O que aprendemos com as 7 declarações de Jesus na cruz?

Depois de passar por momentos dolorosos e agonizantes, Jesus Cristo passava pelo último deles na cruz do Gólgota.

A crucificação era considerada como uma das mais horríveis formas de morte, pois além de dolorosa, era algo que acontecia lentamente. A pessoa sofria por cerca de três dias, quando morria pelo entorpecimento e inanição.

Pelo grau de sofrimento ser tão alto, é de se esperar que os que era submetidos a tal forma de morte, revelassem as profundezas de sua alma em um momento de tanta agonia. Talvez falavam coisas ou tomariam certos tipos de ações que nunca se imaginaram fazendo.

No caso de nosso Mestre Jesus, a crucificação mostrou verdadeiramente que tipo de pessoa Ele é e o Seu caráter. E na cruz, Cristo fez 7 declarações que exemplificam Sua natureza bondosa e obediente e Seu divino poder.

“Perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” 

A primeira declaração do Salvador na cruz mostra Sua compaixão (Lucas 23:34).

O Salvador sabia que os soldados que O crucificaram estavam cumprindo ordens e que não eram os verdadeiros responsáveis por toda a trama que O levou ao Calvário. 

Em um momento em que Ele poderia ter condenado aquelas pessoas, Jesus Cristo nos deu o exemplo novamente, mostrando que devemos perdoar a todas as pessoas e bendizer os que nos maldizem.

“Em verdade vos digo que hoje estarás comigo no Paraíso”

Cristo foi crucificado ao lado de dois malfeitores. Um deles disse ao Salvador que se Ele fosse mesmo o Cristo, poderia se salvar e salvar os dois que também seriam crucificados.

O outro malfeitor repreendeu o primeiro e reconheceu Jesus como o Cristo. A este, Jesus Cristo prometeu esperança (Lucas 23:49). 

“Hoje estarás comigo no paraíso.” Isto quer dizer: Hoje estarás comigo no mundo dos espíritos, onde aprenderás o evangelho e todas as tuas perguntas serão respondidas. (Ver Smith, Ensinamentos, p: 301.) Jesus não garantiu ao malfeitor a validade de seu arrependimento na hora final. O que ele fez foi reconhecer as sementes da fé e do arrependimento que o homem penitente demonstrou. Como sempre acontecera, o Senhor dirigiu todas as suas forças no sentido de oferecer toda esperança possível a alguém que logo passaria das trevas para a eterna luz. (Ver McConkie, DNTC, Vol. 1, p. 823-24.)”

“Mulher, eis aí o teu filho. Eis aí a tua mãe”

Jesus possuía um grande amor e preocupação por Maria, e vendo que ela estava ao pé da cruz juntamente com João, o amado, proferiu estas palavras (João 19:26-27). 

O Élder Alain A. Petion, dos Setenta, ensinou:

“Suas palavras ministradoras voltaram-se para Sua mãe, Maria. José, seu marido, tinha morrido. João, o amado, cuidaria então de suas necessidades. Essas palavras ensinam uma lição eterna do Primogênito sobre as responsabilidades familiares: Honrar a vontade de Deus de geração a geração, honrar os pais e cuidar das necessidades uns dos outros.”

“Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”

Jesus Cristo estava sozinho ali na cruz (Marcos 15:34). Desta vez um anjo não veio para o ajudar, como aconteceu no Getsêmani. Jesus precisava fazer aquilo sozinho por toda a humanidade. E mesmo em tal situação, Ele não escolheu reclamar ou murmurar. 

Podemos seguir o exemplo de Cristo, ao esperar Nele e não reclamar de nossas situações, pois temos a certeza de que nunca estamos sozinhos.

“Tenho sede”

Esta frase mostra o único momento em que o Salvador expressou uma necessidade física (João 19:28). O Presidente Russell M. Nelson explicou

“Para um médico, tais palavras são muito significativas. Os médicos sabem que quando um paciente entra em estado de choque devido a perda de sangue, invariavelmente esse paciente — se ainda estiver consciente — com lábios rachados e ressequidos — pede água.”

Somente depois de ter a certeza de que tudo tinha terminado (João 19:28), Jesus expressou o que estava sentindo em duas palavras.

“Está consumado”

 Ele tinha terminado. Jesus tinha cumprido com a vontade do Pai. Ele foi completamente obediente a tudo que Lhe foi ordenado por Deus, e o Seu exemplo é algo que podemos escolher seguir.

O Élder Alain A. Petion continua:

“Desde as primeiras palavras de Sua oração no Getsêmani até Suas últimas palavras na cruz, Jesus fez a vontade de Seu Pai. Ele bebeu da taça amarga que o Pai Lhe dera, dando glória ao Pai e concedendo salvação a toda a humanidade. (Ver 3 Néfi 11:11.) Que possamos ser assim tão submissos, humildes e altruístas em nossas vitórias e sucessos mortais!”

“Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito.”

Por Sua livre e espontânea vontade, Cristo deu Sua vida por nós. E fez isso porque nos ama de uma maneira que ainda não podemos compreender completamente.

Essa frase nos ensina que também podemos confiar nossas vidas nas mãos de nosso Pai Celestial e que podemos escolher fazer a vontade Dele.

Não temos somente essas 7 declarações que nos ensinam sobre quem verdadeiramente é nosso Salvador Jesus Cristo, temos as escrituras, as palavras dos profetas e principalmente o Espírito Santo. 

Ao conhecer melhor a natureza celestial de nosso Mestre, podemos nos aproximar Dele e ficar um pouco mais parecidos com Ele.

Conhecer e estudar sobre essas 7 declarações, fortalece nosso testemunho de que somente Jesus Cristo é o caminho, a verdade e a vida (João 14:6).

| Para refletir

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *