grupos culturais ou étnicos. Essa inimizade pode ser mantida em nível pessoal ou institucional.

Eu disse anteriormente que o racismo é um problema tanto na sociedade quanto dentro da Igreja, portanto, permita-me primeiro dar alguns exemplos disso e, em seguida, concluir como o Salvador pode nos ajudar a aliviar o problema.

O racismo existe e nunca será completamente eliminado

Se o racismo pode sobreviver ao tráfico de escravos africanos, ao Holocausto, aos campos de internamento japoneses e outras atrocidades e ainda ser tão presente em 2021, é provável que nunca seja completamente erradicado.

O racismo não é um vírus que, como a Covid-19, onde podemos simplesmente receber uma vacina e seguir em frente com nossas vidas; em vez disso, é um câncer que continuará a sobreviver até mesmo ao mais forte dos tratamentos.

Alguns vão discordar, dizendo que embora o racismo certamente fosse um problema no passado, realmente não é mais ou se for, é apenas incidentalmente.

Há uma parte da verdade nessa visão. É verdade que o racismo em 2021 não é como em 1951. Se fosse esse o caso, eu hesitaria em me casar interracialmente e ter uma filha biracial no estado do Texas, Estados Unidos.

Estamos em uma posição melhor sobre esta questão do que estávamos há 70 anos, e sou grato por isso. Mas o sangue de nossos irmãos Ahmaud Arbery e George Floyd e nossa irmã Breonna Taylor clamam como o sangue de Abel uma vez, como testemunho de que embora o racismo possa estar “fraco”, ele não morreu e seu potencial é tão real como sempre. Não é um problema sobre o qual podemos ser indiferentes, é um inimigo que todos devemos combater juntos.

Ok, mas o racismo não é um problema na Igreja! Ah, como eu gostaria que esse fosse o caso.

Para ser claro, quando falo sobre racismo dentro da Igreja, não estou falando especificamente sobre a Estaca X ou Y, quero dizer isso em um sentido geral.

Assim como o racismo não desapareceu dentro da sociedade, ele não desapareceu dentro da Igreja. Para ser mais exato, melhorou.

Na década de 1950, quando a NAACP (Associação Nacional para o Progresso das Pessoas de Cor) estava ameaçando boicotar a conferência geral, o Presidente David O. McKay (um homem segundo meu coração) recusou-se a se reunir com eles.

Hoje, o Presidente Russell M. Nelson falou em conferências da NAACP e está trabalhando com eles. O presidente Oaks não poderia ter sido mais claro em sua oposição ao racismo em seu recente discurso em um devocional da BYU.

Sou grato que os profetas em Israel também entraram nessa luta, mas há um componente chave faltando. A razão pela qual o racismo é um problema na Igreja é que não reconhecemos abertamente nosso passado racial.

Em particular, a proibição da ordenação ao sacerdócio para homens e das ordenanças do templo para homens e mulheres de ascendência africana.

Embora as justificativas anteriores para a proibição tenham sido oficialmente rejeitadas (como aponta o registro em Tópicos do Evangelho de 2013 “As Etnias e o sacerdócio”), infelizmente a própria proibição às vezes ainda é defendida.

Vou ser muito franco: defender a proibição é racista e pode levar algumas pessoas a acreditar que Deus concorda com o racismo em certos momentos e circunstâncias ou que o racismo não deve ser inerentemente mau, já que Deus nunca comete erros.

Jamais venceremos o racismo como povo se continuarmos a pensar que antes de 1978 você era indigno de possuir o sacerdócio ou receber as bênçãos do templo sagrado devido à cor biológica de sua pele.

Se Deus chorou pela morte de Anne Frank, ele também chorou porque a alguns de seus filhos foram negadas as bênçãos do sacerdócio e as ordenanças do templo.

Não tenho tempo para entrar em detalhes sobre a origem da proibição do sacerdócio agora, mas vários historiadores santos dos últimos dias escreveram capítulos de livros e volumes inteiros sobre o assunto.

Em suma, acredito no que o Presidente Gordon B. Hinckley (que estava presente no templo na época da revelação de 1978) disse:

“Como pode um homem portador do Sacerdócio de Melquisedeque presumir arrogantemente que é elegível para o sacerdócio, enquanto outro que vive uma vida justa, mas cuja pele é de uma cor diferente é inelegível?”

Quero deixar claro que, quando digo que não devemos defender a proibição, não quero dizer que os homens que a instituíram não eram profetas.

A infalibilidade não decorre do fato de que um homem é chamado por Deus para ser seu porta-voz; as escrituras nos dão muitas evidências desse fato.

Chega de racismo no passado e no presente. O objetivo aqui é curar o racismo, não apenas pintar um quadro sombrio sobre ele. Jesus de Nazaré é o grande curador, e no Jardim do Getsêmani e na cruz do Calvário, ele suportou as dores daqueles que sofreram com o racismo no passado, no presente e no futuro.

Se as vidas negras não importam para mais ninguém, importam para Ele. Jesus Cristo não apenas sofreu seus efeitos, Ele nos deu Seu poder de quebrar as cadeias do racismo, se assim escolhermos.

A influência de Cristo

Veja como você pode ajudar a curar o racismo com a influência Dele. Quando aqueles que sofrem de racismo mencionam a você seus efeitos, não faça julgamentos.

Basta ouvir com atenção e oferecer um ombro amigo. Nossos convênios batismais exigem que choremos com aqueles que choram e consolemos aqueles que precisam de consolo.

E por muito tempo, as pessoas dentro e fora da Igreja só tiveram Jesus Cristo para chorar com elas. Como Seu discípulo, você precisa estar presente quando isso acontecer. Você não pode fazer tudo, mas pode fazer alguma coisa.

E por fim, pode ser que isso seja o mais difícil para alguns, o racismo não pode ser curado se não for explicitamente chamado como tal.

Quando Cristo viu o templo profanado com coisas que não deveriam ter acontecido ali, Ele não ficou apenas em silêncio.

Por favor, não entenda mal. Se vir ou ouvir um comentário racista, não se envolva em destruição de propriedade ou manifestações de ódio.

No entanto, você pode dizer que certos comentários são inadequados e porque são inadequados, de maneira amistosa. Isso exige cuidado e paciência, mas é o que Jesus faria.

Como diz o ditado frequentemente atribuído a Edmund Burke, tudo o que é necessário para o mal triunfar é que as pessoas boas não façam nada.

Os cristãos não podem cruzar os braços quando o mal surge; eles devem agir ou perder o direito de se intitularem cristãos. E o racismo é maléfico.

Perdoar

Permitam-me dizer antes de encerrar que, para curar o racismo, aqueles que foram afetados por ele devem estar dispostos a perdoar aqueles que os prejudicaram por meio do racismo pessoalmente, bem como aqueles que o praticaram no passado.

O Senhor não gaguejou quando nos ordenou que perdoássemos a todos os homens, o que significa passado, presente e futuro.

Somente para ilustrar, durante anos depois de entrar para a igreja, nutri raiva e hostilidade contra aqueles que haviam instituído a proibição.

Tempos depois, quando eu estava na faculdade em Utah, li uma das narrativas da crucificação e fiquei impressionado, embora já a tivesse lido muitas vezes, como Jesus de Nazaré foi capaz de perdoar aqueles que o estavam crucificando na época.

Mais tarde, enquanto trabalhava no prédio de escritórios da igreja como zelador, tive a impressão de que, se Jesus pudesse perdoar aqueles que o haviam crucificado, eu poderia perdoar aqueles que instituíram aquela proscrição.

Fiz isso naquele momento e não olhei para trás. Se você abriga sentimentos semelhantes, por favor, estenda o perdão àqueles que o prejudicaram e permita que a ferida pela qual Jesus morreu cure. Está na hora.

Para concluir, gostaria de prestar meu testemunho. Tenho uma firme convicção de que Deus ama todos os seus filhos e se preocupa com todos eles. Ele não tem favoritos, Ele ama a todos igualmente.

À medida que continuamos nossa caminhada para nos tornarmos semelhantes a Cristo, que possamos fazer o que ele faria neste momento: Elevar nossas vozes contra o racismo quando ele ocorrer, e estar presente para aqueles que foram e ainda são afetados por ele, tanto dentro como fora do Igreja. Em nome de Jesus Cristo. Amém.

Fonte: Footnotes to Home

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *