“Encontre minha família” – Quando uma voz guiou um missionário na Nicarágua

Quatro dias no CTM e Matt sabia que aprender espanhol não ia ser fácil.

Como o primeiro em sua família a servir uma missão que requeria aprender um novo idioma, ele esperava uma experiência com o dom de línguas onde o espanhol viria naturalmente.

Mas não aconteceu. E combinado com a saudade de casa, esse desânimo deixou Matt em um momento muito infeliz de sua missão.

“Comecei a pensar: ‘Eu consigo fazer isto? Vale a pena?’, ele se lembra. “E foi então que recebi uma mensagem muito clara em minha mente. Era a voz de um homem, não audível, mas quase audível, e ele disse, ‘Elder Hill, levante a cabeça. Preciso que encontre minha família.‘”

Foi algo que Matt nunca havia vivido antes. A razão? Já havia sido prometido a Matt que pessoas estariam sendo preparadas antes de sua missão para ouvir o evangelho.

Enquanto se preparava para sua missão, Matt teve a oportunidade de passar pelo templo pela primeira vez para receber suas investiduras. Foi ali, naquele lugar sagrado e tranquilo, que Matt sentiu a presença de seu avô, um homem que faleceu antes mesmo de Matt nascer.

“Eu sabia que era o meu avô. E não sei como sabia disso. Conseguia vê-lo com os olhos da minha mente. E senti que era ele. Eu sabia que era ele.”

Matt diz que ele podia sentir a aprovação de seu avô por decidir servir uma missão, mas mais do que isso, ele podia perceber que havia uma mensagem que seu avô queria compartilhar com ele.

“Ele me disse que tinha vindo me dizer que ia descer para preparar os corações das pessoas com quem eu entraria em contato e me dar um conselho… ele me disse, ‘enquanto estiver na missão, eu quero que você se certifique de ser obediente às regras da missão'”, diz Matt. “Porque encontrarei proteção e segurança por causa da minha obediência. E então ele disse: “Eu quero que você vá para casa e diga a sua mãe que você será protegido em sua missão. Ela está preocupada contigo.'”

Até este ponto, Matt não tinha ideia de como sua mãe estava preocupada durante sua preparação para servir em um país estrangeiro. Mas quando ele chegou em casa e compartilhou a mensagem de seu avô, suas lágrimas confirmaram o que ele tinha ouvido no templo.

Assim como estas palavras confortaram a mãe de Matt, as palavras de um desconhecido no CTM também fortaleceram e confortaram Matt. É por isso que, três meses depois, Matt estava em um pequeno bairro na Nicarágua pregando o evangelho.

Enquanto estava neste bairro, Matt não podia deixar de notar um grupo de crianças do lado de fora de uma casa. Por alguma razão, Matt se sentiu que deveria perguntar ao seu treinador se eles poderiam apresentar-se a esta família.

Nesta altura, o Matt disse que não falava muito bem espanhol, mas quando ele e seu treinador entraram nesta casa, uma fotografia na parede chamou-lhe a atenção. Era uma foto de alguns policiais com cerca de 15 a 20 pessoas. E por alguma razão, um homem, em particular, chamou sua atenção.

“Com as minhas capacidades limitadas em espanhol, eu perguntei quem era aquele homem e eu apontei para ele”, diz Matt. “E a mãe, que estava tricotando, abaixou a cabeça e começou a chorar. Ela disse: “ele era meu marido. E ele foi baleado e morto no ano passado.'”

Imediatamente, Matt sentiu calafrios e seu pelos dos braços se arrepiaram. Ele conhecia este homem. Embora a meio mundo de distância e agora para além do véu, este homem, este estranho era familiar. Matt diz que naquele momento, ele podia sentir o Espírito confirmar a ele que este era o homem que ele tinha ouvido no MTC e esta era a família que ele deveria encontrar.

Sem palavras para expressar a sua alegria, o Matt não podia compartilhar os seus sentimentos com a família. Ele não podia compartilhar a experiência incrível que tinha tido apenas alguns meses antes. Em vez disso, o Matt só podia dizer um “meus sentimentos” à família.

Mas quando ele disse ao seu treinador que sentia que esta família estava pronta para receber o evangelho, a resposta do seu treinador não foi o que ele esperava.

“Eu disse, ‘Elder, eles vão se batizar. Eles vão aceitar o evangelho.” disse Matt. “E ele olhou para mim, meio que riu e disse ‘Sabe, quando eu era novo na missão, sentia o mesmo por todos a quem conhecia.’ Ele estava quase terminando sua missão e não achei que fosse o momento certo para compartilhar a experiência que tinha tido.”

No entanto, quando Matt compartilhou sua experiência com um novo companheiro, ambos sentiram que era o momento certo para ensinar o evangelho à família.

“Ele [o novo companheiro de Matt] disse, ‘Elder Hill, se não fizermos mais nada com o nosso tempo além de ajudar esta família, dando-lhes todas as oportunidades para aceitarem o evangelho, acredito que nosso tempo juntos terá sido um sucesso”, diz Matt.

Embora ambos não falassem tão bem o espanhol, Matt e seu companheiro não desistiram de ensinar esta família. E alguns meses depois, a mãe e suas filhas foram batizadas.

Embora Matt nunca tenha falado a esta família sobre a experiência que teve no CTM apenas quatro dias depois de começar sua missão, ele descobriu no domingo após o batismo da mãe como a família estava preparada para receber o evangelho antes mesmo de Matt pisar no país.

“Ela disse: ‘Desde que meu marido faleceu, eu tenho sentido o desejo de vir a esta Igreja'”, diz Matt. “‘E não sei por quê. Agora sei o porquê’. Ela disse que este evangelho, mesmo com o pouco que aprendeu sobre ele, trouxe-lhe muita paz e alegria. E está convencida de que o marido está muito feliz com a decisão dela e das filhas.”

Matt sabia que ele tinha sido apenas um instrumento para trazer esta família ao evangelho. Ele não tinha convertido esta família, o Espírito o tinha feito. E ele não era o único que tinha trabalhado para garantir que esta família tinha encontrado o evangelho: outros missionários também tinham trabalhado para dar essa oportunidade a esta família.

Agora, como um pai, Matt diz que entende por que aquele estranho falou com ele naquele dia no CTM, “eu entendo seus sentimentos em relação a sua família que vivia sem sua presença”, diz Matt. “Isso me ajuda a saber que faria a mesma coisa. Que faria qualquer coisa que estivesse ao meu alcance para ajudar a minha família de qualquer forma possível.”

Até hoje, Matt não sabe por que ele teve essas duas experiências únicas com anjos, “mas eu acredito que nosso Pai Celestial sabe como se comunicar conosco”, diz Matt. “E muitas vezes penso que a forma como Ele escolhe fazer isso é diferente para cada um de nós. O evangelho de Jesus Cristo é muito importante para aqueles que estão vivendo nesta terra e aqueles que já se foram. Aprendi que o nosso Pai permite que aqueles do outro lado do véu façam parte do trabalho que estamos fazendo aqui.”

Fonte: LDS Living

Relacionado:

O que a história da família me ensinou sobre a vida após a morte

| Missão

Comente

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *