Ser um Missionário Online

Pesquisas cientificamente confiáveis (o que significa que acabei de fazer isso) demonstram duas coisas sobre o trabalho missionário: 90% de nós têm medo, e 103% de nós pensam que nós fazemos um trabalho muito ruim. Os números são ainda piores para as pessoas que são introvertidas, anti-sociais ou facilmente impacientes ao discutir a religião.

Felizmente para nós, a Era da Informação tornou ridiculamente fácil deixar as pessoas saberem quem somos e em que acreditamos. Eu me regozijei abertamente quando percebi que eu poderia ser um membro missionário online sem nunca ter que conversar com mais ninguém. Ainda assim, para muitos de nós, abrir-nos online pode ser um pouco assustador. A perspectiva de observações hostis em mídias sociais ou de que poderemos ofender nossos amigos e familiares nos transforma em “Mormons furtivos”. Se não nos visse na Igreja, não saberia que somos mórmons.

Por outro lado, a quantidade de coisas boas que podemos fazer on-line é simplesmente surpreendente. Quando recebi um e-mail de uma leitora de um dos meus blogs dizendo-me que a ajudei a tomar a decisão de ser batizada, fiquei chocado e feliz. (Como nos anúncios de perda de peso, os resultados não são típicos e podem variar para cada pessoa). Eu pensei que havia uma chance de fazer o bem. Melhor ainda, minhas coisas on-line estão fazendo trabalho missionário online enquanto estou fazendo outras coisas, como assistindo TV ou maximizando meu cartão de crédito na Amazon.

Alguns conselhos

Então, deixe-me oferecer alguns conselhos não solicitados com base no que eu aprendi nos anos desde que eu me dediquei a ser um Mórmon on-line.

Primeiro

Primeiro, você ficaria surpreso com o quão pouco isso incomoda as pessoas se você é religioso ou Mórmon. As pessoas que passam tempo online nas redes sociais podem ser mais tolerantes do que seria de esperar. Eles podem odiar gatos, mas eles não ficam incomodados por suas fotos diárias de Mr. Whiskers. Eles podem pensar de maneira diferente de você, mas eles podem tolerar suas opiniões. Eles têm zero interesse em seus esquemas para ficar rico rápido, ou nas táticas para ficar saudável bebendo shakes, mas eles não vão te namorar apenas porque você bebe vegetais. Fiquei muito surpreso com quanto os não-membros regularmente curtem minhas atualizações de status sobre meus chamados, meu dia na Igreja, ou mesmo blogs direcionados para outros Mórmons. Alguns deles até se orgulham de serem especialistas em Mormonismo.

O que eu descobri é que o típico “leitor irado de Facebook” geralmente é um bicho-papão criado em nossas próprias cabeças.

Segundo

Em segundo lugar, não se preocupe com o que outras pessoas estão fazendo, tente continuar. Eu acho que esse é um dos maiores problemas de sermos membros missionários: continuamos sendo convidados a fazer coisas que nunca vamos fazer, então nos sentimos culpados por não fazê-las. Minha abordagem é diferente. Eu acho que você deve descobrir o que está com vontade de fazer, então faça isso e fique bem com isso. Se você está confortável escrevendo para blogs doutrinários, faça isso. Se o melhor que você pode reunir é um relatório de status semanal sobre como foi o dia do Senhor, isso basta. (Minha esposa faz isso no Facebook todas as semanas, e não teve mais que respostas positivas). Mesmo se você quiser apenas dar um “Like” no que outras pessoas postam, isso é ótimo. Qualquer coisa que permita que as pessoas saibam quem você é, lhes dá a oportunidade de iniciar um diálogo se quiserem.

Terceiro

Em terceiro lugar, confie em resultados invisíveis. A maior parte do que acontece online é impessoal ou anônimo. Uma vez que você publica algo, ele assume uma vida própria. Eu escrevi mensagens no blog que eu pensei que eram apenas idéias e acabou que dezenas de milhares de pessoas em dezenas de países estava lendo-os, repostando-os ou comentando sobre eles. Não sei quem são essas pessoas, e isso não importa. O que importa é que minha voz esteja chegando muito além do meu pequeno círculo de amigos, familiares e co-conspiradores.

Quarto

Por fim, seja consistente. Este é difícil para mim. Eu tenho um autocolante no meu carro. Eu tenho que me lembrar que está lá porque eu não quero fazer algo quando alguém se virar na minha frente e for contra alguma crença. Do mesmo jeito, uma dúzia de postagens positivas podem ser revertidas por uma postagem pouco recomendada que fala mal de você. Precisamos ter cuidado, porque outras pessoas inferem nosso caráter do nosso conteúdo online. Isso não significa que cada publicação deve soar como uma conversa sacramental. Significa apenas que não afogamos os santos com os pagãos.

Se você lutou tanto quanto eu para compartilhar evangelho, a Internet é uma ferramenta maravilhosa para recuperar o tempo perdido. Isso nos permite falar com nossos vizinhos e fazer do nosso bairro o mundo. Você não precisa fazer nada dramático. Basta fazer algo para adicionar a sua voz única ao coro de vozes on-line proclamando com orgulho seu discipulado.

Esse artigo foi traduzido do inglês: Mormon Hub

Saiba mais sobre o assunto:

Histórias de Conversão: Como a Internet foi Importante para Mim

Como a Internet e as Mídias que Escolho Podem Influenciar Minha Vida?