A Igreja é neutra. E isso significa que ela não endossa, promove ou se opõe a partidos políticos, candidatos ou plataformas. Ela não tenta influenciar seus membros em relação a qual candidato ou partido devem dar seu voto. Essa norma se aplica se o candidato ao cargo político é membro da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias ou não.

Entretanto, a Igreja incentiva seus membros a ser cidadãos responsáveis na comunidade, inclusive mantendo-se informados sobre os assuntos relativos a ela, e a votar nas eleições.

A Igreja espera que seus membros se envolvam no processo político de forma ordeira e clara, respeitando o fato de que membros da Igreja têm origens e experiências diferentes e podem ter opiniões diversas em relação a partidos políticos.

Brigham Youngm disse a respeito das crenças dos mórmons:

“Somos um povo político? Sim, muito político. Mas a que partido vocês pertencem ou em quem votariam? Eu lhes direi em quem votaremos: votaremos no homem que apoie os princípios de liberdade civil e religiosa, no que tiver maior conhecimento e que tiver o melhor coração e cérebro para ser um estadista. Pouco nos importa se ele é um liberal-conservador, um democrata, (…) um republicano, (…) ou qualquer outra coisa. Essa é nossa política” (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja: Brigham Young, pg. 269)

Sendo assim, nós membros da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias procuramos participar da política, embora Igreja como Instituição seja neutra – e não apoie candidatos ou partidos.

Estátuas do Cristo

Em outubro de 2016 uma carta foi emitida pela pela Primeira Presidência de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, conhecida como Igreja Mórmon. Ela trata sobre a participação política dos membros. Embora seja de dois anos atrás, ela reflete precisamente a posição atual da Igreja – e é importante para o atual momento do Brasil.

Estimados Irmãos e Irmãs,

Participação Política, Votar e Neutralidade Política da Igreja
Como cidadãos, temos o privilégio e o dever de eleger os detentores dos cargos políticos e influenciar as políticas públicas. A participação no processo político afeta as nossas comunidades e nações na atualidade, e no futuro. Incentivamos os Santos dos Últimos Dias a ser cidadãos ativos, recenseando-se, exercendo o seu direito de voto, e envolvendo-se em assuntos cívicos.
Também os exortamos a despender o tempo necessário para se manterem informados acerca das questões políticas e dos candidatos que pensam eleger. Juntamente com as opções disponíveis através da Internet, dos debates, e de outras fontes, a Igreja ocasionalmente envia informações sobre determinadas questões morais em que tomou uma posição oficial no site www.MormonNewsroom.org.
Os princípios compatíveis com o evangelho podem ser encontrados em vários partidos políticos, e os membros devem procurar os candidatos que melhor representem esses princípios.
Enquanto a Igreja afirma a sua neutralidade institucional relativamente aos partidos políticos e aos seus candidatos, os membros, a título pessoal, devem participar no processo político. A Igreja também declara o seu direito constitucional de se expressar sobre assuntos políticos e sociais.
Sinceramente,

A Primeira Presidência

Que características buscar num candidato?

O Manual da Igreja para líderes preceitua:

“Na qualidade de cidadãos, os membros da Igreja são incentivados a participar dos assuntos políticos e governamentais, inclusive do envolvimento no partido político de sua escolha.(…)

De acordo com as leis de seus respectivos governos, os membros são incentivados a cadastrar-se como eleitores, estudar as questões e os candidatos políticos com muito cuidado e votar nas pessoas que acham que agirão com integridade e bom senso. Os santos dos últimos dias, especialmente, têm a obrigação de buscar, apoiar e dar seu voto a líderes que sejam honestos, bons e sábios (ver D&C 98:10).” (21.1.29, Atividade Política e Cívica)

Levando em consideração esses trechos citados, bem como princípios extraídos de D&C 134 (uma passagem que fala sobre a crença política dos membros da Igreja), e a fala do Presidente  M. Russell Ballard, na última Conferência Geral (“Onde há democracia, é nosso dever como membros votar em homens e mulheres honrados que têm o desejo de servir.”) podemos dizer que os membros da Igreja, em geral, procuram votar em candidatos com as seguintes características:

  1. Que tenha boa capacidade de comunicação e interlocução
  2. Que exerça uma boa capacidade de administração
  3. Que seja sábio
  4. Que tenha equidade e senso de justiça
  5. Que considere todas as pessoas, e as proteja em seus direitos
  6. Que não misture religião com governo civil
  7. Que seja íntegro e tenha bom senso
  8. Que defenda questões morais defendidas pela Igreja
  9. Que proteja e valorize a família como instituição básica e sagrada da sociedade
  10. Que seja honesto

Seja na escolha de deputados estaduais, Governador, deputados federais, senadores ou Presidente da República – precisamos buscar homens e mulheres com as características acima. E por isso é vital estudarmos “as questões e os candidatos políticos com muito cuidado”.

Leia também:

Política e Religião – 5 princípios para ser um cristão politizado