5 lições para aprender sobre a revelação pessoal

Em seu discurso na Conferência de Mulheres da BYU, a irmã Tracy Browning, membro do Conselho Consultivo da Sociedade de Socorro, falou sobre “Ampliar nossa capacidade de reconhecer e receber revelação”, e explicou que o processo que requer prática e tempo.

Separamos para você, as cinco lições que aprendemos de seu discurso. Confira:

Quando a mãe da irmã Tracy Browning estava pesquisando A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, ela chegou a um ponto crucial em seu estudo do evangelho restaurado: o desejo de saber se o Livro de Mórmon era a verdadeira palavra de Deus.

Ela fez uma oração fervorosa e a voz de Deus foi revelada a ela de uma forma inesperada e profundamente sagrada, mas o conteúdo de sua mensagem não respondeu diretamente à sua pergunta.

Irmã Browning durante a Conferência de Mulheres da BYU

“Agora, minha mãe tinha uma escolha”, disse a irmã Browning em seu discurso na Conferência de Mulheres da BYU.

“Ela colocaria de lado todas as experiências que teve enquanto lia o Livro de Mórmon e estudava com os missionários ou ela poderia agir com fé na doutrina que estava sendo ensinada e demonstrar sua confiança em Deus.”

Por fim, sua mãe decidiu ser batizada. Dois anos depois, quando ela se apresentou para receber o dom da investidura no templo, a voz familiar do Senhor foi mais uma vez ouvida. Então, a irmã Browning compartilhou:

“Ela ficou surpresa por ter sido agora, um tempo considerável após aqueles primeiros passos fiéis, que a confirmação que ela estava buscando chegou. Acredito que o Senhor queria demonstrar a ela que Seus preparativos para seu futuro discipulado se expandiram muito além do que ela era capaz de entender naquela época, que se ela estivesse disposta a agir, mesmo dentro dos limites de sua compreensão, Ele recompensaria sua fé”.

Receber revelação requer ação

Quando a irmã Browning tinha 16 anos, os missionários a convidaram para ser batizada e ensinaram-na que depois de seu batismo ela seria confirmada, o que a capacitaria para receber o dom do Espírito Santo.

“Em minha compreensão limitada na época, previ que no momento em que as mãos fossem colocadas sobre minha cabeça para que eu recebesse o Espírito Santo, eu sentiria uma espécie de sensação física ou reconhecível quando o Espírito do Senhor habitasse em mim”.

“Eu simplesmente esperava que daquele ponto em diante, o Espírito Santo e eu estabeleceríamos uma parceria confortável, fácil de discernir, sempre clara e sem esforço. Mas naquele dia, não houve nenhuma grande manifestação, nenhuma diferença exteriormente discernível em minhas sensibilidades, a não ser os sentimentos de paz, felicidade e reverência, que senti ao fazer meu primeiro convênio com meu Pai Celestial”.

A irmã Browning explicou que ela percebeu que seu relacionamento com o Espírito Santo exigia o exercício de afinar os ouvidos para ouvir a voz do Senhor, bem como um esforço constante e consistente para guardar seus convênios.

“O apelo do Presidente Russell M. Nelson à Igreja em 2018 para aumentar nossa capacidade espiritual de receber revelação e escolher fazer o trabalho espiritual necessário para desfrutar o dom do Espírito Santo e ouvir a voz do Espírito com mais frequência e clareza criou uma oportunidade para eu examinar o que é esse trabalho espiritual e o que eu poderia fazer para ampliar, para abrir mais espaço e para expandir minha capacidade espiritual de reconhecer e receber o máximo de orientação divina possível em minha vida “, disse a irmã Browning.

A prática traz perspectiva

“Outra maneira de ajudar a discernir a voz de Deus é empregar uma versão modificada da frase, ‘a prática leva à perfeição’, que chamo de ‘a prática traz perspectiva’. Optar por praticar consistentemente, agindo com fé nos bons pensamentos e sentimentos que você questiona a origem, pode convidar a uma habilidade de entender a voz do Espírito em sua verdadeira relação com outras vozes”, disse a irmã Browning.

Ela empregou o exemplo de um banqueiro que trabalha com dinheiro todos os dias. Esse banqueiro teria mais probabilidade de identificar notas falsas do que alguém que não lida com dinheiro com tanta frequência.

Características como as encontradas na moeda americana, como o papel sendo feito de uma mistura de linho e algodão, bem como a impressão em relevo, seriam identificadas por alguém que manuseia regularmente esse material.

O mesmo pode ser verdade com relação à revelação. Ao praticarmos o que é receber revelação, podemos identificar as características do Espírito.

A irmã Browning explicou algumas das perspectivas que aprendeu ao praticar sua fé:

“Quando o Espírito fala, Ele testifica de Jesus Cristo.

 Ele edifica minha fé nos princípios do evangelho.

Ele confirma a verdade e minhas escolhas corretas.

Ele acalma e remove meus medos.

Ele me incentiva a me arrepender, e isso é importante, sem condenação.

Ele às vezes me pede para fazer coisas que são contrárias à minha preferência pessoal, em vez de confirmar consistentemente uma ação alinhada aos meus desejos mais fortes.

Ele fala com confiança sobre meus talentos espirituais e dá avisos que me ajudam a navegar em territórios perigosos.”

Se a revelação persuade alguém a fazer o bem, vem do Espírito de Deus

A irmã Browning compartilhou uma experiência sobre quando sua filha única tinha 11 anos. Ela começou a sentir que queria fazer sua família crescer.

“À medida que o pensamento aumentava, às vezes eu lutava para entender se isso era uma orientação do Espírito ou se eu estava apenas manifestando sentimentos de culpa não resolvidos por minha filha estar envelhecendo, e eu também, e que a janela da oportunidade de expandir nossa família parecia estava fechando”, disse a irmã Browning.

Ela começou a conversar com seu esposo sobre seus sentimentos e se sentiu confortável com a ideia de se preparar para agir sobre seus sentidos.

Então, ocorreu uma provação inesperada atingiu sua família, o que resultou na irmã Browning e seu esposo prestando assistência jurídica para um filho de 4 anos de um parente próximo.

“Aqueles pensamentos de fazer nossa família crescer foram rapidamente deixados em segundo plano quando meu esposo e eu concentramos nossa energia e fé combinadas para buscar orientação sobre como ajudar este menino tão precioso e amado que estava sob nossos cuidados”, Irmã Browning disse.

“No entanto, durante aquele período difícil, houve, momentos lindamente comoventes em nossa vida no lar. Todos nós sentimos um aumento de alegria, união e plenitude dentro de nossa família, que proporcionou vislumbres de um futuro novo, mas incerto.”

Por fim, a criança foi selada à irmã Browning e ao esposo e, naquele momento, ela percebeu que o Senhor havia expressado palavras de preparação à sua mente e coração com o desejo de fazer sua família crescer.

“O Presidente Gordon B. Hinckley ensinou vigorosamente que saber a diferença entre a voz do Senhor e a nossa é, em última análise, perguntar a nós mesmos: ‘Isso persuade a pessoa a fazer o bem, a se elevar, a se erguer bem alto, a fazer a coisa certa, a ser gentil e a ser generosa? Então, isso vem do Espírito de Deus'”, disse a irmã Browning.

Ponderar sobre três perguntas pode nos ajudar ao buscarmos orientação divina

A irmã Browning convidou os ouvintes a ponderar consistentemente sobre três questões:

Como Deus está me convidando a conhecê-Lo?

Como Ele está procurando desenvolver minha confiança e segurança Nele?

Como Deus está tentando me abençoar por meio de minha obediência a Seus sussurros e conselhos?

“Cada uma dessas perguntas pode ajudar você a compreender, dar forma e proporcionar maior influência sobre as palavras de Deus em sua vida”, disse a irmã Browning.

Ela explicou que a revelação é a maneira como conhecemos a Deus e que Ele quer nos ajudar a conhecê-Lo por meio da revelação, que o Senhor deseja que exerçamos nossa fé Nele e que o arrependimento é um passo crítico para ouvir a Sua voz.

“Peça ao Senhor para iluminar todas as áreas de sua vida que podem estar criando obstáculos para ouvir e receber Suas palavras”, disse a irmã Browning.

““Você não precisa ser perfeito para ir perante o Senhor e pedir Sua ajuda. Ao se comprometer a se preparar para receber mais conselhos Dele em sua vida e permitir que Ele prevaleça, Ele instruirá você em todas as coisas que deve fazer. O processo de instrução de Deus é linha sobre linha, preceito sobre preceito, e para aqueles que ouvem Seus preceitos, receberão mais.”

Não há data de expiração para revelação

A irmã Browning compartilhou que certa vez recebeu uma inspiração espiritual que a informou de que mudanças estavam por vir em sua vida, que incluiriam certo crescimento e refinamento espiritual.

Ela começou a criar uma lista de verificação para cada experiência que estava tendo e percebeu no final de cada experiência que era o cumprimento daquela revelação pessoal.

Depois de vários anos de experiências espirituais cada vez maiores e algumas experiências desagradáveis ​​de crescimento, ela voltou ao Senhor e perguntou-Lhe quando seria capaz de dar aquela revelação como concluída.

“A resposta que recebi do Senhor foi simples. Não há data de validade para a revelação”, disse a irmã Browning.

“As mensagens de Deus podem continuar a se desdobrar ao longo do tempo, dando uma expressão mais completa e rica a cada mensagem em andamento, assim como a sugestão preparatória sobre o crescimento de minha família ou a resposta limitada de minha mãe à sua oração. Esta nova mensagem de Deus sobre meu discipulado pessoal tomou forma ao longo de muito tempo por meio de pequenos e fiéis passos que permitiram que mais do caminho fosse iluminado”.

A irmã Browning concluiu seus comentários com seu testemunho de que “se aceitarmos o sincero apelo de nosso profeta para aumentar nossa capacidade espiritual de receber revelação, seremos capazes de obter a inspiração e a orientação divina necessária para enfrentar os desafios e oportunidades da vida”.

Fonte: LDS Living

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *